Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

No Reino do "PAU EM BRASA" Capítulo I

Marcos Barbosa

CAPÍTULO I

Descoberta de uma vocação

Um jovem cientista, depois de se decepcionar profundamente com as autoridades do Reino do Pau em Brasa, que nunca deram apoio aos seus inventos, resolveu entrar para a política.
O cientista, Dr. Diógenes Maubássi estava realizando uma das últimas experiências do seu principal invento. Este invento se recebesse o apoio do monarca daquele império, teria marcado uma nova era no progresso científico e tecnológico do mundo.
— O que está pensando, meu rapaz? Disse-lhe bruscamente o chefe do seu laboratório de pesquisas.
— Não lhe interessa o que estou pensando. Interessa é o que eu vou fazer daqui para frente. Também não devo prestar contas dos meus pensamentos. O que acabo de decidir somente interessa ao povo do Reino do Pau em Brasa.
— Ora esta! O povo... Você é um homem de laboratório. Como pode se interessar pelo povo? Dizendo isto, Pedro saiu da sala do Dr. Diógenes Maubássi visivelmente irritado.
Dr. Diógenes Maubássi continuou perdido nos seus pensamentos: “É... a política está entravando os interesses superiores da ciência... alguém precisa sair do meio científico e entrar na política militante para defender os interesses da ciência e do progresso da humanidade... Este alguém, modéstia à parte, sou eu. juro a mim mesmo que jamais defenderei interesses econômicos ou políticos, que estejam em conflito  com a justiça social e o progresso da ciência”.
Neste dia, Dr. Diógenes Maubássi não conseguiu encerrar um pesquisa encomendada por uma multinacional fabricante de motor a álcool hidratado. Pedro entrou na sala de Dr. Diógenes Maubássi, que estava impassível à frente do painel de controle do laboratório.
— Dr. Diógenes Maubássi, preciso falar com você.
— Pois não Pedro. Pode falar, estou ouvindo.
— Você quer me dar um pouco mais de atenção? Venha... Vamos conversar aqui na tua mesa. Assim você fica mais à vontade.
Dr. Diógenes Maubássi sentou à mesa, apagou o cigarro do chefe que estava fumegando no cinzeiro, reclamou da poluição que o mesmo trazia toda vez que entrava naquela sala e fez um gesto de que estava pronto para a conversa. Pedro nada disse em sua defesa, mesmo porque já estava acostumado com as irreverências do cientista, seu funcionário.
— Eu quero saber o que está acontecendo com você. Está doente? Tem algum problema de relacionamento familiar que o preocupa? Acha que está ganhando pouco no laboratório? Diga-me... Quer abandonar o Reino do Pau em Brasa? O que você tem?
— Pedro, pessoalmente não tenho nenhum problema insolúvel. Eu tenho capacidade para resolve-los com o tempo. No entanto, um problema maior está me levando a um conflito existencial muito sério. Por este motivo, não tenho  mais motivação para continuar trabalhando aqui neste laboratório.
— Esses problemas existenciais são meramente subjetivos. A solução deles não vai equacionar sua vida, principalmente nisto que você diz ter capacidade para resolver com o tempo.
Dr. Diógenes Maubássi, já acostumado com a visão materialista e com a frieza emocional do chefe do departamento de pesquisas, apenas por um dever de educação forjou uma resposta para encerrar o assunto.
— Pode ser que não equacione minha vida, minhas necessidades materiais e nem me ajude a cumprir minhas responsabilidades sociais... Mas tenho certeza que me dará satisfação interior.
— Ora bolas! Lá vem você com esta estória de satisfação interior. Quer coisa melhor para se sentir esta tal satisfação interior que você  fala do que ser reconhecido pelo mundo inteiro como um respeitável cientista na sua idade? Você é vinte anos mais novo do que eu e sua fama já chega a ser maior que a minha! Você ultrapassou as fronteiras do nosso glorioso RPB, o Reino do Pau em Brasa – e levantou o antebraço direito, com o punho fechado, como quem dá uma banana, com sua expressão denotando o duplo sentido do gesto.
— Neste ponto você tem razão Pedro, mas isto não é tudo. Depois que eu inventei o anulador de desgaste para motores, comecei a me preocupar com cientistas reacionários. Lembra da reação absurda deles? Não tem explicação científica a reação dos meus colegas contra o meu invento... Só podem estar a serviço de interesses contrários a ciência...
— Dr. Diógenes Maubássi, você não tem nada que se preocupar com cientistas reacionários, preocupe-se com o seu trabalho que é melhor, que da sua segurança nós cuidamos muito bem. Você é o homem mais protegido deste reino.
— Você não entendeu. Eu me preocupo é com o prejuízo que o progresso da verdadeira ciência tem com estas reações a cada nova invenção revolucionária. Desta vez foram os pseudocientistas  a serviço das fábricas de motores, e da próxima vez... Quem reagirá contra as minhas invenções?
— Calma rapaz... Nem só de invenções vive o cientista. Temos muita pesquisa a ser feita. É claro que para quem quer “inventar”, elas têm importância secundária, mas é disso que nós vivemos. DAS PESQUISAS ENCOMENDADAS. Dizendo isto, esfregou o indicador no polegar, lembrando ser esta a fonte do dinheiro do laboratório.
Após pronunciar a palavra “encomendada”, Pedro deu um pulo na poltrona e olhou apreensivo para o seu anel relógio.
— Ahh!... Ainda bem que faltam alguns minutos. Tenho um encontro com o presidente da ROLAMAT - uma fábrica de rolamentos do anulador de desgaste de motores em pequenos rolamentos e engrenagens.
Dizendo isto, Pedro sumiu pela parede invisível da sala de Dr. Diógenes Maubássi e atravessou para a sala dos convênios onde o presidente da ROLAMAT já o estava esperando em companhia do governador  provincial Dr. Júlio Pombo. Alguns deputados do Partido Ecológico estavam presentes. O governador prometeu recursos e os deputados disseram em eloqüentes discursos, que os resíduos deixados pelos atritos das máquinas eram “altamente poluidores”.

