Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Verdade

Vago por miríades de reinos em busca da essência de todos os conhecimentos: a resposta suprema de todas as indagações que não seja concebida por meras tautologias, axiomas e silogismos e que transcenda os mais elevados pensamentos destes pobres mortais feitos de argila, muito além do que possa ser imaginado ou compreendido pela dialética, poesia e, até mesmo, filosofia.

E a cada lugar que destino-me a ir, encontro-me profundissimamente esperançoso de saciar o desejo de descobrir esse conhecimento primordial que dá sustentação a todos os outros conhecimentos – “a verdade”.

E agora, aproximo-me de um lugar chamado de Tessalônica, uma cidade portuária que deu nome a uma das irmãs de Alexandre, O grande. Uma cidade muito movimentada e que, no passado, foi palco de conflitos religiosos. Também, tomei conhecimento, através de uma fonte segura, de que na ilha do Monte Athos se produz o melhor vinho do porto.

Adentro à cidade e deparo-me com casas, edifícios e templos construídos em pedra calcário, tudo muito bem arranjados, simetricamente produzidos para proporcionar harmonia e beleza.

Deparo-me com um local muito bem atraente e na faixada principal, encontra-se um arco de pedras calcarias muito bem polidas e jardins muito bem floridos de ambos os lados e no centro uma placa com a palavra “taberna” – era tudo que eu precisava: o néctar dos deuses para saciar a minha sede e inspirar os meus pensamentos.

Sento-me a mesa e ganho aos olhos a belíssima vista da praia que tem ao fundo a ilha do Monte Athos e, nesse exato momento...

– Escolheste tu, o melhor vinho da cidade! exclamou um homem no balcão.

Olhei-o e o mesmo me perguntou:

 – Como soubeste que este é o melhor vinho dentre dos melhores da cidade? Pois, os estrangeiros que aqui veem, nunca o pedem. perguntou em tom exaltado.

– Honrado nativo de Tessalônica,  foi este vinho que pedi ao "servitóros¹", o vinho do MONTE ATHOS – Vindo do Porto.  Respondi em tom eloquente.

– Sou de muito longe, mas antes de vir, já sabia, por intermédio de um nativo, que aqui se produzia, não o vinho, mas o néctar dos deuses.  Respondi entusiasmado.

Nesse exato momento, o estranho se aproximou.

– Estou honrado com suas palavras! Exclamou o estranho, abrindo suas mãos ao ar.

– Permita-me se apresentar, sou Dários, o dono da taberna.  Exclamou com o tom de simplicidade.

– Sou Ágapos de Rhodes, o filho  de Cerés. Repliquei no mesmo tom.

– Cerés de Lindos, O Magnífico! o construtor do Colosso do deus Hélios? - Perguntou, expressando admiração.

– Exatamente, Dários. Tivemos que erguê-lo em homenagem ao deus Hélios - ele que nos dá forças e nos protege, por isso, tivemos a vitória contra os macedônios garantida.

– Certamente meu caro! Façamos um brinde à vitória e ao deus Hélios.  Se expressou, enaltecendo a voz.

– E a Dionísio que nasceu duas vezes e é filho de uma mortal, sem ele, não degustaríamos esta divina bebida que nos evoca à sabedoria.  Expressei-me no mesmo tom.

– Certamente! E não foi em vão que Plínio, o velho, afirmou: “in vino veritas, in aqua sanitas² ”. Dários complementou as minhas palavras.

E esta foi a primeira vez. Nunca, em nenhum lugar que já estive, alguém havia pronunciado tal palavra: verdade.

– Certamente que não, Dários. Pois, assim como o vinho, a verdade, em essência, só pode ser uma palavra dos deuses. Afirmei em tom eloquente.

– Eis a maior dúvida da humanidade,  saber o que é exatamente a verdade. Indagou Dários, franzindo o cenho.

– Seria esta indagação suprema passível de resposta, Dários? Perguntei admirado.

– Esta é a pergunta absoluta meu caro, Ágapos. Mas incrivelmente, não há respostas para ela. Afirmou, Dários, completamente enaltecido.

– Dialéticos, poéticos e filósofos, todos que já tenham tratados da verdade, nenhum deles conseguiu defini-la, apenas, contemplaram-na e enalteceram-na. Afirmou Dários, em tom eloquente.

– Esta é a pergunta que só os deuses têm a resposta. O que é a verdade? quem faz tal pergunta, denota absoluta ignorância e quem a responde, denota absoluta arrogância. Então, a única resposta para tal pergunta é o silêncio. Dários conclui com os olhos repletos em lágrimas.


                                              José Carlos Pereia de Farias
                                                                        Autor
1- Servitóros - Garçom em grego.
2- “in vino veritas, in aqua sanitas ”.
“no vinho está a verdade, na água está a saúde”.

Carlos P Farias
Enviado por Carlos P Farias em 15/05/2018
Reeditado em 25/07/2018
Código do texto: T6337577
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Carlos P Farias
Sapé - Paraíba - Brasil, 31 anos
18 textos (2043 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/10/18 17:32)
Carlos P Farias