Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A missão de um beijo

    Ela estava na academia, mesmo tempo em que ele concluía seu trabalho no escritório. Se aproximava mais um fim de um dia exausto de uma pesada rotina de trabalho. Era inverno, mas mesmo assim a estação não coibiu que ela vestisse um short fitness e uma blusa leve que espelhava um belo decote exibindo detalhes dos seus traços jovens e sensuais.
    O som de uma mensagem no celular quebrava o silencio no solitário escritório, e trazia da academia, ironicamente, o lembrete de uma brincadeira feita pelos dois em umas de suas conversas pelo whatsApp há alguns dias, onde os dois cumpririam a missão de um beijo. Ele a havia visto uma única vez e admitira não ter prestado muita atenção, tinham contatos apenas por mensagens. Passava das 19h, ele retornava do trabalho, quando a respondeu - também meio que irônico e brincalhão - dizendo que a aguardava num lugar bem próximo de onde ela estava e que teria dois minutos.

No fundo, ele não acreditava que tudo aquilo se tornasse realidade, pois achava que ela não viria. Era só uma brincadeira daquelas que se perdem no tempo. Mesmo assim, parou o carro num lugar discreto, e ao som de uma música acústica, ele se assistia numa situação extrema, a qual não  fazia parte dos seus dias, talvez em 25 anos atrás. Acreditava que esperaria uns cinco minutos, e seguiria viagem, pois tudo aquilo não passava de mera ilusão sua.

    Três ou quatro minutos se passaram, ele já se preparava para sair sem nenhuma decepção, visto que várias barreiras lhe faziam acreditar que ali nada ocorreria: uma delas é que sua rotina era de trabalho, nada mais que isso, a outra, era a boa diferença de idade entre os dois: ela pouco passava dos dezoito e ele já passava a linha dos trinta e cinco.  De repente avistou ao longe, se aproximava uma linda jovem, corpo perfeito! cabelos lisos! Andar sexy e seguro, usava roupa de academia. Ele por alguns momentos não acreditava no que estava vendo. Ela sabia que era ele. Nem precisou dá sinal, se aproximou, abriu a porta do carro, sentou e olhando pra ele, abril um sorriso contagiante. Demostrava um pouco de timidez. Ele conhecia de cor e salteado aquela deliciosa sensação que aquilo lhe causava, mas vazia um tempo muito grande que não tinha tal sensação.

    Nos primeiros segundos trocaram algumas palavras irônicas, onde os dois demonstravam não acreditar direito se aquilo era mesmo realidade. Naquele momento, ele não se controlou, a vontade de beijá-la era muito mais forte. Ao ser tocada no rosto, ela fechou os olhos deixando que ele a arrepiasse ainda mais com alguns sussurros delicados no seu ouvido.  Surpreendentemente ela tocou com os lábios no rosto dele, mas tentar se virar para retribuir o carinho, ela de modo carinhoso e sedutor, não o deixava beijá-la. Ele adorou aquele ensaio de sedução, roçava levemente na lateral de seu pescoço a deixando totalmente arrepiada. Com leves beijos e sussurros, ele percorria seu rosto com os seus lábios implorando por seu beijo. Era possível ouvir as batidas de seu coração enquanto ele tocava lentamente no seu lábio inferior repetindo baixinho a frase: “...autoriza que eu beije ... autoriza...por favor...autoriza...eu quero te beijar”. Ela suspirou e vagarosamente foi se entregando. Aquilo valia por mil palavras.  Com a mão esquerda acariciando seu rosto, ele tocava pela primeira vez nos seus lábios trêmulos, macios, ardentes, a tinha naquele momento em seus braços, com um beijo longo molhado, suave, carinhoso. Tudo que ele queria era descer os dedos lentamente e tocar nos seus seios, mas se conteve e seguiu tocando em seu rosto márcio e cheiroso enquanto se deliciava do seu doce beijo.

    O tempo passou como um raio e ele tinha que ir. A despedida foi de beijos interrompidos e reiniciados, enquanto ele levemente tocava em suas pernas torneadas indagando ironicamente se era mesmo de verdade. O sorriso dela novamente era interrompido com mais um beijo. Um último beijo, uma despedida, pois ele sabia que não podia e nem devia passar daquele – último beijo. Beijo que será lembrado nas horas de saudade.
Rodrigues Val
Enviado por Rodrigues Val em 15/03/2019
Reeditado em 09/09/2019
Código do texto: T6598542
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rodrigues Val
Boa Viagem - Ceará - Brasil
57 textos (1772 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/19 09:30)
Rodrigues Val