Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Na Contra Mão

No céu azul tantos papagaios e rabiolas escreviam infância naquela tarde, que suava de tanto calor. O vento parecia esmaecer num ir e vir de uma brisa que momentaneamente afagava. Tudo parecia calmo, dentro de uma perfeita sintonia. Pássaros cantando, árvores valsando e transeuntes caminhando.
No carro, o senhor Antônio seguia o seu trajeto até sua casa, quando avistou um garoto na bicicleta atravessando a sua frente num malabarismo, no mínimo desprovido de qualquer segurança. Com os olhos focados para o céu, o menino catalogava a queda livre de um papagaio. Isso o fez mudar a direção e nesse segundo perdido, do outro lado da rua vinha uma moto, cujo condutor acreditando, que o garoto ia,  ele foi passando e nesse meio tempo o garoto voltou e ele então...
Sem qualquer precisão de  freio atropelou e jogou o garoto no asfalto. Caindo sucessivamente no meio fio desacordado.
Por um segundo, só por um segundo o tempo parou...
Gritos de horrores, nervosismos com dores.
Um pedaço do pedal voou desgovernado em direção ao carro do senhor Antônio que desviou.
Nas entrelinhas do acontecimento gritos, impactos, nervosismo e desesperos tomaram conta do local.
Mais do que depressa alguém ligou para ambulância, mas quem chegou primeiro foi a policia.
Logo encheu de pessoas, curiosos, solidários e aproveitadores.
Num verso inusitado de dor, o garoto gritava. Fratura exposta na perna, enquanto o motoqueiro nem se mexia. Uns diziam que ele teria morrido, outros falavam e falavam.
O senhor Antônio, que viu a cena preferiu sair respondendo a quem perguntava sobre a culpa do acidente ali. Respondeu incisivamente, que o culpado fora o garoto, pois tentou atravessar a rua olhando pra cima e quando viu o papagaio caindo, mudando  de direção conforme o vento, decidiu arriscar voltando como se quisesse abraçar o mundo com as pernas.
Na contra mão da rua vinha o motoqueiro, que diante da indecisão do menino não teve o que fazer. E acabou por atropelar e ser vitimado inocentemente.
Alberto Amoêdo
Enviado por Alberto Amoêdo em 14/03/2018
Código do texto: T6279596
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alberto Amoêdo
Macapá - Amapá - Brasil, 52 anos
1459 textos (21645 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/18 19:57)
Alberto Amoêdo