Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A ÚLTIMA CEIA

ESTA OBRA É MERAMENTE FICÇÃO E NÃO RETRATA DE FORMA NENHUMA A CRENÇA DO AUTOR SOBRE O ASSUNTO.
C.M.poco.



   Meu rabi faleceu por volta da hora nona. Houve muitas catástrofes naturais e diversos  fatos ocorreram durante sua crucificação, bem como a ressurreição no terceiro dia. Ele revelou-nos grandes verdades que hoje distribuímos com o mundo todo. Más há muito mais do que simplesmente contamos nas cartas e evangelhos que escrevemos. Meu pai! Sei que jurei a meus irmãos jamais falar sobre isso outra vez, mas não posso deixar que estes segredos morram comigo. Já estou velho, e aqui nesta prisão não me resta muita coisa além de minhas orações, leituras e meus escritos pessoais. Por isso decidi redigir esta última confissão e guarda-la no alforje carregado pelo demônio que andou ao lado de Deus nesta Terra. Ele e este pergaminho serão as últimas testemunhas deste episódio.
   Estávamos na mesa, pouco antes da santa ceia aguardando o partir do pão quando o rabi nos anunciou aquela fatídica sentença: UM DE VÓS ME TRAIRÁ. Todos ficamos atemorizados com aquela afirmação tão inesperada, mesmo habituados com as parábolas que geralmente nos propunha. Mas antes que eu pudesse fazer muitas conjecturas, notei que Simão sinalizava alguma coisa para mim. Queria saber o que a maioria também queria.
  Reclinei-me discretamente sobre seu peito e perguntei delicadamente: “ Quem, mestre?” Ele, sempre tão doce, olhou-me amistosamente e sorriu. Partiu um bocado de pão enquanto conversava sussurradamente com Iscariotes , deixando-me ali. Ansioso! Vívido por uma resposta a que dar aos meus irmãos. “Aquele a quem eu der o pedaço de pão umedecido, o é.” Sua declaração foi seca e direta. Vi ele molhar o bocado e entrega-lo a Iscariotes. “O que tens de fazer, faze-o depressa.” Pronunciou dessa vez, claro e audívelmente. Novamente ficamos confusos.
  Iscariotes levantou-se rapidamente e saiu, levando consigo o alforje que sempre carregava e me deixando mais perturbado ainda. Pensamos no momento que faria algum trabalho em nome do mestre, já que era encarregado das finanças. Hoje sabemos que já estava destinado a mudar a história. O rabi terminou a ceia e saímos em direção ao jardim, perto ao ribeiro de Sedrom. Fomos surpreendidos no gólgota por Iscariotes novamente, mas agora estava acompanhado pelos escribas e fariseus. E pensar que ousou traí-lo com um beijo!
  Depois de nosso senhor ser levado daquela forma, partimos contristados e furiosos ao mesmo tempo. Tudo o que eu queria era encontrar Iscariotes e fazê-lo pagar. Mesmo o rabi tendo ido pacificamente, não podia aceitar o fato dele ter sido vendido por míseras moedas de prata. Quanto vale o sangue de um Deus? Encontrei-me com o traidor já ao pé da forca, logo depois de ir ao templo e descobrir que tinha devolvido aos sumo sacerdotes o salário de seu crime.
  Foi uma cena horrível. O corpo balançava-se vagarosamente debaixo de um carvalho enquanto a cabeça encurvada demonstrava que deveria ter sofrido muito. Seus olhos estavam abertos e fixaram-se em mim. Corri desesperadamente para o mais longe que consegui daquele quadro de horror. Aquele lugar ficaria conhecido como campo de sangue. Mas não foi a última vez que o vi.
  Logo após o último suspiro do mestre, fui visitar seu corpo ainda quando estava naquela cruz outra vez. Tinha saído dali momentos antes quando me confiara sua mãe para ser minha própria mãe ( sinal que mesmo na dor se importava com as pessoas). Decidi vê-lo mais esta hora para lembrar-me das mãos que um dia curaram tanta gente. Agora não se moviam mais. O lugar estava quase deserto. A grande multidão se dispersara e os soldados haviam se retirado após quebrarem as pernas dos outros dois homens ao seu lado, mas haviam só perfurado seu lado com uma lança. Um centurião próximo a ele murmurou algo como ele verdadeiramente ser o filho de Deus e também caminhou para longe do local por alguns instates. Fiquei ali, a seus pés,observando-o. Pensando em tudo o que havia acontecido até ali. Uma vez mais vi Judas Iscariotes.
