Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Minha viagem astral ( monólogo?...)

( Nossa isso é muito antigo mesmo! Da época que eu ainda tinha dúvidas sobre a existência de deus! hahahahaha )



Cada vez que vivo, odeio mais esse mundo
Porque tu não me deixas destruí-lo?
Óh meu Deus, atenda ao meu chamado
Se tu já criaste uma vez, deixa-me destruir
para tu criares novamente.
L
  U
    Z!
        VIDA!
              A
                M
                  O
                    R!

Foi isso o que vi quando ele desceu para mim.
- Durante muito tempo tu apelaste a mim, meu querido mortal - disse-me a luz - E agora venho até ti para acabar com teu sofrimento.
- Se tu ouvistes os meus apelos, sabes o que desejo.
- Sim ouvi, por isso vim aqui - disse a vida - tu queres a destruição para a renascença perfeita, a causa é nobre, contudo não é suficientemente boa.
- Mas ela é boa! Eu desejo que tu refaça os humanos semeando a verdadeira bondade neles.
- E por que tu mesmo não semeias? - respondeu o amor.
...
- Eu não consigo...
- Porque nunca tentaste - falou a esperança.
- Você não sabe o que é sofrer, sentir a dor dos outros.
- É nesse ponto que tu erras, pois eu sou vocês todos.Vivo em todos os corações, até o mais sombrio - disse o uno.
- Mas o mal sempre predomina nesse mundo, por mais que se lute, nunca o ser humano vai vencer a ele mesmo.
- Eu te entendo cirança - compreendeu-me a compreensão - Realizarei teu pedido, no entanto, com a condição que faça algo primeiro.
- Claro que faço! Eu faço qualquer coisa para a salvação de todos!
- Pois que seja, tua missão é semeiar e cultivar a bondade nos corações humanos - falou a razão.
- Mas tu bem sabes que é impossível!
- Acabas de perder a batalha - disse-me a sabedoria - Tens que começar por tu.
- Mas...
- Te dou outra chance, aceitas? - perguntou a bondade.
Foi então que percebi que estava desistindo antes mesmo de começar.

- Aceito.
E quando eu disse isso, essa simples palavra, muitas coisas invadiram a minha mente naquele momento.
Principalmente a bondade, que acabara de crescer em mim.

- Óh Deus! Tu me mostraste a luz, o caminho!
- Estás enganado, pois foi somente tu quem te venceu, achaste sozinho o caminho. E eu não sou Deus, nunca te disse isso... Eu sou tu - disse-me eu mesmo.
Sempre a bondade esteve dentro de mim.

OBRIGADO!
Eu apenas nunca a tinha encontrado. Sempre a tranquei dentro de mim.

PERDÃO!
Esse sentimento sempre procurei, quando na verdade já estava em mim.
Agora só falta ajudar as outras pessoas a despertá-lo também.

AMOR!
Odisseu de Ítaca
Enviado por Odisseu de Ítaca em 18/02/2007
Código do texto: T386030


Comentários

Sobre o autor
Odisseu de Ítaca
Fortaleza - Ceará - Brasil, 33 anos
70 textos (3128 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/09/20 10:56)
Odisseu de Ítaca