Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MEU AMOR MISTERIOSO - Final

Duas semanas depois.
Clarissa esperava pacientemente no jardim que o carro do pai apontasse na esquina para vir lhe buscar. As férias estavam no fim. Dona Iara, ainda abalada pela perda de Mariana, bem que queria que a neta ficasse mais um tempo.
– Estes dias passaram rápido demais – disse ela fungando o nariz em um lenço.
– Eu prometo voltar nas férias de inverno, vó – retrucou Clarissa um pouco triste também.
– Pelo menos vou ter companhia. A Solange, irmã da Mariana, vai me doar todos os gatos dela. Acho que vou me divertir bastante.
– Eu gostava tanto de ficar com eles... – murmurou Clarissa.
A casa de Mariana estava fechada e possivelmente seria vendida. A morte natural de Mariana rendeu assunto na cidade. As pessoas ficaram muito comovidas e o enterro foi concorrido. Dona Iara ainda se emocionava quando falava no assunto.
– Quando os gatos serão trazidos para cá, vó?
– Hoje à tarde. O sobrinho de Mariana vai buscá-los para mim.
Clarissa reparou nos olhos vermelhos da avó e teve vontade de contar sobre a existência do diário. Não teve coragem, contudo. Mariana talvez não gostasse.
– Era uma moça tão boa... – lamentou Dona Iara debruçada no muro do jardim da casa. — Espero que ela esteja em paz, coitadinha.
A garota também esperava, do fundo do seu coração, que em algum lugar Mariana e Felipe pudessem resgatar o amor que os unira.
– Vamos torcer para que ela esteja com quem a ama de verdade, vó.
– Eu rezo todos os dias – ela fez uma pausa para enxugar mais lágrimas. De repente apontou para a esquina. – Olhe ali. Acho que é o carro do seu pai.
O pai de Clarissa estacionou na frente da casa e desceu de sorriso aberto para abraçar a filha que não via há um tempão. Ele não quis se demorar muito tempo. Carregou a mala de Clarissa para dentro do carro e depois ambos se despediram.
– Tome cuidado na estrada, meu filho – pediu Dona Iara.
Vô Ricardo se intrometeu:
– Ele sabe dirigir melhor que eu.
Clarissa detestava despedidas e aquelas, em virtude de Mariana, pareceram ser piores ainda. Ela teve que jurar três vezes que voltaria logo, se pudesse, no próximo feriadão. Quando o carro partiu, Clarissa abanou para os avós até o carro desaparecer na esquina. Segurou a vontade de chorar para não assustar o pai.
– Triste o que aconteceu com a amiga da sua avó – comentou ele com um olho no trânsito e outro na filha sentada ao seu lado. – Para você não deve ter sido nada fácil.
– Tive alguns sonhos estranhos depois daquele dia – confessou Clarissa. Ainda era difícil esquecer o que vira naquela manhã. – Ela não parecia estar doente.
– Pelo menos os gatos não ficarão abandonados. Sua avó está fazendo um trabalho muito bonito em adotá-los.
– É mesmo. Ela e Mariana se davam muito bem.
Clarissa colocou a mão dentro da mochila.
– O que você tem aí? – perguntou o pai, curioso.
Ela custou um pouco a responder.
– Um diário.
– Não sabia que você tinha um.
– Ele não é meu.
Clarissa acariciou a capa dourada. As linhas em branco esperavam um final. Um final que não fosse triste e nem solitário. No fundo do seu coração, Clarissa sabia que Mariana estava bem. Em algum lugar ela segurava as mãos de Felipe Mateus. Ambos tinham a eternidade somente para eles.

Patrícia da Fonseca
Enviado por Patrícia da Fonseca em 08/07/2018
Código do texto: T6384417
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre a autora
Patrícia da Fonseca
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 49 anos
646 textos (48665 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/19 06:14)
Patrícia da Fonseca