Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UM ALERTA DA MÃE NATUREZA!!!


Homem! Eu sou a natureza!
Que costumas depredar,
Destrói a minha beleza
Polui a água e o ar,
Incendeia minhas matas,
Não zela minhas cascatas
Meus rios, meus litorais,
Eu temo que no futuro
Não ti sentirás seguro,
Terás tempos cruciais.

A ambição ti embriaga
A ganância ti domina,
Tua consciência é vaga
Tua tendência é malina,
Porém a tua imprudência
E a falta de consciência
Só ti encaminham pra o mal
Vives fugindo da norma
E agindo assim dessa forma
Terás um triste final.

Tu vives antecipando
A cada dia o meu fim
Será que não estás lembrando,
De que dependes de mim?
Pois desde a concepção
E durante a gestação
Não ti deixei um segundo!
Na hora determinada
Assisti tua chegada
Do ventre para esse mundo.

O teu primeiro suspiro
Foi com o ar que me pertence
Desde essa hora ti inspiro
Pra que reflita e que pense
Que Deus, nosso criador,
Concedeu-te esse primor
O milagre do viver!
Pra que pudesses servir
A Ele! E assim garantir
Ao seu dispor mais um ser.

Eu em forma de madeira
Transformada num berçinho
Dei abrigo a vez primeira
Ao teu pequeno corpinho,
E quando tua mãe veio
Trazendo dentro do seio
O doce leite materno
Que ti serviu de alimento
Eu estava nesse momento
Dando o apoio fraterno.

Teus pais contaram comigo
Pra ti carregar nos braços
Também estive contigo
Ao dar teus primeiros passos
Vi teu primeiro sorriso
Ofertei-te o paraíso
Pra que seguisses em frente
E tu mal-agradecido!
Em troca tem me agredido
Assim descaradamente?

Deus deu-te o raciocínio,
O saber, a inteligência,
Além do total domínio
Para agir com competência,
Eu adentrei nesse clima
Gerando matéria prima
Para as tuas criações
Encaminhei-te pra o bem
Mas tu homem! Foste além,
Causando decepções.

Até causa-me tristeza
Esses desvarios teus
Pensas que a tua grandeza
É maior que a de Deus?
Pois estás muito enganado!
O fato de Ele ter dado
A noção de perceber
E de raciocinar,
Jamais irás alcançar
Os Seus níveis de poder.

Mesmo que a sabedoria
Seja em ti farta e abundante,
Em prática e em teoria
De Deus estarás distante
Pois Ele criou os ares,
Os lagos, rios e mares,
A terra, o sol, o infinito,
As planícies, as montanhas,
Mostrando nessas façanhas
O seu poder é irrestrito.

E num momento divino
Criou o nosso planeta!
O canídeo e o felino
A formiga, a borboleta,
Carcará e urubu,
Cobra, raposa, teiú,
Gambá e camaleão,
Deus com seu poder profundo
Tudo que existe no mundo
Passou pela Sua mão.

Eu, sendo a mãe Natureza,
Sou a consorte de Deus
Tu contaste com a grandeza
De ser um dos filhos meus
A ti foi dado o direito
Pra concluir qualquer feito,
Que porventura inventar
Para o bem da humanidade,
Mas, não ti dei liberdade,
Pra destruir, depredar.

Teus atos inconsequentes
Irão ti comprometer
Pois, se plantas más sementes,
Maus frutos irás colher
Tu tens o dom da ciência
Dei-te farta inteligência
Para evolução da terra
E tu, oh! Homem malvado,
Com o instinto malfadado
Prefere o crime e a guerra.

Para a tua agricultura
Propiciei fértil solo
E assim obter fartura
Nas entranhas do meu colo
Dei um clima diferente
Pra germinar a semente
E em todas as regiões
Proliferarem sadias,
Tu criaste as transgenias
Para causar mutações.

Entreguei-te a terra pronta
Pra toda e qualquer cultura
Tu, só pra fazer afronta,
Mudastes toda estrutura
Que existia no terreno,
Botas-te adubo, veneno,
Pra me fazer desafio
Esse mau procedimento
Atingiu em cem por cento
As águas limpas do rio.

Tu, humano, és tão cruel,
Com quem só ti faz o bem!
Eu cumpro bem meu papel
Porém o teu, fica aquém,
Mesmo não me sendo grato
Não ti renego, e de fato,
Estarei até o fim
Dos teus dias ti ajudando
Insistindo e relutando
Pra que não sejas ruim.

Mesmo que tu não mereças
Essa minha gentileza
Peço que jamais esqueças
Da tua mãe Natureza
Que sempre foi paciente
E nunca se fez ausente
E pra que sirva de prova
Quando Deus ti arrebatar
Meu solo irá abrigar
Teu corpo inerte na cova.

Carlos Aires
16/04/2018
Carlos Aires
Enviado por Carlos Aires em 16/04/2018
Código do texto: T6310086
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (poema de autoria de Carlos Aires). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Carlos Aires
Carpina - Pernambuco - Brasil, 66 anos
1045 textos (254466 leituras)
329 áudios (46493 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/07/18 17:45)
Carlos Aires