Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Tribunalma

Severamente, o juiz o olhava. Para evitar a colisão, desviou a vista.
Sentiu um calafrio percorrer a espinha e o suor desaguar, indiscretamente, na cueca.
Todo aquele paramento judiciário, a voz grave, o ambiente austero, o oprimia.
De imediato, o magistrado deu início ao interrogatório.

- Senhor Juliano, jura dizer a verdade, apenas a verdade?
- Juro, disse num balbucio.
- Onde estava o senhor, quando ocorreu o roubo das pedras preciosas?
- Em casa, senhor juiz.
- O senhor tem como provar isso?
- Apenas a minha palavra empenhada.
- Isto não é suficiente

Ficou ruborizado. As mãos tamborilavam , freneticamente, na cadeira.
Lembrou-se do personagem Pinóquio e de seu nariz. Naturalmente, de alguns políticos conhecidos...

- Senhor Juliano, disse o meretíssimo, temos na sala um detector de mentiras.
- Mas, eu não menti, senhor juiz.
- Veremos.

E o magistrado foi buscar a engenhoca, habilmente escondida em uma mesa ao seu lado. Colocou-a próxima a Juliano e disse:


- Observe, então, senhor Juliano...

Nisso, acordou do pesadelo. Respirou aliviado.
Precisava ver menos filmes de ação à noite, pois senão viveria em constante pavor.
Apalpou seu nariz. O tamanho permanecia normal.

Ricardo Mainieri
Enviado por Ricardo Mainieri em 06/04/2006
Reeditado em 20/04/2006
Código do texto: T134884
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Ricardo Mainieri
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 60 anos
2484 textos (35743 leituras)
1 e-livros (110 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/09/20 15:25)
Ricardo Mainieri