Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Wanted, ou Procurado em Português

           Vindo de muito longe, escornou o corpo no balcão.
- Senhor...
- Sim, o que desejas.
- Se mal lhe pergunto, devo alguma coisa para o senhor?
- Não. Se nada bebestes ou comestes, nada deves pagar. Por que?
- Quero paz para o meu futuro esquife, começando por quitar as dívidas dele.
- Nobre seu gesto, mas não deves nada para mim.
- Quanto devo pagar por este papagaio?
- O papagaio não está à venda.
- E por esta boneca de pano.
- Emília o nome dela; e também não está à venda.
- Tá certo. Queria ter o que pagar, mas nada tens para me oferecer.
- Tome uma caninha. Houve um Presidente no país vizinho que disse que era o uísque deles. Produto exportação.
- Sei bem, qual foi. Larguei a cachaça onde saí. Não posso e não devo deturpar meus miolos; arruinar minha razão.
- Isso, faz bem; não é o melhor para suas intimidades.
- Futebol à essa hora da manhã na TV?
- É o dia todo; de bem cedo até a madrugada velha.
- Alguém deve estar ganhando com isso. A próxima cidade está quantos quilômetros, daqui?
- Nunca parei para contabilizar a quilometragem, mas imagino uns 50 km.
- Como é o nome dela?
- Santa Theodósia dos Honestos.
- Bem, como bom pagador de dívidas, que sou, passarei distante dela.
- Como se chama o Prefeito de lá?
-  Não sei informar; mas dizem que está preso.
- Nada de novidade para os dias atuais. E o nome do Prefeito deste arraial?
- Não temos, somos anarquistas. Sabemos o limite exato entre Deveres e Direitos.
- Ah, sei! Como um sistema, verdadeiramente, democrático inicia?
- Não sei; sou vendedor de caninha!
- Queres dizer, dígno vendedor de caninha?
- Talvez...
- A verdadeira democracia inicia com os deveres de cada cidadão; por isto, estou fazendo a lição de casa.
- O Senhor é formado nessas coisas ligadas à moralidade, ética, Filosofia, ao politicamente correto, Deveres e Direitos? Sempre ouço falar dessas glórias, mas nunca apareceram por aqui. Também, estamos longe de tudo.
- Não; como disse, um honesto pagador de contas e dívidas de meu futuro esquife.
- És diferenciado.
- Diferenciado: taí a desgraça humana! Obrigado pela atenção, Senhor, que nada tens para me vender!
- Bem vindo, sempre! Por mais seres diferenciados no mundo.
.
.
.
O vendeiro comentou com os fregueses: "tem louco para tudo. Nunca vi esse fulano, nem mais gordo, nem mais magro. Sair por esse mundo sem porteiras, batendo de porta em porta, perguntando se deve para o anfitrião do estabelecimento.
.
.
.
    Ao cruzar a rua, o Pagador resmungou com os botões de sua camisa:
- Como discriminam os bons pagadores. Certamente já cruzei a fronteira do Brasil com outro país. Na última pesquisa divulgada pelo IBGE daquela província, haviam 2 caloteiros em cada 3 corruptos. Estranhamente, defendidos pela súcia dos Direitos Humanos, para aquele povo, dívida por usar o que comprou e não pagou, não é considerado corrupção; muito menos, ladroagem. Eita povinho rato, sô! Vamos seguindo, uma hora embarafusto com a dívida de meu futuro esquife, afinal, paga-se para tudo.
.
.
.
Mais à frente leu o anúncio afixado no poste: "wanted alive or dead".
Mutável Gambiarreiro
Enviado por Mutável Gambiarreiro em 27/09/2019
Reeditado em 03/10/2019
Código do texto: T6755218
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Mutável Gambiarreiro
Jegue é - Tovuz - Azerbaijão
2330 textos (54159 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/11/19 02:59)
Mutável Gambiarreiro