Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cordel (A História do Amor)

Cordel (A História do Amor)
Autoria: Aberio Christe

Vou contar aqui, preste atenção
A história do amor
Aconteceu nos primórdios
Quando Deus, o criador
Fez céu, terra e fez tudo
E viu que era bom, o nosso Senhor.

Ele fez a lua e as estrelas
Também o sol pôs a iluminar
Para que houvesse escurinho
E a luz voltasse a brilhar
Separou a noite do dia
Em uma maestria sem par.
 
Deus tudo criou com esmero
A fauna e a flora ele fez
As montanhas e as colinas
Tudo de uma só vez
Cada qual em seu lugar
Com perfeição e sensatez.

As águas ele separou
Pôs a salgada no mar
E a doce no rio
Cada peixe em seu lugar
Além de outros bichos
Nessas águas a nadar.

Mas depois de tudo bonito
Ainda havia algo por fazer
Homem e mulher ele criou
Para com ele mesmo parecer
E viu que tudo era muito bom
Nada do que fez iria desfazer.

E agora alguém poderia perguntar
Porque criou todo o universo
O Deus poderoso e eterno?
Respondo ainda neste verso
Por amor, somente por amor
O mesmo amor tão controverso.

E se alguém ainda insistir
Em fazer questionamento
Sobre como pode ser isto
Um contraditório sentimento
Dar origem a todas as coisas?
Esclareço o seu pensamento.

Diz o evangelista João
Que o amor é o próprio Deus
O artesão e a obra prima
Que dá forma a todos os seus
É a essência, a existência
E até a morte, como diz São Mateus.

Mas por que o ser humano
Rejeita o amor e mesmo a vida
Renega sua própria razão
E como uma lâmpada escondida
Perde a decência, a moral
E o sentido de existir ele olvida?

Porém, para esta questão
Não tenho resposta pronta
O que posso lhe transmitir
É o que São João nos conta
Dotado de liberdade para escolher
O Homem livre a Deus afronta.

Em vez da luz escolhe as trevas
Em vez do amor escolhe o ódio
Em vez do bem escolhe o mal
Em vez da cruz escolhe o pódio
Em vez da vida escolhe a morte
E assim se inicia mais um episódio.

O verbo amar se faz carne
E vem habitar entre a gente
Pregando, ensinando e curando
A humanidade doente
Fazendo os cegos enxergar
E perdoando o penitente.

Mas a história tem seu reverso
O ódio ferido se inflama
E contra o amor encarnado
Um plano maléfico trama
Forjar uma condenação
Do amor, destruir sua fama.

E ele recebe a pena capital
Torturado e pregado na cruz
Humilhado e desprezado
Morre o amor chamado Jesus
O mal parece derrotar o bem
O breu consegue apagar a luz.

Mas o amor não pode morrer
Ele pertence à eternidade
E mesmo que pareça destruído
Eis aqui uma ambiguidade
Pois aquele que mais padece
Mais revela fecundidade

E o Amor ressuscitou
Ressurgiu mais forte ainda
Como uma flor em jardim
Perfumada e muito linda
Frágil e muito humilde
Numa missão que nunca finda.

O próprio amor nos revelou
O próprio Deus disse certo dia
Eu estarei com as pessoas boas
Tirando a tristeza e dando alegria
Em todo tempo e momento
Até a eternidade que principia.

Aberio Christe




Aberio Christe
Enviado por Aberio Christe em 14/05/2018
Reeditado em 16/05/2018
Código do texto: T6336197
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Aberio Christe
São Paulo - São Paulo - Brasil
39 textos (1032 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/09/18 20:34)