Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

FRAGMENTOS DA HISTÓRIA DE CAMPINA GRANDE

FRAGMENTOS DA HISTÓRIA DE CAMPINA GRANDE -PB             ROBERTO RIBEIRO EM: 13/12/2003


Foi no século dezessete
Que Campina originou-se,
Um povoado pequeno
Que nessa terra criou-se
Entreposto de comércio
Que no planalto formou-se.

Teodósio de Oliveira
Foi seu grande fundador,
Junto com algumas tribos
Que por aqui já passou,
Implantando melhoria
Que o povo aproveitou.

Foi surgindo alguns casebres
Que serviam de moradas,
Utilizando água doce
Do riacho das piabas,
O primeiro arruamento
Dessa terra foi formada.

Vila Nova da Rainha
É um nome importante,
Lugar das primeiras casas
De um passado distante,
E que deve ser lembrado
Pelos nossos habitantes.

Lá no alto da colina
Onde fica a Catedral,
Se construiu mais moradas
De um jeito natural,
Para abrigar os troupeiros
Que passavam no local.

O  pequeno povoado
Logo se tornou-se vila,
Bem lá no século dezoito
Com o progresso de vida,
Dos pioneiros valentes
Da nossa terra querida.

Vila Nova da Rainha
Foi o nome oficial,
Por meio da Carta Régia
Da Corte de Portugal,
Muita gente não gostou
Pois não achava ideal.

O nome Campina Grande
O povo não esqueceu,
Pois achavam muito estranhos
O que Portugal lhe deu,
Pois preferiam Campina
E assim permaneceu,

Bem no século dezenove
À pecuária crescia,
A maior feira de gado
Em Campina existia,
A cultura do algodão
Logo se desenvolvia.

No mesmo século falado
No ano cinqüenta e seis,
Bateu um surto de cólera
Isso em pouco mais de mês,
Atacando o nosso povo
E muita morte o fez.

Cemitério das Boninas
Foi mais um improvisado,
Pra enterrar esta gente
Que tinha se vitimado,
Dessa moléstia maldita
Por ela contaminado.

E pesquisando a História
Aproveitando o momento,
Descobri que não foi pouco
Foi mais de mil e quinhentos,
Vitimados pela a cólera
Quase se foi dez por cento.

Logo seis anos mais tarde
Essa moléstia voltava,
Vitimando outras trezentas
Por ela contaminada,
Pois não tinham higiene
Nem também água tratada.

No dia onze de outubro
No ano sessenta e quatro,
O século foi dezenove
Eu aqui registro o fato,
Minha Campina é cidade
Pertencendo ao o Estado.

Teve dois trechos importantes
Onde o comércio surgiu,
Chamado comércio velho
E o novo que abriu,
Foi uma briga constante
Mas o velho resistiu.

Muito nome teve o largo
Que construíram o mercado,
Largo do Comércio Novo
Foi o primeiro chamado,
Praça da Uruguiana
Esse também foi falado.

Foi Praça da Gameleira
Também da Independência,
Praça Epitácio Pessoa
Que hoje tem preferência,
Sempre foi arborizada
Em toda sua existência.

Revolta dos “Quebra-Quilos”
Esse fato existiu,
Começando em Campina
Um pedacinho do Brasil,
João Vieira liderou
Este grande desafio.

O líder João Carga d`água
Como era conhecido,
Com Alexandre Viveiros
Outro “cabra” parecido,
Provocaram o Império
Deixando o povo oprimido.

Foi o capitão Longuinho
Da milícia imperial,
Prendeu vigário Calixto
Junto com seu pessoal,
Também Manoel Justino
Do Partido Liberal.

Chegando o fim do Império
O progresso acelerou,
Com círculo do algodão
Que Campina conquistou,
Para o mercado europeu
Foi maior exportador.

Com Cristiano Lauritzen
Como o primeiro prefeito,
Cuidando bem desta terra
Com o povo satisfeito,
Trouxe progresso a Campina
E conquistou o respeito.

Com a chegada do trem
Mais progresso aqui brotou,
Trazendo comerciantes
Que aqui acreditou,
Investiram na cidade
E todo povo lucrou.

Essa história bonita
Que contando aqui estou,
É pra lembrar os tropeiros
Junto com o seu valor,
Dizendo que foi com eles
Que Campina começou.

Foi João Maria Ribeiro
O primeiro com ação,
De construir alguns prédios
Para guardar algodão,
E despertou interesse
De outros da região,

Veio Belmiro Ribeiro
Com a mesma intenção,
De progredir nesta terra
No ramo do algodão,
E ajudou a Campina
A mudar sua feição.

As margens do Açude Velho
Foi distrito industrial,
De usinas que cuidava
Do algodão e sisal,
Entre outras teve a SANBRA
Uma empresa colossal.

ANDERSON CLEITON foi outra
Que existiu no passado,
Manipulando essa fibra
Fazendo ração pro gado,
E o óleo comestível
Também era fabricado.

O curtume São José
Construído pelos Motas,
Hoje é parque da criança
Conforme diz a resposta,
Cenários de brincadeiras
Para crianças dispostas.

Coqueiros de Zé Rodrigues
No antigo açude novo,
Tinha a rua das imbiras
Com o seu nome famoso,
Abriga o maior São João
Chamado parque do povo.

Vou encerrar minha história
Não esquecendo esse tema,
Dos grandes desbravadores
Que enfrentaram problemas,
E que hoje são lembrados
TROPEIROS DA BORBOREMA.

Escrito e postado por: Roberto Sales(Roberto Ribeiro)








Roberto Sales
Enviado por Roberto Sales em 08/07/2007
Reeditado em 06/07/2009
Código do texto: T556402


Comentários

Sobre o autor
Roberto Sales
Campina Grande - Paraíba - Brasil, 67 anos
79 textos (46048 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/05/21 04:51)
Roberto Sales