Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A morte que não houve e a fuga real

"Eles vão acreditar!!! ... Está em meu sangue... "


Sairam ilesos, Adolf Hitler e Joseph Goebbels...

Ambos dentro de caixões fugiram ilesos, enquanto Magda e Eva eram envenenadas e incendiadas.

Enterrados os corpos no jardim sem ao menos ter como identificar. Assim, ficaram as duas mulheres no lugar de Hitler e Goebbels.
Quando os Russos chegaram, somente encontraram dois cadáveres torrados feito carvão e acharam realmente se tratar de Hitler e Eva.

Nos caixões que saíram para serem sepultados como a família Goebbels (suicídio por veneno)... Estavam os estrategistas maquiavélicos Adolf e Joseph, quais seguiam junto com as crianças. No caminho do cemitério eles entraram em uma tumba que tinha passagem para um lugar subterrâneo, onde vestiram roupas sujas,  surradas panos na cabeça e seguiram para outro local, onde foram interceptados por seus subordinados que sabiam dos seus disfarces de duas mães, quais levavam suas crianças sobreviventes do nazismo.

Eles partiram até uma Base secreta onde 5 submarinos faziam uma estratégia arriscada e ousada, mas com muita perspicácia da fuga mais esperada.

Os submarinos estavam posicionados ao comando de suas direções para serem interceptados pelos americanos, russos e britânicos. Quatro sairiam e às funções eram polos diferentes.

Aquele submarino com Hitler, Goebbels e suas crianças... Este fugiu em total segurança até a América do Sul.

Até hoje ninguém tem certeza de nada, mas há alguns anos foi feito um exame de DNA nos restos supostos de Hitler e Eva... Impressionante que foi constatado serem duas mulheres e não um homem e uma mulher !!!

Sei quê...
Hitler era homem e durante a infância foi abusado pelo pai que estuprava ele, a mãe e os irmãos todos juntos... Um alcoólatra e verme maldito, qual até o sobrenome era usurpado de outra família.

Hitler tinha ódio de seu pai, qual com seus longos bigodes depois de abusar dele e todos dentro de casa, ainda esticava o nojento bigode e saía deixando a família toda ferida fisicamente e em seus intrínsecos sentimentos psicológicos.

Um dia Adolf Hitler ...
Ele se vingou e cortou os bigodes do pai.

Anos seguidos...

Nascia aquele meio bigode cafona e uma expressão do ódio que corria suas veias. Um nazista que odiava tudo que lembrava o maldito e ruivo pai.

Se este homem foi o mais inteligente e maldoso de todos os tempos, não há como afirmar, pois nos livros históricos muitos homens que tiveram o poder e isto antes de Adolf Hitler, também mataram povos inocentes.

A conduta que move um sentimento odioso é o reflexo da maldade que sofreu.

Seu pai antes de mudar o sobrenome era judeu...

Sem mais motivos e quais não lhe fizeram ser quem ele foi, somente por ser Adolf Hitler um menino abusado pelo pai.

O nazismo é tudo que faz a pessoa odiar algo, alguém ou acontecimentos passados. Tudo que alimentamos como bengala de tragédias é o reflexo do puro egoísmo, qual tem a vingança como escudo de um poder sobre outras pessoas que sofrerão igualmente à todos no passado.

Um passado que não existe mais e nenhum muro poderá servir de lamentos, pois pedra não fala, não tem sentimentos e muito menos faz reviver quem já morreu.

Dizemos ao futuro que a maldade foi enterrada e neste presente somos alguém de bem, mas na ganância retornamos ao passado e fazemos maldades em quem nada tem haver.

A estratégia é fundamental dentro de todo o poder, mas temos sentimentos que vão corrompendo a pura humanidade que nasce e morre dentro da gente.

Por isso, Adolf Hitler disse:
"Eles vão acreditar!!! ... Está em meu sangue mudar de identidade, vamos colocar elas em nosso lugar e fugimos com as crianças... Todas salvas!!!"

Assim...

A vida é apenas um começo para traçar os seus caminhos, quais todos no final te levarão ao pó.
Erika Gasbarro
Enviado por Erika Gasbarro em 11/07/2018
Reeditado em 12/07/2018
Código do texto: T6387261
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Erika Gasbarro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Erika Gasbarro
Piracicaba - São Paulo - Brasil
256 textos (5842 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/11/18 17:59)
Erika Gasbarro