Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Curta um Conto Emily & Lucy - Vaga no time - Capitulo II


Ginásio de Esportes Cido Franco – Atibaia - São Paulo

- Aquelas duas vão se matar
- Luana não é pra tanto, mas você sabe o real motivo delas serem assim?
- Deve ser por que elas apanharam pouco quando eram crianças, vai saber? Eu apanhei bastante por isso sou assim.
- Bem caso você não seguir no esporte, tente a carreira no stand-up.
- Prof. Eu não sou tão debochada assim, mas vai saber as duas gostam do mesmo cara.
- Será?
- Vai saber? Eu quebraria a cara de qualquer uma que desse em cima do Arthur.
- Bem vamos atrás delas. Meninas até o próximo treino.
- Olhe prof, cada uma indo prum lado.
- Bem você vai atrás da Emily eu vou falar com a Lucy.
- Aquela menina é brava...
- Use seu charme, quero conversar com as duas.
Minutos depois
- Bem consegui prof. Mas olha a cara da Emily.
- Vamos ali na pista de skate conversar.
- Tão vendo aquela loja? Eu trabalhei nesse local desde 2001, quando aqui foi a ,maior loja de material pra construção da região, inclusive maior até das grandes redes do segmento. E aprendi aqui que sem união não chegamos a lugar nenhum.
- E o que isso tem a ver?
- Emily, se o time não se unir não tem como buscar resultados positivos, tem um time base bom, essa menina Luana joga o mesmo que que fala besteira, mas precisa saber de onde saiu essa rixa.
- Eu não sei, só sei que não fui com a cara dela.
- E você Emily?
- Digo o mesmo...
- Engraçado eu fui com a cara das duas lindonas aí, uma ruiva estilo a Marina Ruy Barbosa, a outra parece a Branca de Neve. E eu nem gosto de menina.
As duas riem da piada de Luana, mas quando seus olhares se cruzam abaixam a cabeça.
- Gente ta ficando tarde e minha coroa fica preocupada se eu não chegar na hora. Luana pisca para Eduardo sem as duas verem.
- Bem agora quero saber o motivo, causa, razão circunstância dessa idiotice.
- Já falei, eu não vou com a cara dela.
- Deve ser coisa da rivalidade entre escolas, eu sou do Aguiar, ela do colégio São Paulo, as duas escolas são referência no esporte.
- Verdade, a gente se pega no que os torcedores falam, eu sou a melhor da escola, ela a melhor da escola dela.
- Eu sou de escola pública, ela particular.
- Eu estudei no Aguiar, joguei os jogos da primavera, entendo a rivalidade, mas hoje vocês estão no mesmo time, preciso de união para buscar resultados que o professor Marcio sempre obteve no feminino, Atibaia era referência, eu assistia os jogos.
- Já te disse eu não vou com a cara dela.
- Eu também...

Meses depois
- Não, não e não. Perdemos o jogo o terceiro seguido, e por causa das duas lindinhas.
- Culpa dela que não acerta um passe.
- Culpa sua que perdeu o pênalti.
- Culpa da bola né? Que é redonda e as bonitas não podem ajudar o time.
- Luana concordo com você. O Masculino com o márcio ganhou 5 jogos seguidos com uma vantagem de mais de dez gols.
- Verdade, meu mozão é artilheiro da competição e já estão garantidos nos jogos do interior que serão disputados aqui.
- Sei, se as belezinhas ai ajudarem podemos nos classificar em último.
- Eu não sei por que larguei a natação pra ouvir babaquice aqui.
- Bem a porta da rua é serventia da casa, se você acha que está fazendo um favor não está mesmo. A culpa foi minha em acreditar em você, em querer ficar com um plantel de vinte e duas meninas, sendo que apenas catorze seria excelente, em querer colocar a cidade em evidencia e alguma aqui tivesse o talento da Saiury e conseguisse se profissionalizar.
- Eu falei sem pensar, me desculpe.
- Emily, não é pra mim que você deve pedir desculpas, mas sim pra essas meninas que acreditaram em você.
- Meninas me desculpe, sei do sonho de vocês.
- Lucy onde você vai?
- Não aceito as desculpas dela, perdemos porque ela é muito orgulhosa.
- Você não me passou a bola, e eu que sou orgulhosa?
- Pode parar com essa ceninha, vocês duas tão precisando de um choque de realidade, não tão jogando nada e mais perdemos por que as duas tiram a chance das outras jogares, eu me responsabilizo por isso. Então quando a Lucy jogar a Emily nem vai, e vice-versa, e a capitã será a Sabrina.
- Mas Eduardo.
- Lucy pra que uma capitã assim? Olhe perdemos de novo, não saímos do lugar, quando a Emily não veio ganhamos o jogo, e você foi destaque, você coordenou as jogadas e fizemos um placar elástico.
- Edu...
- Emily fica quieta, por que aconteceu o mesmo quando a Lucy torceu o pulso, viramos um jogo perdido, onde seus passes fizeram a diferença, a Luana chegou a artilharia naquela época, mas vocês duas juntas não dá mais, me desculpe. Não vou sacrificar meu time por vocês.

Continua
Eduardo Donizete
Enviado por Eduardo Donizete em 13/01/2019
Código do texto: T6550388
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Eduardo Donizete
Atibaia - São Paulo - Brasil, 37 anos
6 textos (72 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/02/19 21:20)
Eduardo Donizete