Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CONTO, NÃO CONTO

Hermes, aqui não! Vamos sair do estacionamento primeiro.
Só um beijinho! Passei o dia todo esperando por esse momento.
Vamos sair da frente da empresa primeiro. As pessoas no escritório já estão desconfiadas.
Eu não ligo. Não quero mais esconder.
É para o seu próprio bem! Minha preocupação é com você. Eu sou livre não tenho compromisso, mas você é casado, seria um escândalo! Já imaginou se Bárbara fica sabendo.
Eu estou pensando em contar tudo pra ela. Vou pedir o divórcio.
Vamos, saia com esse carro, no caminho conversarmos.
Tudo bem! Mas é isso mesmo. Estou decidido. – disse Hermes arrancando com o carro – Vou contar toda a verdade à Bárbara. Vou dizer que não posso mais viver com ela, que estamos apaixonados e que vamos morar juntos. Eu te amo!
Eu também te amo. Mas não podemos. Conheço Bárbara desde a adolescência, estudamos juntos. Fui eu quem apresentou vocês. Lembra-se? Acho que ela aceitaria se trocada por qualquer mulher, mas por mim nunca! Ela tem muita confiança em mim, sempre considerou nossa amizade muito sincera. Seria uma traição ainda maior. Coitada. Além do mais o que as pessoas iriam dizer? Eu seria o monstro dessa história toda, muito mais que você, que é o marido traidor.
Não estou preocupado com o que as pessoas digam ou pensem. Você também não devia se preocupar. Afinal você me ama, ou não?
Claro que te amo, seu bobo. Mas pense nas conseqüências. Poderíamos até perder o emprego.
Ora, somos competentes, podemos conseguir outros empregos sem problemas.
Temos que tomar muito cuidado Hermes. As pessoas no escritório já desconfiavam, quando você me chamou para fazer parte de sua equipe a desconfiança aumentou ainda mais. Você poderia ter convidado qualquer uma das meninas do atendimento para ser sua secretária.
Eu não queria qualquer uma das meninas do atendimento ao meu lado. Eu queria você. Além do mais você é competente o bastante para me auxiliar. Não chamei você só pelo nosso amor, juro, pensei primeiro na sua competência para o trabalho. Uni o útil ao agradável. Assim tenho você o dia todo entrando e saindo da minha sala, ora para recolher assinatura, ora para entregar documentos, e assim, cada vez que você entra posso contemplar sua beleza, vez ou outra até arriscar um beijinho!
Hermes... Eu já falei para parar com isso. No escritório não! Mas você não tem jeito. Já pensou se alguém entrar num momento desses?
Ninguém entraria em minha sala sem bater na porta. Se o fizerem mando embora. Seja quem for o infeliz.
Deixe-me em casa Hermes, tenho muita coisa para fazer.
Não! Vamos para um motel, estou morrendo de vontade ficar a só com você. Só um pouquinho, uma ou duas horinhas prometo. Não mais que isso.
Hoje não Hermes! Vamos direto para minha casa. Se deixar por sua escolha todo dia paramos no motel.
Tudo bem. Você é quem manda meu amor.
Vou abrir o portão, você guarda o carro na garagem. Com essa onda de roubo de carros não podemos vacilar.
Meu amor, agora falando sério – disse Hermes em tom atinado, já dentro da casa – Hoje vou contar toda a verdade à Bárbara. Vou dizer que estamos tendo um caso a mais de um ano e que eu não consigo mais viver sem você, não quero continuar esse romance escondido. Ela vai entender.
Ela não entenderá nunca.
Mesmo que não entenda, não posso mais viver assim. Quando saio com ela, penso em você, quando estou na cama com ela, penso em você. Estou sofrendo muito, não posso mais manter essa vida dupla. Quero poder andar de mãos dadas com você pela rua, na praia, nas festas. Quero dormir e acordar ao seu lado todos os dias. Não agüento mais esconder.
Mas e seus filhos?
Eles têm que entender. Se não entenderem que se dane! Não posso privar minha felicidade por causa deles. Já são bem crescidos, sabem se virar sozinhos.
Não sei se seria uma boa idéia. Tenho medo das conseqüências. Bárbara e os meninos nunca mais olhariam para minha cara. Acho que você não deve contar.
Eu vou contar sim. Estou decidido.
Por favor, Hermes, não faça isso. Além do mais tenho medo de assumirmos nosso caso publicamente, de morar junto, de conviver com você todos os dias, isso poderia abalar o relacionamento. Tudo o que é escondido é mais gostoso. Vamos continuar assim, por favor, eu te imploro. Se um dia acontecer naturalmente de alguém descobrir, ai sim, nós assumimos tudo, mas por enquanto vamos deixar como está, faça isso por mim. Eu te peço, por favor, meu amor.
Tudo bem, você sempre acaba me convencendo. Venha me dê um beijo!
Vamos tomar um banho primeiro, venha!
Seu safadinho... Eu te amo Renato. Sou louco por você.
Eu também te amo Hermes.
Marcelo Nocelli
Enviado por Marcelo Nocelli em 16/03/2007
Reeditado em 27/03/2007
Código do texto: T415155

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Marcelo Nocelli
São Paulo - São Paulo - Brasil, 47 anos
52 textos (16049 leituras)
5 áudios (556 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 29/09/20 00:21)
Marcelo Nocelli