Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O assassinato de Suzana

Tudo começou pela manhã. Suzana preparou o café da manhã e depois chamou seus filhos e seu marido para tomarem café.
Depois de chegar na cozinha, Dirceu pergunta a esposa como ela está, pois na noite anterior ela havia passado mal.
Depois do café, Dirceu leva seus filhos, Rodrigo e Isabela para a escola e Suzana se prepara para ir trabalhar. O telefone toca, Suzana atende e pergunta:

_Quem está falando? Oi, Marcelo! Eu vou aí hoje! Tá bom! Outro. Tchau!

Enquanto isso na escola, Rodrigo conversa com seus amigos:

_Vocês precisavam ver como ela fingiu ontem!
_E o seu pai?
_Que pergunta, Amanda? Parece até que você não conhece meu pai. Ele cuidou dela como se ela fosse uma rainha e hoje de manhã, ela o tratou com a mesma frieza de sempre! Eu acho que ela tem um amante!
_Como é que você fala assim da sua mãe?
_Com a boca, Karla! Ela só trata meu pai bem quando quer alguma coisa!
_Galera, vamos pra sala!O professor já subiu.

Rodrigo e seus amigos sobem pra sala de aula. Enquanto isso, Suzana conversa no celular.
Renato, um colega de trabalho de Suzana, bate na porta e pergunta:

_Posso entrar?
_Agora eu tenho que desligar! Tchau! Entra, Renato!
_Eu preciso dos dados de Josefa Pereira, porque no computador não consta os dados dela.
_Procura ali no arquivo. Eu vou sair e não sei se volto! Se alguém ligar procurando por mim, você anota os recados pra mim!
_Pode ir tranqüila!

Suzana pega seu carro e vai até um quiosque perto da praia onde encontra um homem que a beija dizendo:

_Eu tava morrendo de saudade de você!
_Eu também, Edu! Eu fiquei sem te ver ontem e passei mal.
_E o traste? Cuidou bem de você?
_Ele fez o que pôde.
_Vamos lá pra casa?
_Vamos!

Suzana e Edu sobem no carro e vão embora. As horas vão passando, Dirceu chega em casa e pergunta:

_A mãe de vocês já chegou?
_Graças a Deus, não!
_Rodrigo, não fala assim!
_Cala a boca, Isabela!
_Sua irmã está certa.
_Ela defende aquela mulher porque ela a trata bem!
_Aquela mulher é a sua mãe.
_Infelizmente.
_Eu vou tomar banho e quando a mãe de vocês chegar, me chame!

Dirceu vai tomar banho. De repente o telefone toca, Rodrigo atende e é Suzana avisando que vai demorar a chegar.
As horas vão passando e Rodrigo diz:

_Pai, eu vou dar uma volta e daqui a pouco eu volto.
_Não demora.

Dirceu fica esperando sua esposa e quando ela chega, ele pergunta:

_Posso saber onde você estava?
_Eu estava no escritório.
_Eu liguei pra lá e o Renato disse que você tinha saído de lá às duas e meia da tarde!
_Eu saí de lá esse horário, sim! Mas pra resolver alguns problemas.
_E você ficou resolvendo problemas até às uma da manhã? Conta uma melhor!
_Eu não vou perder o meu tempo discutindo com você! Eu vou é tomar um banho que é o melhor que eu faço.

Suzana vai tomar banho e em seguida vai dormir.
No dia seguinte, Dirceu leva seus filhos pra escola e fica em frente ao escritório de Suzana. Lá ele diz:

_É hoje que eu vou ver o que você faz, Suzana!

Algum tempo se passa, Dirceu vê Suzana saindo e a segue. Suzana vai até um quiosque e encontra Edu que lhe dá um beijo.
Depois de ver aquela cena, Dirceu desce do carro, vai até Suzana e pergunta:

_O quê que tá acontecendo aqui?
_Dirceu?
_É por isso que você chegou em casa de madrugada, não é? Você tem um amante, sua vagabunda!
_Não é nada disso que você está pensando.
_Como não? Eu vi tudo!
_Calma aí.
_Que calma aí? Você não direito de se meter em nada aqui!
_Cara, você tá nervoso. Se acalma e depois você conversa com a Suzana.
_Cala a boca!

