Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O CASTELO DE ESTÁTUAS - parte 5


          - Que bagulho é esse? Essas coisas estão olhando pra gente?! - Garcia dizia saindo da sala.

          - Viu? Eu não falei? Vamos dar o fora daqui!

          Saíram em disparada daquela sala e perceberam que num canto isolado do salão central tinha uma estátua pequena de duende com orelhas pontudas, chapéu pra cima, que sorria diabolicamente com os braços colados ao corpo.

          - Daniel, pode parar de palhaçada - disse Garcia empurrando o companheiro - foi você que colocou essa merda aqui?

          - Eu não. Tá louco? Eu estava o tempo todo com você, como eu poderia colocar essa estátua ali?

          - Cara, não mente pra mim. Aquela coisa não estava ali quando a gente chegou e só tem eu e você aqui dentro.

          - A não ser que…

          - A não ser que o que? Fala logo, merda! Tá me assustando!

          - Não sei. Só sei que precisamos sair daqui. Esse lugar tá estranho.

          - Opa! Peraí. Sair daquela sala sinistra, não do castelo. Agora a materia vai ficar perfeita. Filma aquilo ali.

          - Eu não. Filma você. Eu não vou chegar perto daquele duende macabro de jeito nenhum.

          - Me dá a câmera então. Caramba! Não posso contar com você pra nada. Além do mais, tira a arma pra fora. Me dá cobertura. Vai que aparece alguém aqui então e você já enfia uma bala na cabeça.

          Garcia se aproximou do duende. Era apenas uma estátua, mas que cheirava a mato e seu aspecto dava arrepios em Daniel. Garcia, embora fosse mais ousado e estivesse motivado pela materia inédita que apresentariam ao mundo, filmava apenas se Daniel estivesse apontando a arma para todos os lados dando-lhe proteção.

          Daniel parou de andar com a arma e começou a pensar alto:

          - Tem mais coisa.

          - O que? Mais? Melhor ainda. Onde?

          - Mano. Tem vários enigmas pequenos em cada compartimento pelo visto.

          - Como assim? - Garcia parou de filmar.

          - Veja bem. Lá na entrada, o salão principal tinha estátuas que continham letras em grego. EPHATA. Aqui tem os sete pecados capitais. E você sabe o que esses pecados tem em comum?

          - Que são pecados principais? Pecados cabeça? Não sei. É isso?

          - Não só isso. É que cada pecado tem uma motivação de autossatisfação. O alvo é sempre o egoísmo.

          - Ta bom. Mas e daí?

          - Cara. Você lembra na passagem secreta? Lá tinha cabeças de pedra no chão. Contou quantas?

          - Aí você já ta exigindo demais. Mas eu acho que tinham seis.

          - Exato. Seis pecados. E se você viu, todas as esculturas de cada sala possuem iluminação, que fala de mente e cabeças diferentes, que fala de personalidade. Algo assim. São só teorias minhas.

          - Ok. Gostei da sua lógica. Surpreenda-me.

          - Preste atenção. Qual a única sala que não tinha iluminação? Qual a única sala que a escultura de lá não tinha rosto, mesmo tendo cabeça?

          - SOBERBA?

          - Isso! Daí eu me lembro de um autor, acho que C. S. Lewis. Ele dizia que "a soberba é a galinha que choca todos os outros pecados". Pelo menos na minha cabeça isso faz sentido.

          - Meu irmão, aleluia. Me batiza depois dessa.

          - É sério. Não acabei o raciocínio. Olhando para todo esse ambiente estranho e solitário, a não ser pelas estátuas. Não tem saída aqui. Apenas as sete salas. A menos que exista uma outra passagem na sala SOBERBA.

          Garcia começou a aplaudir o companheiro e ligando a lanterna:

          - Então vamos, Holmes. Segure a câmera dessa vez. Tenha as honras.

