Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Certa feita, uma jovem que não tinha muita sorte no amor resolveu usar os recursos advindos da tecnologia para questionar ao santo casamenteiro o por quê de não ter encontrado o seu par perfeito.

Na hora e dia da audiência estava Santo Antônio com suas vestes escuras, uma criança nos braços e com alguns pães, com os quais andava de um lado para o outro. Antes mesmo de cumprimentá-lo soltou ela: mas o senhor não é o casamenteiro?
O santo respondeu:

- É, na verdade eu sou o protetor da fartura, do alimento do corpo e como os boatos correram rápido demais, acabaram me presenteando também com o alimento da alma.

- Então o senhor não é o santo casamenteiro?

- É, sou. Mas não foi uma escolha, foi aclamação.

- E esta criança? Aqui na terra dizem que o senhor é pai solteiro? Desculpa a intromissão, mas...

- É, na terra as pessoas adoram criar uma história e o pior aumentam pontos em cada conto... Mas, o que te fez vir até aqui?

- É que queria tirar umas dúvidas sobre o que tenho feito aqui na terra para arrumar um pretendente, mas ando sem sorte.

- Diga minha filha, sou todo ouvidos...

- É que já te coloquei de cabeça pra baixo, já te amarrei no pé da mesa, já mergulhei sua cabeça num vaso com água , já comi coração de banana e já te joguei da janela, e nada...

- Oh minha filha, é que a lei da sobrevivência nos faz aprender algumas coisas. Sobre colocar de cabeça pra baixo, depois de perder a razão por tantas vezes, aprendi a plantar bananeira; sobre ser amarrado ao pé da mesa, depois de me especializar em yoga, não mais entro em pânico; sobre colocar a cabeça na água, aprendi a mergulhar e ficar submerso por horas; sobre o coração da banana, duro demais, acabei excluindo-o dos instrumentos; e por fim, depois de me esfolar tanto, fiz curso de queda livre. Terminou o padroeiro fazendo uma dancinha da vitória, uma espécie de “sarrada santa”.

- E o que faço então pra conseguir me casar?

- Dá uma chance pra Rita, ela cuida do impossível ou Expedito, se for urgente; ou ainda José Operário, se der trabalho.

- Já entendi porque anda fora de moda... Santo casamenteiro, ok! E o que vai fazer?

- Aposentadoria compulsória. Aproveitar para visitar os amigos, dá um auxílio para os mais idosos junto com Bento, correr atrás de crianças pra ajudar o Cosme e o Damião, pular fogueiras no aniversário do João e dançar quadrilha com o Pedro. Uma esticadinha e já visitaria a prima Iemanjá no litoral. Tenho bastante planos.

- Cada uma...

E a conexão caiu.
Mônica Cordeiro
Enviado por Mônica Cordeiro em 12/06/2019
Reeditado em 13/06/2019
Código do texto: T6671521
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Mônica Cordeiro
Conselheiro Lafaiete - Minas Gerais - Brasil
448 textos (15892 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/19 04:34)
Mônica Cordeiro