Dirceu dá um soco em Edu e eles começam a brigar. De repente, Marcelo, irmão de Suzana passa de bicicleta, vê a confusão e separa os dois.
Edu vai embora e Marcelo pergunta:

_Dirceu, por que você estava brigando com aquele cara?
_Aquele cara é o amante da vagabunda da sua irmã!
_Vagabunda não!
_Suzana, como você pôde trair o Dirceu? Ele sempre te apoiou em tudo.
_Não se mete na minha vida, Marcelo!

Suzana pega seu carro e vai embora. Marcelo leva Dirceu em casa e depois vai embora. Depois de explicar o que aconteceu aos seus filhos, Dirceu diz:

_Depois disso tudo, eu resolvi pedir o divórcio a mãe de vocês.
_Era tudo que eu queria.
_Por que Rodrigo?
_Você ainda pergunta, Isabela? Agora eu vou morar com o meu pai e ela nunca mais vai me fazer mal.
_Eu não sei com que eu vou morar.
_Fica com a sua mamãezinha querida.

Alguns dias se passam, Dirceu dá entrada nos papéis do divórcio e se muda pra um apartamento.
Depois de sair da escola, Rodrigo vai até sua antiga casa e ao chegar lá Suzana pergunta:

_Você tá gostando de morar com o seu pai?
_Estou adorando! Você nem imagina o quanto.
_Será que é maior que a felicidade que eu estou sentindo em não ter você aqui?
_Com certeza a minha felicidade é muito maior que a sua!
_A minha filha querida está lá no quintal.

Rodrigo vai até seu quarto e se joga na cama, chorando e dizendo:

_Maldita! Eu ainda vou ver você morta em um caixão pra poder cuspir na sua cara, desgraçada!

Enquanto isso na sala Isabela pergunta:

_Mãe, quem era na porta?
_O traste do seu irmão!
_Não fala assim dele!
_Eu falo como eu quiser. Quem é você pra dizer como eu devo falar dele?
_Sou a irmã dele!
_Vai pro seu quarto e não sai de lá enquanto eu não mandar!

Isabela vai pro quarto e tranca a porta. Depois de ver sua irmã entrar no quarto chorando, Rodrigo escreve um bilhete e joga por baixo da porta. Ao ver o bilhete, Isabela pega e pergunta:

_O que é isso? Deixa eu ver...É um bilhete...

"Isabela,deixa de ser idiota! Vem morar com o nosso pai, é muito melhor! Você já viu como ela te tratou? Daqui pra frente vai ser assim! Ela vai te maltratar mais ainda e pode até te bater como fazia comigo. Isso é só o começo, mas ainda dá tempo de você ir pra casa do nosso pai sem que nada te aconteça! Ass.: Rodrigo."

_Será que ele tem razão?

Três dias se passam, Suzana sai pra trabalhar, mas antes de sair avisa a Isabela pra arrumar seu quarto. As horas se passam, Suzana chega e vai até o quarto de Isabela. Ao chegar lá ela pergunta:

_Isabela, o que eu mandei você fazer?
_Sei lá!
_Eu mandei você arrumar o seu quarto.
_Esqueci.
_Esqueceu? Agora você vai levar uma surra como eu nunca te dei pra você aprender a fazer o que eu mando!
_Não! Socorro! Não!

Suzana fecha a porta do quarto pra Isabela não sair e lhe dá uma surra. Depois disso, Suzana toma banho, se arruma e sai. Isabela pega o telefone, liga pro seu pai e diz chorando:

_Pai, você pode vir aqui me buscar. Eu não quero mais ficar aqui. Tá! Tchau!

