Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Madrasta

Kieran e Marcos voltaram animados do fim de semana com o pai. E com a namorada do pai, eu não podia deixar de lembrar.

- O que foi que vocês fizeram? - Indaguei, enquanto eles me rodeavam na cadeira de rodas, e me abraçavam, e me beijavam o rosto e a cabeça. Tão amorosos, os meus meninos...

- Teelah dirigiu o módulo de exploração até as colinas, - contou Marcos - lá onde estão fazendo as escavações e existem todas aquelas ruínas dos Hoodhar.

- Seu pai deixou vocês descerem até as escavações? - Indaguei, surpresa. - Ele nunca nos levou até lá...

"Não quando ainda éramos uma família", pensei.

- Foi ideia da Teelah - explicou Kieran, satisfeito. - Ela conhece tudo por lá... melhor do que o papai!

- Sim... com certeza - aduzi fazendo uma careta. Afinal, eles haviam se conhecido desta forma; Teelah guiando meu ex-marido para locais onde poderia achar bons artefatos da cultura Hoodhar. Eles passavam muito tempo juntos, e tinham interesses semelhantes; natural que o convívio houvesse evoluído para algo mais íntimo. Eu é que deveria ter desconfiado há mais tempo, embora isso certamente não alterasse o fim da história.

- Eles vão se casar - anunciou Marcos solenemente.

- Casar? - Arregalei os olhos. A coisa estava tão séria assim?

- Nós gostamos da Teelah, mãe - afirmou Marcos. - Ela é diferente de você, mas... é legal.

- Ela é legal - assegurou Kieran.

Pensei no que seria dos meus filhos, criados por uma... estranha. Mas eles gostavam dela, não é? O que poderia eu fazer diante disso? Senti meu corpo frágil encolher na cadeira.

- A Teelah quer te conhecer, mãe - informou então Marcos.

Olhei para o meu filho caçula, indecisa.

- É gentil da parte dela - admiti. - Talvez seja um costume Hoodhar...

- Teelah diz que quer aprender a ser como você - prosseguiu Marcos, acariciando meu rosto. - Para quando você não estiver mais aqui.

Respirei fundo, para conter as lágrimas. Sim, aquilo era muito gentil; comecei a gostar um pouco de Teelah, mesmo sem conhecê-la ainda.

- Teelah diz que um pouco do que você é, pode passar para ela - explicou Marcos. - O modo como cuida de nós, o seu amor por nós...

Quem sabe, um pouco do meu amor pelo meu ex-marido, imaginei. Mas creio que esta parte Teelah iria dispensar.

- Eu também quero que a Teelah venha me ver - declarei por fim.

E acariciando os cabelos revoltos dos meus filhos:

- Talvez, depois disso, vocês possam começar a chamá-la de mãe.

- [14-02-2020]
Alex Raymundo
Enviado por Alex Raymundo em 14/02/2020
Código do texto: T6866377
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Alex Raymundo
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 57 anos
1718 textos (93378 leituras)
1 áudios (39 audições)
1 e-livros (16 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/02/20 03:00)
Alex Raymundo