Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Inércia

         Foi assim mesmo. Ano após ano, a cada verão nascia um filho. E a cada parto, a certeza: eram retardados. Já nasciam sem chorar. Apenas um gemido, como um  débil protesto por estarem vindo ao mundo daquele jeito incapaz.
        Num cômodo à parte, um estrado com colchões ia acolhendo os retardados, incapazes de se mexerem sozinhos. Todos ali, lado a lado como bonecos eternamente inertes.
        Eram quatro, três rapazes e uma moça. Mas pareciam tudo a mesma massa disforme e exigente.
        Ela, a mãe, já nem sabia direito o que era uma pessoa normal, que falasse, andasse, risse, chorasse. Deixara de receber visitas há muito tempo e nem a assistente social ia mais àquele fim de mundo onde seu marido resolvera levá-los para morar.
Ia levando assim, sem reclamar, pois não conhecera vida mais fácil e eram seus filhos, apesar de tudo. Amava-os.
        Ao lavar a moça, certa manhã, notou que seu ventre estava um pouco mais proeminente que de costume.
_"Gases, por certo. Não vou dar feijão por uns dias", pensou ela.
        Mas o ventre crescia a cada dia, independente da comida que fizesse. Lá no fundinho, ela sabia o que era aquilo, mas se recusava a acreditar e deixou por aquilo mesmo.
        Não falou com o marido, não falou para ninguém. Não sabia o que fazer, mas agora sofria demais cada vez que via aquele ventre crescido.
        Crescia o nojo pelo marido e se negava a ter qualquer intimidade com ele, e se já falava pouco, agora emudecera completamente.
        E o silêncio pesado daquela casebre só foi rompido certa manhã por um gemido, quase choro, que mais parecia um protesto.
        E silenciosamente ela foi até o estrado onde estavam seus filhos e ajudou sua filha a ter o bebê, que ela sabia ser filho de seu marido.
        Ela ainda não sabia como, mas iria fazê-lo pagar por isso. Ah, se ia!
Por enquanto, precisava ainda dele...

odeteronchibaltazar
Enviado por odeteronchibaltazar em 29/04/2005
Código do texto: T13745


Comentários

Sobre a autora
odeteronchibaltazar
Florianópolis - Santa Catarina - Brasil, 67 anos
37 textos (2630 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 30/11/20 18:05)
odeteronchibaltazar