Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

[Fantasia] A Fenda

A cabeça de Rujanm parecia girar enquanto tentava se levantar. Retirou o elmo, amassado profundamente onde fora atingido por um golpe de bastão. Um simples bastão. Jogou a inútil peça da armadura no chão de pedras.

Havia se preparado praticamente a vida toda para aquela busca. Desde que ouvira falar da Lenda da Armadura Negra, cada um de seus dias na Ordem Templária de Samiel tinha um único objetivo: vestir a indestrutível indumentária do Cavaleiro D’Ardon.

A lenda era muito clara. Contava de um Cavaleiro Templário que, lutando e vencendo o dragão negro Tabuloon, conquistou o direito de vestir uma armadura forjada pelo Ferreiro Nai No Kami, o grande Mestre da Forja. Além disso, o Cavaleiro passou a ter o domínio sobre o dragão vencido.

Grandes foram os feitos de D’Ardon sob o uso da Armadura Negra e, antes de sua morte, a escondeu na floresta ao sopé do Templo do Sol. Segundo a lenda, Tabuloon passou a ser o guardião da armadura. Aquele que o derrotasse em batalha, conquistaria o direito de vestir a indumentária.

Mas algo estava errado nesta lenda. Em todos os pergaminhos que estudou sobre seu objeto de desejo, não havia qualquer menção à estranha figura à sua frente. Um velho homem de branco impedia a passagem em uma fenda rochosa, onde Rujanm tinha plena certeza de que estava escondida a Armadura Negra.

Bastava atravessar a Fenda, lutar e vencer Tabuloon. Feito isto, o conjunto de guerra do Cavaleiro D’Ardon seria seu.

Ofegante, Rujanm levantou os olhos e observou o homem de branco. Uma aura sobrenatural parecia circundá-lo por inteiro, como se tivesse uma estrela d’alva escondida por baixo das longas barbas claras. O cabelo, igualmente longo, caia em uma trança única nas costas do guardião da Fenda.

Enquanto Rujanm trajava uma armadura Templária completa, incluindo a capa branca com a cruz vermelha de quatro pontas iguais, o velho vestia unicamente uma alva túnica.

- Vá embora – disse o homem de branco. – Não há nada para você além da Fenda.

- Não vim de tão longe para voltar sem luta – respondeu o Templário.

- Se você não percebeu, nós já lutamos – sorriu com sarcasmo. – E você perdeu.

Era difícil reconhecer a derrota, mas o fato é que, a princípio, Rujanm tentou argumentar com o velho que lhe impedia a passagem. Porém, depois de alguns insultos da insignificante criatura de branco, decidiu dar-lhe o merecido corretivo. Não utilizou arma, pois acreditou que daria cabo do inconveniente com as mãos limpas. Enganou-se. Foi recepcionado por saraivadas de golpes com o bastão que sustentava o velho. Numa agilidade incompatível com sua idade, o homem de branco surrou o Cavaleiro que tentava forçar a passagem.

O último golpe atingiu a cabeça de Rujanm, jogando-o para fora da estreita Fenda.

- Fui complacente com você, velho – disse puxando a espada. – Não tenho tempo para brincadeiras. Saia do meu caminho ou vou trespassá-lo agora.

- Tenho certeza de que sua língua é mais hábil que sua esgrima – sorriu o velho. – Se você preferir, lutarei sem o bastão e poderei dar umas palmadas nesse seu traseiro de criança insolente.

O insulto impulsionou Rujanm para dentro da Fenda. Antes que ele desferisse o golpe frontal, recebeu a ponta do bastão no queixo. Sua cabeça inclinou-se para trás e foi golpeada mais duas vezes.

O Templário tentou contra-atacar, mas a estreita parede rochosa não permitia o giro completo da espada. A lâmina faiscava nas pedras enquanto o guardião da Fenda surrava-lhe novamente.

Fixando o bastão nas paredes, o homem de branco apoiou-se nele e encheu o peito de Rujanm com um chute que o expulsou novamente da passagem.

