Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ZÉ MUTUCA, O LADRÃO DE CALCINHAS

Como sempre leio
O que posso acessar
Me conecto na net
Começo interpretar
Toda noticia boa
Para a mente aliviar

Não consigo parar
De ver site informativo
Pois tem boa noticia
Com assunto criativo
Acontecidos na cidade
Ou no local de nativo

Sempre fico pensativo
Ao entender o assunto
Fale ele de política
Ou seja, lá de defunto
E baseando-me nisto
Eu sempre me pergunto:

Se você estiver junto
Do saci ou da cuca
Você teria a coragem
De entrar numa muvuca
Que estivesse nela
O doido do Zé mutuca?

Tento esfriar a cuca
Para por nas entrelinhas
E informar a vocês
E a todos os coleguinhas
Que o peste do Mutuca
E ladrão de calcinhas

Vejas se advinhas
Sua área de atuação
No estado das alagoas
Também mostre a reação
Revolta contra o fato
Deste terrível Ladrão

Qual a sua aprovação
Para este grave caso
Ocorrido em campo Alegre
De segurança em atraso
O cara roubou calcinhas
Até a flor de um vaso

Com ira eu extravaso
Este caso de moleque
Colecionador de calçola
Põe a sociedade em xeque
Roubando o varal da vizinha
Para fazer o que quer

E quando eu puder
Vou dá uma de Alfredo
Vou enfrentar o Zé
E desvendar o segredo
Fazer o povo entender
Que pode perder o medo.

Pena que não foi cedo
A prisão do meliante
Que roubava calcinhas
Para ficar elegante
Pois a noite ele usava
Para ficar estonteante.

Com seu desodorante
Escolhia qualquer cor
Vermelha, preta ou azul
Delas até bicolor
Dizia não ter cueca
Vestia elas com amor

Mas tudo como tem fim
Ele foi denunciado
Foi preso pela policia
Foi logo então algemado
Mas esta de vestir calcinhas
É coisa de abaitolado

Quando não afeminado
Flagrado fora então
Foi pego bem direitinho
Com o crime na mão
Com umas 2 mil pecinhas
Bonita é sua coleção

Disse não ter dinheiro
Para comprar cueca
Eitcha bicho nojento
Chegamos até fazer eca
Pois usando ele calcinha
Pensa ter perereca

Querendo ser sapeca
Travestido de mulher
Não quero fazer ofensas
Mas doente ele é
Ou é dodói da cabeça
Ou é doente do pé

Mas oremos com fé
Aniquilemos a doideira
Deste cabra desgraçado
Que fez esta besteira
Roubando as calcinhas
Muito linda e faceira

Mas em plena sexta-feira
Foi parar numa cadeia
Passar muita vergonha
Por esta coisa feia
Mas o sangue de homem
Não corre na sua veia.

Antes fosse roubo de meia
Este caso inusitado
De roubo muito estranho
Coisa de um viciado
Por peças de lindas fêmea
Ele fora denunciado

Também fora acusado
De roubar algum sutiã
Mas a sua preferência
Era usar calcinha da irmã
Sem dizer também
Que precisa de um divã

Nunca faça hã hã
Para não ser acusado
Para não ir pra cadeia
E nem ser algemado
Não cometas equívocos
Para serdes perdoado.

Pois Zé é um doente
Precisa é de tratamento
Por vicio por calcinhas
Que o deixa em tormento
Só fica bem tranqüilo
Aliviando seu tormento

Portanto vai um conselho
Aos que gostam de ação
Se for roubar calcinha
Melhor roubar é calção
Mas se tens vicio nelas
Perdoe-me meu irmão

Admira-la  na razão
É coisa de quem adora
Mas pegar no que é alheio
Você vai preso na hora
Veja e deixe para lá
Aprecie e vá embora

Por isso digo agora
O roubo do Zé acabou
Não cidade não mais o ver
Correu ou se entocou
Vai usar as calcinhas
Pois cueca não comprou

Já eu digo uma coisa
Sem nenhuma distinção
Se eu não tiver cueca
Não usarei calcinha não
Pois se eu fizer isto
Serei tido como baitolão

Mas esta situação
Não é tão pertinente.
O homem usa cueca
A mulher absorvente
Sem dizer que entre os dois
A diferença ta na frente.

Mas o que é inerente
Ao uso da tal calcinha
É que o danado do ladrão
Talvez quis fazer gracinha
Usando a mais bonita
Dando uma reboladinha.

O povo tirou casquinha
O Zé Mutuca sumiu
Na cidade não se encontra
Para outra praça fugiu
Quando se procura por ele
O povo diz que não viu

O roubo a ele atribuiu
Toda a população
Porém lá na cadeia
Recebeu liberação
Partiu de lá às pressas
Sem nenhuma direção

E a grande confusão
Alastrou-se pela cidade
Pois o roubo das calcinhas
Não foi causo, foi verdade
Entregar o Zé sem nome
O cheira calçola sem maldade

Com 50 anos de idade
Ele passou vergonha
Fora desmoralizado
E do povo quase apanha
Mas ainda teve gente
Que andou passando banha

Agora se você sonha
Em fazer tudo direito
Acesse o link abaixo
Aumente o seu respeito
Acredite nesta estória
Contada só do meu jeito.

http://tudonahora.uol.com.br/noticia/policia/2012/04/27/185075/para-uso-proprio-homem-e-preso-apos-furtar-2-mil-calcinhas-dos-varais-de-campo-alegre-em-alagoas
Miguel Nascimento
Enviado por Miguel Nascimento em 27/04/2012
Código do texto: T3637181


Comentários

Sobre o autor
Miguel Nascimento
Rio Largo - Alagoas - Brasil, 51 anos
126 textos (13769 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/05/21 18:17)
Miguel Nascimento