Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

@@ BUSCA @@

Busca
Correu a buscar no horizonte as respostas. Foram tantas as vezes que sentou n'areia da praia fixando o horizonte, conversando com as ondas que lambiam seus pés, acarinhando suas angústias.
Mas não ver o horizonte a deixara em pânico, pois era como não achar respostas, mesmo sabendo que as mesmas vinham sim, do seu coração. Porém, um vazio, e era como perder a ponte, a segurança da travessia.
Sentia a chuva, mas como não sentir o coração? Ocas batidas, ecos no peito. O sangue como um rio a desaguar no nada.
Nas ruas apenas rostos, inexpressivos e mudos, tal qual o seu naquele momento. Olhos de vidro, coração de cristal trincado que não se usa nem vai ao lixo.
Vontade de jogar as vestes do mundo num grito de liberdade. Porém eram tantos elos na longa corrente como a dizer não, nem tente.
Correu em desespero. Fuga insana de si mesma.
Acordou na cama; suave, seca e presa.
(Taciana Valença)
TACIANA VALENÇA
Enviado por TACIANA VALENÇA em 24/06/2017
Código do texto: T6036188
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
TACIANA VALENÇA
Recife - Pernambuco - Brasil
2008 textos (153232 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/02/19 23:15)
TACIANA VALENÇA