Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Raquel e o rastro do adeus

                                      Raquel

           Eu nunca consegui tirá-la dos meus pensamentos. Entre nós, existia uma distância visceral, não somente a geografia que nos afastava. Havia diferenças sociais tão complicadas de transpor. Contudo, o rosto, a voz e o riso cristalino dela andavam sempre ao redor das minhas lembranças. O tempo já havia passado. Quatro anos... No entanto, às vezes, um gesto, um sorriso de alguém me fazia embarcar nas memórias e ficar pensando nela... Raquel... Raquel... Conheci a Raquel num destes bares de solteiro, alias, de reputação duvidosa de Porto Alegre, numa das muitas viagens de trabalho que possuía o hábito ou a obrigação de fazer para outros estados.

      Nesta viagem específica era um congresso sobre saúde sanitária e técnicas de prevenções. Estávamos num grande grupo de médicos, alguns em busca de conhecimentos e técnicas novas e outros, simplesmente, aproveitando o dinheiro que secretária de saúde do estado de Espírito Santo, propiciava aos médicos para aprimoramento profissional. Ficamos durante sete dias hospedados no hotel Plaza São Rafael, um mais chiques daquela cidade. Os dias eram preenchidos pelas palestras, debates, mesas-redondas e outras tantas coisas indigestas, inodoras, insossas e outros tantos adjetivos sem gosto que existem na Língua Portuguesa para classificar estas atividades nos congressos.

      Era julho, então o grande problema eram as noites.... Longas, frias com um maldito vento gelado, ao quais os gaúchos classificavam, orgulhosamente, de minuano. Também contavam a história da Ana Terra, que a principio, acreditei ser uma pessoa importante para vida dos gaúchos que havia morrido. Mas, logo entendi que não era verdade, depois de ouvir as risadas da recepcionista do hotel, ao me esclarecer que era uma grande personagem dos livros de um autor gaúcho, o Erico Veríssimo. É que a tal Ana Terra dizia: “noites de vento, noite dos mortos”, então comecei a não de ficar no hotel nas noites de vento e como todas havia vento... Vagávamos de bar em bar apreciando a noite de Porto Alegre.

     Nestas andanças conhecemos muitas mulheres, alias de todos os tipos: loira, mulata, morena, casada, solteira, mas nenhuma como tu Raquel.... Não querendo Parafrasear o poeta Martinho da Vila. Na terceira noite em Porto Alegre, fomos a um bar com música ao vivo, indicado por colegas gaúchos. Não era dos melhores, quase uma espelunca, atulhado de gente, barulhento com uma música muito alta. Então, eu a vi de longe... Dançando, sorrindo com os cabelos balançando ao som da música... Esqueci o bar cheio e o cheiro horrível de cigarro impregnando o ambiente, ela estava lá e isso me bastou... Sentei, fiquei olhando pra ela e tomando a minha cerveja. Fixei-me naquele balançar sinuoso, os cabelos ondulando ao som da música, (diga-se de passagem, era horrível a música). Mas, ela parecia uma gata ondulante, bela... Bela... Porém não me olhava... Os meus olhos quase a derreteram.

          Fui chegando aos poucos, quando me dei conta estava frente a frente com a Raquel. Ela sorriu o primeiro sorriso das nossas vidas... Acriançado, suave e envolvente. Havia os olhos negros, um tanto amendoados, mesmo sendo escuros, havia uma transparência como se alma pudesse sair através deles.  Não havia somente beleza nela, era alguma que nunca consegui traduzir em palavras, mesmo dominado muito bem a gramática. É claro que às vezes quando ela falava o seu português excessivamente coloquial, eu tinha algumas cólicas gramaticais.

         Éramos tão diferentes...  Raquel era jovem... E eu uns dez anos mais velho, ela era muito simples, quase simplória... Eu me criara num meio social em que a cultura, bons colégios e uma excelente universidade eram coisas comuns a todos. Ela estava comemorando naquele bar a entrada numa universidade pública, sua única chance de estudar, segundo as suas palavras. Eu havia terminando o doutorado em Genética, numa universidade da Europa.. Enfim, independente de tudo isso, eu me apaixonei... Loucamente... Dolorosamente...

        Raquel tinha ilusões, sonhos, vida.... Eu nunca soube o que tinha.... Ficamos juntos aquela noite... A gata ondulante, os sorrisos tudo pertenceu a mim por alguns dias e noites... Mas o congresso terminou. Fui embora. Correspondíamos-nos, telefonávamos constantemente. A distância idealizou mais ainda aquela mulher pra mim... Comecei a visitá-la de quinze dias em quinze dias.  Todo vez que ia embora, pensava... Desta vez é o fim.  Eu precisava me salvar dela... Não havia como eu continuar naquela vida dupla...

       Porém, bastava ouvir sua voz e suas risadas que tudo se transformava, ela tirava meu chão... Bagunçava minha vida ordenada... desordenava meus armários misturava meus conceitos e diluía meus preconceitos... Ai, então, eu contava os minutos para vê-la novamente. Tudo isso durou doze meses... Um ano... Nesta época, a Raquel, já estava na faculdade fazendo psicologia e estagiava num órgão para menores abandonados. Havia mudado bastante, melhorou a gramática, o gosto musical e a forma de vestir, alias tudo nela tinha se transformado, menos o meu fascínio por ela.

       Notava em seu rosto, certa tristeza, os sorrisos tornaram-se raros, os olhos ficaram mais escuros ainda, já não havia a transparência de outrora. Enfim, ela crescerá... Eu esperava a qualquer momento palavras, duvidas questionamentos ou cobranças. Queria ouvir qualquer coisa, menos continuar vendo Raquel se liquidificar aos poucos de tanta agonia. Sabia que ela me amava intensamente como nenhuma outra me amou ou me amará. Contudo, sabia que por trás daquela aparência simples e delicada, havia uma mulher forte e batalhadora e que jamais aceitaria continuar comigo naquelas condições. Ela era segundo suas definições, uma Ana Terra.... Sabia que as decisões de Raquel eram firmes e quase indissolúveis... Notava cada vez mais a dor devastando seu espírito. Ela pensava, pensava muito e não me dizia nada...

     Então, depois de quase dois meses sem nos falarmos, pois eu havia viajado para Europa de férias. Eu a procurei em Porto Alegre no apartamento dela, mas não havia ninguém. Eu possuía a chave, entrei e esperei a noite e manhã inteira, porém ela não apareceu.  Sai em busca de noticias dela....  Na Faculdade, ninguém sabia da Raquel, disseram que fazia um vinte dias que não a viam. A família negou-se a qualquer informação, eles me odiavam. Não consegui obter nenhuma informação. Voltei para minha cidade, não podia ficar mais tempo em Porto Alegre. Contratei um detetive. Ele a procurou durante seis meses. Nada... Ela foi embora, não de maneira branda, delicada como um incêndio que vai se apagando aos poucos, deixando cinzas pelo caminho... Dando pistas do fim... Mas, repentinamente... Como quem foge...

             
Marisa Piedras
Enviado por Marisa Piedras em 11/11/2007
Reeditado em 10/03/2008
Código do texto: T732876
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Isa piedras-). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Marisa Piedras
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil
310 textos (41279 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 11:26)
Marisa  Piedras