   Ele se arrastava por entre algumas árvores que rodeavam o lugar, se aproximando desgrenhosamente. Vinha cambaleando como um ébrio, a cabeça ainda baixa, as vestes rasgadas, o corpo todo dilacerado. Parecia que havia sido atacado por animais do campo. Eu fiquei imóvel, sem reação diante da aberração que vi diante de mim. Não eram olhos humanos que me contemplavam. Um demônio se apossou daquele corpo para vir me atormentar. Ele abriu a boca que cheirava a carniça, e titubeou algumas frases funestamente:
- Deixe-me passar. Deixe-me passar para beber seu sangue. É minha sina. Tenho que beber o sangue do rabi para pagar por meus crimes. Não vou feri-lo João, mas deixe-me beber do sangue que rega a terra.
   Eu não ousava pronunciar um único som diante daquela aberração. O máximo que fiz foi dar dois passos para o lado e assisti-lo rastejar até o corpo na cruz. Ele pareceu soerguer a cabeça dificultosamente, tentado alçar a visão até a face de Jesus. Algo como lágrimas rolaram daqueles negros olhos enquanto fazia esse esforço. Mas logo voltou-se para baixo e começou a lamber as gotas que manchavam a areia umedecida. Um ritual macabro que nunca havia presenciado antes. Ele se movia como um chacal que se alimenta da carcaça dos animais mortos na floresta. Sorvia prazerosamente aquela mistura heterogênea pulsante das entranhas da terra. E  a cada nova tragada, a cada nova investida sua, parecia revigorar-se milagrosamente. Quando olhei pela última vez estava quase de pé, já sem tantos machucados. Nem apresentava tantos hematomas no corpo. Foi quando não tive mais forças e caí esmaecido sobre as pedras frias do monte chamado caveira.
   Fui despertado pelos guardas que retornavam para tirar os corpos antes do sábado, e antes de mais nada disparei para encontrar-me com os outros. Quando me reuni a eles, relatei passo a passo minha caminhada desde o getsêmani até ali. Todos me olhavam estupefatos, pensando que havia ficado louco. Mas como prova havia em meus braços o alforje que Judas sempre carregava. Era um presente dado a ele por Jesus, e tinha-o abandonado ao meu lado quando acordei. Agora estava em meu domínio para convencê-los de que não foram visões simplesmente que tive. Dentro dele constavam uma corda rompida em forma de forca e uma profecia escrita também a sangue, que dizia: O QUE TENS DE FAZER, FAZE-O DEPRESSA!
 Alguns deles acreditaram em mim. Outros acusaram-me de mentiroso e ludibriador, mas o fato é que me alertaram para que jamais falasse a respeito disso novamente com ninguém. Ajuntamos aqueles malditos objetos e fizemos uma fogueira. Apenas conservei comigo este alforje, alegando ser a última coisa de elo entre nós e o mestre de material ainda em nosso meio. Enquanto Pedro e eu víamos a fumaça se expandindo no céu, ao longe surgiram Maria Madalena juntamente com outras mulheres que diziam ter visto o rabi ressuscitar dentre os mortos. Nos olhamos discretamente mais uma vez, e ele passou o dedo entre os lábios me pedindo silêncio. Corremos com elas para alertar o grupo. Depois desse dia, nunca mais falamos ou discutimos sobre isso.
  Esta, filhinhos, é a verdadeira história de como surgiu o primeiro imortal amaldiçoado que pisou sobre a face da Terra. Hoje há boatos de que existem seres que andam pela noite sugando a vida das pessoas através do sangue. Chamam-nas de vampiros. Mas quando me chegam aos ouvidos tais histórias, tudo que consigo me lembrar é de Judas Iscariotes e o que o mestre lhe advertira durante a última ceia.
Cayus Marcws pocotirios
Enviado por Cayus Marcws pocotirios em 25/11/2007
Reeditado em 06/03/2010
Código do texto: T751593

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e olink para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cayus Marcws pocotirios
Manaus - Amazonas - Brasil, 29 anos
48 textos (8165 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/17 20:22)
Cayus Marcws pocotirios