          Voltaram para a sala SOBERBA e no meio de todo o pó tatearam todos as quatro paredes. Limpando um pouco do pó acharam inscrições entalhadas em hebraico, grego e latim.

          - Daniel, vem ver isso aqui. Tu que manja desses paranauê de crente.

          Daniel iluminou a parede e conseguiu ler o que estava escrito:

"Tu eras o selo da medida, cheio de sabedoria e perfeito em formosura. Estiveste no Éden, jardim de Deus; de toda a pedra preciosa era a tua cobertura: sardônia, topázio, diamante, turquesa, ônix, jaspe, safira, carbúnculo, esmeralda e ouro; em ti se faziam os teus tambores e os teus pífaros; no dia em que foste criado foram preparados. Tu eras o querubim, ungido para cobrir, e te estabeleci; no monte santo de Deus estavas, no meio das pedras afogueadas andavas. Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado, até que se achou iniqüidade em ti. Na multiplicação do teu comércio encheram o teu interior de violência, e pecaste; por isso te lancei, profanado, do monte de Deus, e te fiz perecer, ó querubim cobridor, do meio das pedras afogueadas. Elevou-se o teu coração por causa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoria por causa do teu resplendor; por terra te lancei, diante dos reis te pus, para que olhem para ti."

          - O que significa? Tem a ver com soberba, né? - perguntou Garcia.

          - Sim. É a Queda de satanás por causa que quis ser igual ou maior que Deus. Alguns dizem que esse texto pode ser aplicado também à Adão, que pelo orgulho quis o mesmo intento comendo o fruto proibido. Deve ser por isso que a sala está cheia de pó. Mas o que isso pode significar para uma outra passagem eu não sei.
         

          - Daniel, tive uma ideia. Me ajuda a arrancar essa estátua.

          - Mano, isso deve pesar uma tonelada.

          - Cara, não é só você que pode ter ideia mirabolantes. Vem, me ajuda.

          Após inúteis esforços de mover a estátua do lugar, Garcia viu na parede o quadro da foto pendurado.

          Ele tirou o quadro, removeu a foto e viu que atrás da foto havia o rosto do senhor Francisco Gaspar.

          - Putz grila! Que susto! Esse velho era louco. Tem um rosto atrás dessa foto.

          - Isso! Garcia, você é um gênio.

          - Ué, mas por que?

          - Adão foi criado Imagem e Semelhança de Deus, certo? Quando ele pecou com orgulho rebelde, ele perdeu o que?

          - A imagem de Deus?

          - Na verdade a Semelhança moral foi corrompida. Por isso a estátua não tem rosto. O escultor aqui quis dar uma de Deus criando sua propria imagem e semelhança. E na foto do FILHO que essa Imagem pode ser resgatada. Cara, eu tenho que voltar pra igreja urgente!

          - Que se ferre sua igreja. Eu só quero colar essa foto horrorosa na estátua pra ver o que acontece.

          Após colarem, a foto grudou perfeitamente na cabeça da estátua. A luz se acendeu e o lugar começou a tremer. Na parede em que estava o quadro, ela começou a levantar e revelou atrás deles duas escadas. Uma que subia e outra que descia.

          - Daniel, você filmou isso? Filma, caramba! Filma! A gente vai ficar rico nessa bagaça!

          Eles se aproximaram das escadas. De repente sentiram um empurrão que os fez rolar escada a baixo até baterem numa porta de pedra:

          - Meu Deus, Garcia! Quem empurrou a gente?

          - Tá ok. Isso tá começando a ficar mais macabro do que eu pensei. Velho, olha pra cima!

          Quando olharam, viram um pedaço do chapéu pontudo e as pequeninas mãos do duende de pedra se afastarem de onde foram lançados…



CONTINUA…
Leandro Severo II
Enviado por Leandro Severo II em 17/08/2019
Código do texto: T6722439
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Leandro Severo II
São Paulo - São Paulo - Brasil, 26 anos
63 textos (2428 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/09/19 00:25)
Leandro Severo II