Alguns minutos se passam, Dirceu chega em sua antiga casa, sobe até o quarto de Isabela e ao ver sua filha no chão, ele pergunta:

_O que foi isso?
_Minha mãe me bateu porque eu esqueci de arrumar o meu quarto.
_Que absurdo!
_Depois você dizia que eu reclamava à toa.
_Arruma as coisas da sua irmã porque eu vou levá-la comigo.

Rodrigo pega as roupas da sua irmã e coloca dentro de uma mala. O dia amanhece e Suzana chega, vendo que Isabela não desceu pra tomar café, Suzana vai até o quarto da filha e diz:

_Isabela, já tá na hora de acordar.

Ao ver que sua filha não está na cama, Suzana começa a gritar:

_Cadê a minha filha? Meu Deus! Seqüestraram minha filha!

De repente a campainha toca, Suzana vai abrir a porta e ao ver Dirceu, ela fala:

_Dirceu, seqüestraram nossa filha!
_Ninguém seqüestrou nossa filha! Eu a levei pra minha casa.
_Por que? Com que direito você tira a minha filha de mim?
_Você é muito cara de pau! Você viu o estado que você deixou a menina? Ela nem quis ir pra escola hoje!
_Ela não me obedeceu!
_Você bateu nela porque ela não arrumou o quarto! Eu podia te denunciar, sabia?
_Eu vou trabalhar! Eu já estou atrasada!
_É só falar umas verdades pra você, que você logo trata de fugir, né?
_Eu tenho que ir trabalhar! Você já viu a hora?
_Você pode me chifrar a hora que você quiser, mas maltratar meus filhos não! Eu sou capaz de te matar se você fizer alguma coisa com os meus filhos!

Suzana sai pra trabalhar e Dirceu volta para casa para cuidar de Isabela. Depois de chegar em seu escritório, Suzana chama Renato e diz:

_Tem algum recado pra mim?
_Tem sim. A dona Sueli Ribeiro quer se divorciar do marido e quer que você seja a advogada dela. Ah! O seu irmão ligou, mas disse que daqui a pouco liga de novo.
_Ele não disse o que ele queria?
_Não.
_Que droga!Tô super atrasada e por causa do Dirceu!
_Daqui a pouco eu levo o telefone da dona Sueli na sua sala.
_Tudo bem!

O dia termina, Suzana vai pra casa e ao chegar ela percebe que a porta está aberta. Com medo, Suzana pega seu celular e diz:

_Se tiver alguém aí, eu ligo pra polícia.

De repente Suzana sente uma mão em suas costas, olha pra trás e diz:

_Que susto, garoto! O que você veio fazer aqui?
_Vim buscar os cadernos de Isabela.
_E quem é você?
_Eu sou a Amanda, amiga do Rodrigo.
_Eu sou a Suzana, a mãe dele.
_Eu já sei quem é você. Já ouvi muito sobre você...
_Espero que tenham falado bem de mim.
_Eu vou lá em cima.

Rodrigo vai até o quarto da irmã, pega os cadernos e vai embora. Suzana fecha a porta e vai tomar banho. A campainha toca, ela vai abrir a porta e é Isabela que diz:

_Eu vim buscar meu livro de inglês que meu irmão esqueceu.
_Quando você sair, feche a porta.
_Tá bom!

Suzana volta pro banho e escuta a porta fechando. Suzana sai do banheiro e ao chegar em seu quarto ela olha pra porta e pergunta:

_O que você está fazendo aqui? O que você está fazendo com essa faca na mão? O que você vai fazer? Não! Aaaaahhhh...

Suzana leva várias facadas e se joga na cama dizendo:

_Por que? Por que você...fez isso comigo? Volta...e me ajuda... por favor.

Suzana liga pra polícia e diz:

_Eu...fui esfaqueada...me ajude, por...por favor!Meu endereço é...Rua das Araucárias, número 174...

Suzana morre e algum tempo depois a polícia chega à casa de Suzana. Os policias começam a vasculhar a casa em busca de pistas e um investigador encontra a faca usada para matar Suzana no quintal. O investigador chama seu assistente e diz:

_Achei uma pista, Oliveira!
_O que achou, Armando?
_A faca usada pra matar a vítima.
_Agora nós temos que investigar quem esteve com ela antes dela ser assassinada.
_Mas antes teremos que encontrar mais pistas pra chegarmos até o assassino.