Enquanto ofegava, o Templário tentou retomar  a postura. Cambaleou, mas permaneceu em pé, contemplando o sorridente homem que não havia cedido um único centímetro para dentro do caminho.

O orgulho do Templário estava mais ferido que sua carne, latejante em dor em várias partes do corpo.

- Eu não quero te machucar de verdade – disse Rujanm. Sua condição não dava qualquer credibilidade às palavras.

- A questão é: você consegue me machucar?

Um Templário treinado nas Artes de Samiel poderia machucar qualquer criatura viva. Vários ritos de defesa e ataque eram ensinados e Rujanm era um mestre na Arte do Fogo.

- Sim, eu consigo – disse o Cavaleiro enquanto chamas subiam pelo fio de sua espada. – Deixe-me passar, agora – o fogo inflamou até punho e tomou conta do braço que segurava  o ferrão metálico.

- Prepare-se para ser machucado, Cavaleiro Templário. – desafiou o guardião.

Rujanm cruzou a espada por três vezes no ar e projéteis na forma de lâminas incandescentes foram lançadas contra o oponente.

O trio de lâminas de fogo explodiu na palma da mão direita do homem de branco. O Cavaleiro Templário o fitou enquanto as alvas madeixas acentavam após o impacto dos projéteis.

Como que impulsionado por uma forte rajada de vento, o Guardião voou na direção de Rujanm. Raios crepitavam ao redor de seu corpo e faiscavam em toda a extensão do bastão que empunhava fortemente, dando-lhe a aparência de um deus do trovão.

Em campo aberto, Rujanm conjurou uma barreira vermelha, mas ela foi quebrada com o primeiro golpe do velho. A cada golpe que o atingia, seu corpo sofria espasmos de violenta dor, como se uma onda de choque intenso contraísse seus músculos.

Finalmente, o Templário se viu deitado com o bastão apoiado no queixo. O homem de branco lhe pisava na altura do peito.

- Vá embora e diga que não encontrou o que procurava. Ou diga que um velho o derrotou. Não conte qualquer detalhe da batalha.

Rujanm não disse palavra e sentiu o bastão ser enfiado mais forte na garganta. A voz do homem tornou-se ameaçadora:

- Faça um juramento Templário, ou morra agora.

- Com meu sangue – raspou a mão esquerda na lâmina da espada que estava deitada ao seu lado – e pelo sangue de Samiel, eu juro. Farei o que você ordena.

Selado o juramento pelo rito, Rujanm levantou com dificuldade.

- Quem é você? – perguntou.

- Sou o homem que te venceu em batalha. – sorriu-lhe o velho.

Sabendo que não teria melhor resposta que aquela, o Cavaleiro Templário desceu pela floresta e voltou para seu Templo, na distante cidade de Nova Tahyma.

Depois de contemplar a partida do guerreiro, o homem de branco atravessou a fenda. Uma baforada quente soprou-lhe os cabelos e ele acariciou o focinho de um grande dragão negro.

- Não será hoje, meu amigo Tabuloon, que você encontrará seu novo Mestre. Apenas aquele que derrotar o único que te venceu em batalha conseguirá suportar o que virá depois da Fenda.

Esta era a estranha maneira de D’Ardon, o Lendário Templário, proteger a vida dos incautos Cavaleiros da Ordem de Samiel que desejavam sua Armadura Negra, a qual jazia mais adiante, descansada num altar de pedra, fitando inconsciente com sua carranca de dragão a alva luz que provinha daquele homem de branco.
Kzar
Enviado por Kzar em 01/10/2007
Código do texto: T675763

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite autor: Denis Clebson da Cruz (KZAR) e link da obra). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Kzar
Mundo Novo - Mato Grosso do Sul - Brasil, 40 anos
85 textos (93835 leituras)
2 áudios (500 audições)
1 e-livros (484 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/12/17 03:02)
Kzar