Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Um domingo diferente.

                           Um domingo diferente.

Abandonado no assoalho da sala,
um corpo que rola para os cantos.
Será procurar alguma proteção?
Fosse no sonho de correr o risco de vida,
sem poder se defender daquela realidade,
seja ela, nua e crua, aquela que mata mesmo,
sem dó do homem desse processo infeliz,
pelo qual se perdera em devaneios.
Falsamente o teu sonho o derruba,
por isso, desconfiado guarda-se,
sem querer entregar-se ao destino,
de uma desventura pela qual a morte é certa.
Mas, o teu legado contexto real
não difere do sonho,
porque aos olhos de si próprio,
já não consegue fazer a curva de volta
e a cada dia, está mais perto do abismo,
contando as horas que por ventura,
estariam faltando as suas necessidades.
Um vento dobrado abre a porta do recinto,
envolve todo o seu corpo num castelo de estrelas,
ainda desconhecido ao homem comum,
mas não é sobrenatural o coral de anjos,
porque assim que tudo se desfez,
o homem permaneceu imóvel para sempre.
Muitas missas são rezadas em seu nome,
parece que ele virou santo, dizem!
Um dia saberemos toda a verdade,
se assim lembrarmos,
de que fomos testemunhas oculares,
desse acontecido fato.


                           Meus amigos, mando um abraço.
                           Condor Azul.
Condor Azul
Enviado por Condor Azul em 08/09/2008
Código do texto: T1168039
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Condor Azul
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 57 anos
837 textos (29996 leituras)
1 áudios (185 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/11/19 14:55)
Condor Azul