Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Moça do Barracão


 Alguns  amigos  se  reuniram
 E  inventaram  uma  competição
 Todos  teriam  que  tentar  conquistar
 Um  impenetrável  e  estranho  coração
 Que  não  conhecia  a  arte  de  amar
 E  nada  sabia  dessa  coisa  de  paixão.

 Ela  era  jovem  mas  se  vestia  como  velha
 Por  debaixo  do  vestido  usava  um  calção
 Muitos  até  a  considderavam  uma  cinderela
 Mas  saiba  que  num  era  nada  disso  não
 O  que  todos  queriam  era  conquistar  ela
 E  assim  ganhar  o  dinheiro  da  competição.

 Um  por  um  foi  chegando  perto
 Sempre  com  uma  história  decorada  na  cabeça
 Mas  ninguém  se  metia  a  esperto
 Porque  a  moça  era  sabida  tenha  certeza
 Ela  desconfiava  que  num  tava  certo
 Aqueles  homens  lhe  chamarem  de  princesa.

 Nenhum  conseguiu  despertar  a  atenção
 A  moça  parecia  ter  bom  gosto
 Apesar  de  morar  num  barracão
 Ela  nem  virava  o  rosto
 E  nem  notava  que  com  sua  educação
 Estava  causando  sensação  e  desgosto.

 Meus  amigos  ficaram  ainda  mais  animados
 Quanto  mais  difícil  a  presa  mais  emoção
 O  causo  é  que  já  havia  alguém  apaixonado
 E  esse  fato  causava  uma  certa  irritação
 Porque  isso  não  havia  sido  combinado
 E  a  corrida  atrás  da  moça  carecia  de  anulação.

 Ficou  acertada  uma  última  tentativa
 E  quem  conseguisse  seria  o  vencedor
 Os  apaixonados  saíram  da  comitiva
 E  deixaram  aberto  um  grande  corredor
 A  moça  permanecia  ali  altiva
 E  nem  dava  importância  pra   nenhum  competidor.

 Um  dia  aconteceu  uma  coisa  estranha
 A  moça  deixou  de  usar  vestido
 A  turma  ficou  numa  dúvida  medonha
 O  que  teria  acontecido ?
 Deixou  de  ter  aquela  face  enfadonha
 E  mostrou  para  aqueles  homens  um  novo  estilo.

 Passou  a  usar  calça  comprida
 E  deu  um  jeito  de  arrumar  o  cabelo
 Isso  deixou  aquela  gente  desprevenida
 E  causou  uma  série  de  atropelos
 Pois  à  noite  a  viram  na  avenida
 E  disseram  que  a  moça  parecia  uma  modelo.

 Na  verdade  ela  arranjou  um  namorado
 E  estava  doida  pra  se  casar
 Meus  amigos  estavam  mal  informados
 Aquela  era  uma  moça  do  lar
 Ninguém  ganhou  a  competição  isso  estava  sacramentado
 O  negócio  era  esquecer  num  tinha  jeito  a  dar.

 O  casamento  foi  uma  grande  festa
 A  moça  casou  com  um  industrial
 Contrataram  uma  grande  orquestra
 Pra  tocar  no  fundo  de  um  quintal
 Industrial  era  o  apelido  daquela   peça
 Que  jurou  fidelidade  matrimonial.

 E  assim  chega-se  ao  final  dessa  história
 Meus  amigos  hoje  estão  bem  casados
 Foi  um  fato  que  eu  trouxe  da  memória
 Pra  mostrar  que  sou  bem  relacionado
 E  agora  que  contei  vou  embora
 Pois  hoje  à  noite  tem  dança  braba  lá  no  meu  tablado.
Ivan Melo
Enviado por Ivan Melo em 25/08/2009
Código do texto: T1773367

Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ivan Melo
Carpina - Pernambuco - Brasil, 66 anos
2004 textos (24630 leituras)
5 e-livros (121 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/19 12:24)
Ivan Melo