Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

JORNADA DO HERÓI

    Era uma vez os deuses submundanos enterrando, sob lugar incógnito nas terras do morro de maior altura, um cálice maldito, valiosíssimo física e metafisicamente. Apenas o indivíduo mais puro e o ser de pior índole, mil anos depois, sentiriam em seus respectivos corações o chamado à busca pelo "tesouro". Caso caísse nas mãos vis, o objeto místico conferiria imortalidade ao recém-proprietário perverso, induzindo-o a conquistar, por métodos tiranos, todos os povos terrestres. Todavia, em posse do sujeito imaculado, o planeta fadar-se-ia pacífico ao infinito, dado que este outro tornar-se-ia eterno guardião do utensílio caótico e, concretamente, não ascenderia perante a sociedade - ou seja, o poder não subiria a sua cabeça.
    Nesse cenário, chegou o dia no qual o garoto pobre magrinho e o velho burguês carrasco, mutuamente desconhecidos, receberam o ímpeto do milênio, codificado nos até então simplórios palpitares. Um ímã exterior fortíssimo parecia querer orientar as nunca jamais percebidas bússolas espirituais existentes em seus interiores. Largaram os postos citadinos ordinários e deixaram a onda da aventura arrastá-los. O rapaz, deveras amigável, logo atraiu aliados dispostos a ajudá-lo a superar os rocambolescos desafios; entre eles, as diversas provações. Já o senhor, afamado como o calvo mesquinho e corrupto de barriga obtusa, a cada metro subjugado na rota cujo destino era o santuário da materialização da perdição, adquiria aparência juvenil e esbelta decorrente da absorção das agora apreensíveis energias emanadas do epicentro obscuro. Possuído de ganância, apegou-se emocionalmente a nada; passou por cima do contingente inocente espalhado no meio do caminho, subtraindo-lhe quaisquer coisas móveis, julgadas "necessárias" ao seu próprio uso pessoal.
    Bom... Sucedeu-se o encontro - num estalar, subvertido em confronto - fatal. Convergiram ao mesmo tempo no X do mapa! Apresentações à parte... Hora da grande batalha! "Quem levará o cálice consigo?"; eis a questão... facilmente respondível: óbvio, o de estereótipo esquálido (que nem se enquadrava mais tanto no rótulo, pois o arregaçar das mangas, antes simbólico desejo de esforço partido dum perfil emaciado, ganhou a conotação ostentatória de muques trabalhados)! O réprobo abastado, sugado sem tostões nem relíquias às profundezas tenebrosas, ficará lá para sempre.
    Rebobinado o périplo, de volta à vida comum, nosso bravo herói... sofreu reinterpretações. Sozinho, o cálice, em tese, fazia-o pessoa detentora do patrimônio melhor avaliado durante toda a História - desde os antepassados aos presentes e, muito provavelmente, aos ulteriores períodos. Assim, fincando-se o guerreiro riquíssimo no papel, o governo, apesar de saber do caráter intransferível da "taça pomposa" - isto é, o detentor, impedido por forças divinas, não conseguiria vendê-la; tampouco tiraria, mediante taxa para admiração em exposição, ínfimo proveito dela, observado o pavor e as teorias populares acerca da profanidade envolta no recipiente -, veio, temeroso quanto a inesperadas/esporádicas revoltas civis e militares, a cortar do cidadão, implicando-o na irônica miséria, os costumeiros auxílios moradia e alimentação. Os novos amigos outrora magnetizados, enfeitiçados pelas sereias a cantar no mar do convincente imaginário conspiratório, adentraram-no, afogando-se. Imortal, o ex-garoto-pobre-magrinho, adolescido e tonificado, a despeito de indentificável, ao olhar alheio, como o ser vivo menos favorecido econômica e socialmente da Terra, ainda, devido ao seu nato bom coração, calhar-se-ia feliz e realizado, estendido nessa inércia à eternidade, nutrido e rejuvenescido por vapores mágicos exalados do dito cálice.


(Contexto e personagens desta obra são fictícios, não tendo intento de refletir elementos da realidade.)
É B C
Enviado por É B C em 02/01/2021
Reeditado em 03/01/2021
Código do texto: T7150358
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
É B C
Crato - Ceará - Brasil, 18 anos
6 textos (77 leituras)
3 e-livros (61 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/03/21 16:51)