Armando e Oliveira começam a procurar pistas pela casa, encontram uma agenda com vários números de telefone e Armando diz:

_Vamos levar essa agenda, ela pode ter impressões digitais do assassino.

Alguns dias se passam, a polícia procura Dirceu para ele depor e ao ver Dirceu, Armando diz:

_Como vai, senhor Dirceu?
_Muito bem, obrigado.
_Como o senhor já sabe, a sua ex-mulher foi assassinada a alguns dias atrás e você é um dos suspeitos.
_Por que?
_Nós encontramos suas impressões digitais em uma agenda telefônica na casa da vitima e os vizinhos afirmaram ter visto o senhor na casa da vitima no dia do crime.
_Eu fui lá conversar com ela, porque ela tinha dado uma surra na minha filha.
_Os vizinhos também afirmaram ter ouvido você gritar que o senhor capaz de matá-la se ela voltasse a maltratar seus filhos.
_Não fui eu!
_Eu não estou acusando o senhor de nada! Como eu disse, você é só um suspeito... Eu também preciso conversar com seus filhos e saber se eles estiveram com a mãe no dia do crime.
_Eu posso trazê-los amanhã.
_Ótimo! O senhor já pode ir.
_Obrigado.

Dirceu vai embora. No dia seguinte Rodrigo e Isabela vão até a delegacia depor. Rodrigo entra na sala primeiro e Armando pergunta:

_Você que é o Rodrigo?
_Eu mesmo.
_Muito prazer! Pode se sentar.

Rodrigo senta e Armando pergunta:

_Rodrigo, qual era a relação entre você e sua mãe?
_Era das piores desde o dia em que...
_Desde de que dia?
_Desde o dia em que ela me disse que eu fui um acidente, que eu não devia ter nascido. Eu só tinha nove anos e fiquei com tanta raiva que desde aquele dia, eu prometi transformar a vida dela em um inferno. Cada vez que eu fazia alguma coisa errada e ela me batia, o ódio que eu sentia crescia mais ainda.E u fiquei ainda mais revoltado depois que a minha irmã nasceu.
_Por que?
_Por que? Porque ela sempre deixou bem claro que a minha irmã era a queridinha dela. Se eu aumentasse a voz com a minha irmã, ela já vinha pra cima de mim querendo me bater, mas na minha irmã ela nunca encostou um dedo. Depois que o meu pai se separou dela, eu fui morar com ele e teve um dia em que eu fui buscar o resto das minhas roupas e ela disse: ”A minha filha querida está lá no quintal!”. Depois de ouvir isso, eu subi correndo pro meu quarto e fiquei chorando na cama. Naquele dia eu prometi que eu ia cuspir na cara dela quando ela estivesse morta e foi isso que eu fiz depois que ela morreu. Eu fui ao enterro só pra isso.
_Você conhece Amanda Ferreira Vasconcellos?
_Ela é minha namorada.
_Os vizinhos disseram que viram você e ela na casa da sua mãe no dia do crime.
_Nós fomos lá buscar uns cadernos da minha irmã.
_E depois de pegar os cadernos vocês foram embora, certo?
_Isso mesmo.
_Você conhece o homem desta foto?
_Esse aí é o amante da falecida.
_Você o conhecia?
_Quando eu tinha seis anos eu saí com ela e nós fomos até a casa desse homem. Quando nós chegamos lá, ele me deu vários brinquedos e fiquei brincando perto da piscina que tinha na casa dele. Aí eu fui procurar por ela depois de ter ficado intediado e quando cheguei na varanda da casa, eu vi os dois se beijando.
_E você não contou pro seu pai?
_Não.
_Por que?
_Porque ela me ameaçou e encheu a minha cabeça de besteira! Disse que se eu contasse, ele ia ir embora e ia me deixar... Ela disse muitas coisas.
_Por hoje é só. Muito obrigado! Pode ir. Peça a sua irmã para entrar, por favor.

