Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Prum garanhão lá du Norti...

16/09/2009 01h38 - Heliodoro Morais
Máis Terê das Bêra Már /// Nóis num tá di brincadêra /// E vai juntu disputá /// Éssa morêna facêra /// Si u Isprítu Sântu dé soirte /// U Riu Grândi du Nórti /// Arráista a sua pexêra ======= Vái sê a maió zuêra /// Aí nas práia di Sântu /// Nóis vái lutá capuêira /// Us cangapé vÕ sê tântu /// Vái inté juntá tuircída /// Pá vê di nóis dôi quirida // Quêm vai ganhá sêus incanto ===== Im mim num péga quebrântu /// Módi êu tê côipu é fechâdu /// Êu só quéru vê u tântu /// Quêssi cába é arroxádu /// É tão grândi u ribulíçu /// Qui u cão vái levá sumiço /// I u inférnu abandonádu ===== Si náda dé risutádu /// Pá ninguém corrê pirígu /// Nóis fáiz im trátu arretádu /// Já qui nóis é túdu amígu /// Vai sê um trátu daquêli /// Ocê si cása máis êli /// I si amancéba cumígu ........... Bravo poetas! É muito bom interagir com vocês. Pena que estou com alguns compromissos(poéticos) que não me permitem maior permanência com vocêm. Um abração fraterno e beijos no coração!!!

Prum garanhão lá do Norti...
(Terê das Bêra Mar)

Essa vida é jogo duro,
memo quando num pareci
quanto mai a gente reza
mai sombração apareci.
Nu Rio Grandi do Norti
Tem um cumpadi que é di morti
que a gandaia é sua preci.

Meu cumpadi Li_adoro
mai tá dano tremedera,
de vê aqui vossa osadia,
tá um tico pa bandalhera.
Tu é bicho dus tinhoso
nunca vi mai escandaloso
ói qui num sô rezadera.

Si vim cá na minha terra,
dizeno essis impropério
tu num dura uma semana,
vai cabá no cimitério.
Num tenciono fazê intriga,
boca cheia de formiga,
é o que dá seu revertério.

Onde é que já si viu
vim propono bigamia?
As lei do nosso país
num separa essas fulia.
Seje casado, amigado
o pião fica é inrolado,
tudo a mema putaria.

Vai daí que é contra a lei
essa preposta indecente,
chamado trato arretadu,
qui o sior feiz aí pra genti.
Acho que bateu biela
ou intão já perdeu ela
mi dexô inté discrenti.

Vô lhi contá o conticido,
lá na terra onde nasci,
tinha um pião du seu porte
pá pulá cerca, é o saci.
Quando foi um belo dia,
malemá que amanhecia,
a puliça baxô ali.

A muié tava na porta,
apoiada no batenti,
e tava inté alegrinha,
filiz da vida, contenti.
Os meganha foro entrano
e sairo vumitano
cunfundino tuda genti.

As maroca si postaro,
naquela linha de frenti,
sem demora, já disvenda
o tar fado impertinenti.
Na cama, já risfriado,
valentão tava deitado,
inda reganhado os denti.

O sirviço foi bem feito,
que num é pa quarqué macho,
a dona daquele feito
botô fim no isculacho!
- Num vai mai cantá vizinha,
essi garanhão que eu tinha,
é mais um que foi pro taxo.-

Du carrero, essa é só uma
das história que eu cunheço
fidelidadi, seu moço
pra nóis aqui num tem preço.
Renova vossos conceitu
di tudo, é o pió defeitu
essi qui tem. Num mereço!

É pramordi isso que eu digo,
si quisé podi vim cá
cum essa intenção daninha
di querê mi namorá.
Mai da morti num si furta
tu vai tê a vida curta
si essa idéia cuntinuá.

Botá chifre eu num boto
nem a mando de Lampião
posso inté morrê de sedi
mai num faço isso não.
Mai chifre na minha testa
nunca mai qui mi molesta
eu dô fim nu garanhão.

Eu num sô da Paraíba
mai vivi lá notras vida
aprendí perfeitamenti
o jeito bão dessa lida.
Pá homi que é fricotero
corta e pincha no terrero
suas parti mai quirida.

Mai si pegá no fraganti...
é di lei essa questão!
Parti a cabeça do gajo
num tem otra sulução.
E a genti segui im frenti
posano de viúva crenti
cum amô nu coração.

Sior qui sabi, sior qui vê...
Si vai prosseguí cantano
si pindura essa viola
eu bem qui to lhi avisano...
Quem avisa amigo é
inda mai se fô muié
qui lhi fala cordelano.

Sior falô barbaridadi!
"Já qui semo tudo amigo?"
Deus mi livri e mi proteja
dessi tanto de castigo.
Cum amigo dessi porti
si o demo chegá no norti
vai rezá o terço cumigo.

Piriga si convertê
e pidí, disisperado
que lhi preguem numa cruiz
módi sê crucificado.
Vai achá essi mundo cão
qui o inferno é pra lá de bão
querê sê canonizado.

O meu amigo di fato
é o cumpadi do nordesti
não o tar do prisidenti
que essi é cabra da pesti.
Aquele que é teu amigo
qué chifrá eli cumigo...
isso é amizadi qui presti?

Eu tô passada, cumpadi!
Cum a vossa prosopopéia
achava que vi di tudo
que sabia as panacéia.
Mai num sei é quasi nada
dessi modo, aparvaiada
tô mi sintino inté véia...

Mai intão fica assim, Lió
Vô lhi isperá cum amô
acho que num vai corrê
depoi de tanto louvô.
Eu sô uma santa, cumpadi
perdê essa chanci é covardi
otra dessa, a ninguém dô.

Nessas mar traçada linha
dexo-lhi um beju istalado
o mió dus qui aqui tinha
ku coração apertado...
Di sodadi do nortista
pra quem sô muito benquista
num vai faiá no tratadu.

Tere Penhabe
Santios, 17/09/2009
www.amoremversoeprosa.com
Tere Penhabe
Enviado por Tere Penhabe em 17/09/2009
Reeditado em 17/09/2009
Código do texto: T1815140


Comentários

Sobre a autora
Tere Penhabe
Santos - São Paulo - Brasil, 66 anos
252 textos (29213 leituras)
5 áudios (647 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/05/21 04:50)
Tere Penhabe