Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MEU SANGUE SERTANEJO

Sou cabocla sertaneja
Aprecio muito natureza
Gosto muito de namorar
De ver a lua e sua beleza
Gosto muito de cavalgar
E na roça conto proezas
 
Agora eu vou desafiar
Quem mora na cidade
Prender vaca no curral
Tirar leite com facilidade
Quero ver fazer doces
E dançar com felicidade
 
 No baile quero cantar
As modas já decorei
Pular até uma fogueira
Os meus pés já treinei
Da estrada como o pó
Sou cabocla já declarei
 
Até roças ajudei plantar
E muita cobra já matei
Não tenho medo de nada
Até a onça já enfrentei
Ando armada de coragem
Sou cabocla já confessei
 
Tive que vir para cidade
Mas sou da roça afilhada
Ando no sol o dia inteiro
Pois já estou acostumada
E lá há tanta trabalheira
Que até hoje sou calejada

Mas foi amor que aprendi
Com a flor da simplicidade
Amar e cuidar da natureza
Entrar e sair com humildade
Plantar flor no jardim da alma

E cultivar sempre a verdade

(Norma Ap Silveira Moraes)
Sou cabocla de Minas Gerais
________________
Bela interação do amigo poeta Miguel Jacó
Recanto das Letras23:12 (Há 18 horas)

para mim

18/05/18 23:12 - Miguel Jacó

Eu nasci lá na caatinga/
me mudei para o sudeste/
mas reconheço na testa/
quando a pessoa é do ramo/
e contigo não me engano/
tens destreza é experta.//

Boa noite Norma, parabéns pela vossa renomada cadeia de cordel.
Um abraço, MJ.


MINAS JULHO DE 2016
CPP DEZ 17

Nasci na zona da mata
Lá das Minas Gerais
Primeira filha, também neta
Nova criança na família
Parecia que tudo ia dar certo
Se não fosse meus pais brigarem
 
Então a cada ano foi nascendo
Mais um irmãozinho vindo
Como filha mais velha
Tinha que pajear os menores
E meus pais iam lutando
Para dar a todos o de comer
 
Antigamente, os recursos
Ter um emprego era difícil
E meu pai tirava da terra
Todo sagrado alimento
 
E já levava os filhos
Para ajudar na lida
Arar, plantar ou colher
Estávamos todos unidos
Naquele pedaço de chão
Ia passando minha infância
 
Era um tempo de pureza
Apesar de tanta dureza
Éramos crianças inocentes
Sem medo de violência
Vivendo na simplicidade
Bem longe da cidade
 
O tempo foi assim passando
E fui crescendo também
Logo fui então para cidade
Começar nova vida, estudar
E depois já casada, tudo mudou
Pois fui criar os filhos que tive
E cada irmão seguiu a sua história
 
___________________________

(100 mais lidos da semana)
 
 
 
 
Norma Aparecida Silveira Moraes
Enviado por Norma Aparecida Silveira Moraes em 16/05/2018
Reeditado em 21/05/2018
Código do texto: T6338344
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Norma Aparecida Silveira Moraes
Suzano - São Paulo - Brasil, 59 anos
7509 textos (152955 leituras)
3 áudios (374 audições)
222 e-livros (10113 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/09/18 18:17)
Norma Aparecida Silveira Moraes

Site do Escritor