Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cremilda

Cremilda, toda assanhada, não parava quieta em lugar nenhum. Mexia pra lá, contorcia pra cá, virava e revirava a terra do jardim que ficava na casa do Seu Tito porque Cremilda era uma minhoca e é isso que minhoca faz, revira a terra como ninguém.
Acontece que um dia, essa minhoquinha ouviu umas formiguinhas dizendo das belezas do jardim e não resistiu. Curiosa como era, precisava ver se o que as formiguinhas diziam era verdade. Elas vinham falando das belezas e das cores das flores, pois era primavera, estação em que o jardim ficava ainda mais bonito... Não teve dúvidas, colocou seu melhor vestido, seu chapéu de missa com laço de fita cor de rosa, passou batom, é, a Cremilda não ia a lugar algum sem passar seu batom, ela dizia que toda boa fêmea tinha que ter batom nos lábios, bem, lá se foi a Cremilda pela primeira vez, pois nunca havia saído de seus buracos e foi subindo, subindo, subindo até que começou a ver um clarão. Era o sol que tocava o seu corpinho torto.
Ao sentir aquele calor gostoso do sol, Cremilda até esqueceu que era uma minhoca e que não parava quieta em lugar nenhum, esqueceu e não se mexeu nem se contorceu, apenas ficou ali extasiada olhando aquele jardim repleto de flores com todas as suas cores, e borboletas, e raios de sol, e passarinhos...E, pela primeira vez, sentiu o sol e se sentiu fazendo parte de um mundo grande que até aquele momento, nem sonhava existir.
Enquanto Cremilda ficava ali, admirando tanta beleza e agradecendo a vida por simplesmente existir e poder contemplar tudo aquilo, nem percebeu o sabiá que, rápido como um raio, deu um rasante engolindo a Cremilda numa bocada só.
Pobre amiguinha, virou  comida de sabiá, mas não fique triste não, Cremilda sabia que isso cedo ou tarde aconteceria, pois é assim que a natureza funciona, um comendo o outro, o outro comendo o outro e eu só sei que Cremilda foi a melhor comida que aquele sabiá já comeu na vida, afinal, no exato momento em que foi engolida, ela se sentia a minhoquinha mais feliz do mundo por ter tido a chance de conhecer um jardim tão lindo.
Assim termina a história da Cremilda, que era uma minhoquinha, que usava vestido e gostava de seu chapéu de missa com laço de fita cor de rosa e não saia de casa sem passar batom...
Aisha
Enviado por Aisha em 08/05/2012
Código do texto: T3657368

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Aisha
Jundiaí - São Paulo - Brasil, 53 anos
791 textos (36780 leituras)
1 e-livros (57 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/09/19 17:11)
Aisha