Rodrigo sai e chama sua irmã. Armado pergunta a Isabela porque que ela foi morar com seu pai e ela responde:

_Porque minha mãe me bateu.
_Seu irmão me disse que sua mãe adorava você e que nunca tinha te batido.
_Foi a primeira vez que ela me bateu porque eu esqueci de arrumar o meu quarto.

Armando mostra a foto de Edu para Isabela e pergunta:

_Você já viu esse homem?
_Nunca.
_Pode ir.
_Já?
_Já. Por enquanto eu não tenho muitas perguntas, mas quem sabe você volta pra esclarecer mais dúvidas minha.
_Se for necessário eu volto, com certeza.

Isabela vai embora, Oliveira entra na sala e pergunta:

_E aí?
_Os três são bastante suspeitos. A garota é suspeita, mas não tinha motivos pra ter matado a mãe. Porque pelo o que eu entendi, a mãe gostava mais dela e sempre deixava o irmão de lado. O irmão sim, tinha muitos motivos pra matar a mãe.
_Eu fui até o escritório onde ela trabalhava e tinha uma mensagem na secretária eletrônica do irmão da vitima.
_O que ele disse na mensagem?
_Que iria a casa dela às nove da noite.
_Nove da noite?
_É. Por que?
_Ela foi assassinada às oito horas e cinqüenta e sete minutos.
_Você acha que foi ele?
_Talvez sim, talvez não. Mas ele pode nos ajudar.
_Como?
_Ele pode ter visto o assassino. Entra em contato com ele o mais rápido possível!

Oliveira liga pra Dirceu que dá o número da casa de Marcelo. Armando liga e em seguida, Oliveira pergunta:

_E aí?
_Ninguém atende.
_E agora?
_Nós temos ter que conseguir um mandato de busca e nós vamos procurá-lo até encontrarmos.

Um dia se passa, Armando consegue o mandato e vai até a casa de Marcelo. Chegando lá eles encontram a porta aberta e entram. Ao chegar no quarto eles vêem Marcelo morto e Oliveira pergunta:

_Quem será que fez isso?
_Com certeza a mesma pessoa que matou Suzana matou Marcelo.
_Como você pode ter tanta certeza?
_Ele marcou com a irmã às nove e como eu suspeitava, ele viu o assassino e o próprio veio aqui e o matou porque sabia que mais cedo ou mais tarde ele seria interrogado.
_Só o Marcelo podia nos dizer quem é o assassino, mas ele morreu, e agora?
_Olha ali!
_O que?
_A faca que usaram pra matar o Marcelo.
_Tem impressões digitais.
_Agora nós só temos que descobrir de quem são essas impressões.

Enquanto isso, Isabela fala com o pai.

_Pai, hoje é o meu aniversário, eu já tô de férias e eu queria viajar.
_Pra onde?
_Pra casa daqueles seus parentes em Salvador.
_Você não disse que não os suportava?
_Eu mudei de idéia.
_Tudo bem! Quando você quer ir?
_Hoje mesmo.
_Eu vou ver se eu consigo as passagens.
_Se eu pedisse, com certeza eu ganharia esse presente.
_Rodrigo, não reclama! Nós também vamos.

Um dia se passa, Rodrigo, Dirceu e Isabela saem de casa e ao abrir a porta, dão de cara com Armando que pergunta:

_Onde vocês pensam que vão?
_Nós vamos visitar uns parentes em Salvador.
_Eu sinto muito, mas você vai ter que ir sem a sua filha.
_Por que?
_Porque ela está presa por assassinato.
_Eu? Não fui eu!
_Isabela, foi você?
_Não! Não fui eu!
_Nós encontramos suas impressões digitais numa faca usada no crime.
_Por que eu mataria o tio Marcelo?
_Como você sabia que tinha sido ele se nós ainda não falamos nada?
_Eu, eu...
_Nós sabemos que ele viu você saindo da casa da sua mãe depois de você ter a assassinado.
_Vocês não vão me prender!
_Se você tentar fugir só vai piorar a sua situação.
_Maldito! Maldito!
_Vamos!
_Pai, não deixa eles me levarem! Eu não fiz nada! Não fui eu!