        PASSANDO O CHAPÉU:

Agência 01616
Banco 232 - Bradesco
Conta corrente 0674315-3
Favorecido: Marcos Aurélio Barbosa da Silveira

Agradecemos todas a contribuições depositadas no "chapéu" que foi substituido pela conta bancária acima.

ANTIGAMENTE HAVIA UM MÉTODO SIMPLES DE FINANCIAMENTO POPULAR DA ARTE, PASSANDO O CHAPÉU. ARTISTAS, POETAS E ATÉ ALGUNS ESCRITORES, APÓS A APRESENTAÇÃO DE SUA PRODUÇÃO LITERÁRIA OU ARTÍSTICA PASSAVAM O CHAPÉU PARA OS OUVINTES, QUE OFERTAVAM A SUA CONTRIBUIÇÃO  EM PRAÇA PÚBLICA E ATÉ EM FESTAS PARTICULARES.
OS TEMPOS MUDARAM E OS COSTUMES SÃO OUTROS... ENTÃO ESTAMOS TENTANDO ARRECADAR A CONSTRIBUIÇÃO DOS LEITORES QUE GOSTAM DE NOSSOS TEXTOS PARA POSSIBILITAR A  PUBLICAÇÃO DE NOSSOS LIVROS NA VERSÃO IMPRESSA.
SABE-SE QUE LIVRO NÃO DÁ LUCRO PARA ESCRITOR INICIANTE, MAS MESMO ASSIM O NOSSO SONHO DE CRIAR UMA FUNDAÇÃO E DEIXAR UM PEQUENO LEGADO CULTURAL PARA AS GERAÇÕES FUTURAS NÃO ACABOU. UM PROJETO QUE PRETENDEMOS FINANCIAR É A PRODUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO GRATUITA DE UM JORNAL DE CONTEÚDO EDUCATIVO/ CULTURAL NAS  ESCOLAS PÚBLICAS.

 
         AJUDE A PATROCINAR NOSSOS LIVROS IMPRESSOS

     O escritor e jornalista Marcos Barbosa vai a publicar outros livros no formato tradicional, versão impressa e continuar a coleção UNI-VERSO E PROSA DE MARCOS BARBOSA.
         Com quase trinta mil leitores no Recanto das Letras, criou coragem e lançou a campanha PASSANDO O CHAPÉU.
     Os três livros de bolso, foram vendidos inicialmente nas bancas centrais de Brasília e em algumas  bancas de revistas das capitais do país, a R$ 5,00 apenas, para atingir também aos trabalhadores de baixa renda.
     Os contos publicados pela editora Ícone de Brasília são: A MORTE DO SOL E O BURACO NEGRO; O Herói de "Mensagem a Garcia" e um livreto de poesias SAGA DA HUMANIDADE, todos  já lidos por muitos "freqüentadores" do RECANTO DAS LETRAS.
     O objetivo é desenvolver uma estratégia de marketing para escapar da alta roda dos intelectuais e atingir aqueles que mais precisam de leitura, o homem comum, do povo.
Marcus Aurelius
Enviado por Marcus Aurelius em 10/12/2008
Reeditado em 28/03/2013
Código do texto: T1328789
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Marcus Aurelius
Águas Lindas de Goiás - Goiás - Brasil, 64 anos
220 textos (48380 leituras)
11 e-livros (734 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/04/21 00:11)
Marcus Aurelius