Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Meu cumpadi Airam Ribero

10/09/2009 15h03 - Airam Ribeiro
Mais esse cumpadi Lió/ É mermo ingriziento/ Foi cum a Terê cum trololó/ Li falá in casamento/ Óia aqui eu liscunjuro/ Eu quero é ti vê duro/ A padicê no firmamento./// Um amô desse bunito/ Qui tem eu e a Terê/ Nun é quarqué cabrito/ Qui vem pra cá se metê/ Inda mais cum meu diêro/ Ele feiz um arruacêro/ Ah mais ele cumigo vai vê!/// Inda xamá minha Terê/ Prum lugá desses quarqué/ Qui farta de decença ocê/ Xamá ela prum mote/ Cadê as cuncideração/ Cocê tem cum seu irimão/ Cocê dizia qui era de fé?/// Terê minha quirida/ Nun vai nas cunversa fiada/ Esses cara tem as fala fingida/ E cum ocê num qué nada/ Num dexa nosso amô morrê/ Viu minha quirida Terê/ Ocê nun ta dizamparada./// Inté o amigo Pedrin/ Ta quereno cocê amigá/ Ah isso num fica ancim/ E nem sei cuma vai ficá/ Cê ta pensano o quê!/ Né u’a quarqué a Terê/ Nois dois ta a se amá./ Liga não quirida/ Esses cabra é do PT/ É duma turma fingida/ Qui prumete mais ninguém vê/ É daqueles do senado/ Mintirozo os coirtiado/ Qui roba para vivê./// Pur isso minha linda/ Do cantinho verso e proza/ Ianti qui o sór se finda/ Eu quero vê ocê fogoza/ Vim min falá qui min ama/ Aí nóis vai para cama/ Vivê u’a vida amoroza./// Abraços minha amiga é bom estar cum vancê de novo.
Enviado por Airam Ribeiro para o texto: Recado pa Cumpadi Liodoro di Morais (T1800066)

Meu Cumpadi Airam Ribeiro
(Terê das Bêra Mar)


Inda bem que o sior chegô
que eu já tô de oreia em pé
o que essis homi tão falano
num é coisa de boa fé.
O sior é tão bonzinho
parece inté um minininho
mi ixprica cumé qui é...

Viche que o trem tá isquentano
i eu já to quaji correno
ceis tão tudo alucinado
ou intão andaro bebeno.
Imbarcá nessa viagi
vai lhi sê a pió viagi
iscuita o que eu tô dizeno.

Essi cumpadi du norti
o tar mestri venerano
gosta de atiçá a fuguera
mai dipoi vai debandano
Iscapa da bananosa
fingi de morto na prosa
dicerto tá gargaiano.

Ah cumpadim, prestenção:
num quero te arreliá
mai to fora desse angu
ces tão a mi caluniá.
Eu sô uma pobri viúva
qui só tem o sor e a chuva
que nem sabi namorá.

Eu to aqui assuntano a prosa
e num tá boa a peleja
pra dizê bem a verdadi
num vai tá mai nem que teja.
Tudo mundo isbravejano
um pra outro vão me dano
e eu aqui no ora veja.

Ces tão mangano di mim
módi eu num tê, de repenti
um cabra da peste bão
pá enfrentá ocêis no repenti.
Mai num fai mar, eu dô conta
mi viro de ponta a ponta,
galo aqui é sobressalenti.

E ocê aí de Garanhuns
vai levá arguma vantagi
dispenso a tar dinherama
purquê é a pesti essa friagi.
Seno artão já vai bastá
bunito e bem sensuá
zóio verdi e arta linhagi.

Pur meno num tem negoço
faço é negoço da china
véio, pobri, feio e froxo?
Vai vê se eu to lá na esquina!
Memo assim tu pega a senha,
sem dá a veiz, aqui num venha
 que num garanto tua sina.

Inda vorto uma otra hora
módi tratá das cavera
daquela festa sinistra
que vi, ispiano da solera.
Me metero no pacoti
di isqueleto de biroti
da balada pagodera.

Eu vorto cumpadi... guenta aí que eu vorto!
Santos, 15/09/2009
www.amoremversoeprosa.com

Té mais querido amigo Airam, é um prazer enorme
brincar contigo nas letrinhas do cordel, e está sendo
com Heliodoro também.
abraço grande
Tere Penhabe
Tere Penhabe
Enviado por Tere Penhabe em 15/09/2009
Código do texto: T1811674


Comentários

Sobre a autora
Tere Penhabe
Santos - São Paulo - Brasil, 66 anos
252 textos (29215 leituras)
5 áudios (647 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/05/21 13:10)
Tere Penhabe