Armando e Oliveira levam Isabela pra delegacia e Rodrigo pergunta:

_E agora? O que nós vamos fazer?
_Nada.
_Você não vai tentar tirar ela de lá?
_Não. Ela podia ter nos matado também. Como eu não vi quem era a minha filha?
_Eu sempre disse que vocês puxavam muito o saco dela, mas vocês nunca me ouviram!
_É mesmo. Vamos à delegacia!

Dirceu e Rodrigo vão até a delegacia e ao chegar lá Armando diz:

_Senhor Dirceu, eu sinto muito, mas a sua filha vai ser encaminhada a um reformatório.
_Eu já imaginava.
_O senhor quer falar com ela?
_Quero.

Armando leva Isabela pra uma sala e chama Dirceu. Ele entra na sala e pergunta:

_Por que você fez isso?
_Ela bateu em mim.
_E isso é motivo pra matar duas pessoas? Como você pôde? Você é um monstro!
_Não sou, pai.
_É sim. Só um monstro teria coragem de fazer o que você fez! Saiba que você vai ficar aqui até a sua pena terminar, porque eu não vou mover uma palha pra te tirar daqui!
_Pai, me desculpa! Me tira daqui, por favor!
_Não. Você vai ficar aqui até a sua pena terminar!
_Você não pode fazer isso comigo!!!

Dirceu levanta a mão e dá um tapa na cara de Isabela que diz:

_Você me bateu.
_O que você vai fazer? Vai me matar também?

Armando abre a porta da sala e diz:

_Senhor Dirceu...
_Eu já vou sair! Eu espero que você esteja feliz em estar aqui.
_Pai! Pai! Volta aqui!

Dirceu chega do lado de fora da delegacia e diz:

_Vamos Rodrigo! Nós vamos acabar perdendo o avião.
_Pai, você vai viajar mesmo sabendo que Isabela está presa?
_Vou. Se você não quiser ir fique em casa porque eu vou.
_Tudo bem! Eu vou.

Dois anos se passam e Dirceu recebe uma carta de Isabela.

"Pai, as coisas aqui estão tranqüilas. Eu espero que você e o Rodrigo estejam bem. Estar aqui tá me fazendo muito bem! Eu já comecei a enxergar o mundo com outros olhos, eu vi que nós não podemos acabar com a vida de outras pessoas por motivos bobos e eu vi também que com uma boa conversa tudo pode se resolver. Aquele tapa que você me deu, serviu pra muita coisa! Eu estou escrevendo um livro de auto-ajuda que vai ensinar as pessoas a pensarem bem antes de agir. O que você acha? Manda uma carta pra mim também, eu vou ficar muito feliz! Me responde pelo menos uma carta.
Super beijo pra você e pra Rodrigo
Ass.: Isabela"

Depois de ouvir a carta, Rodrigo diz:

_Pai, responde essa carta, pelo menos essa!
_Não.
_Por que?
_Porque ela tem que aprender uma lição!
_Você acha que ela ainda não aprendeu? Depois de dois anos naquele reformatório e sem você responder nenhuma carta, você ainda acha que ela não aprendeu a lição?
_Tudo bem! Você venceu. Pegue papel e caneta pra eu escrever.


FIM







Todos os fatos aqui relatados são obras de ficção e qualquer semelhança com fatos ou pessoas reais terá sido mera coincidência.
Rodrigo Santos
Enviado por Rodrigo Santos em 04/12/2007
Reeditado em 06/10/2008
Código do texto: T765082

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rodrigo Santos
São Gonçalo - Rio de Janeiro - Brasil, 28 anos
7 textos (580 leituras)
3 e-livros (62 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/17 10:51)
Rodrigo Santos