Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PABULAGENS DE POETAS

Peleja virtual: Poeta Cassiano (PC) x Ismael Gaião (IG)

PC - Eu tô virado num bode,
Num coice de bacurim.
Não admito chafurdo,
Munganga ou coisa assim.
Hoje eu tô me coçando
E os dentes todos trincando
Pra dar em cantador ruim.

IG - Você pode vir assim,
Com atitude macabra,
Mas enfrenta um cantador
Criado ao leite de cabra,
Que não teme seu feitiço
E vai dar no seu toitiço
Sem medo de abracadabra.

PC - Eu tô virado no cabra
Que sapecou fogo em Roma.
Estou dando o resultado
Antes de fazer a soma.
E de bulir eu não deixo,
Se eu der um soco no queixo
O cantador entra em coma.

IG - Eu lhe faço um hematoma
Quando lhe virar de borco.
Lhe dou farelo e lavagem,
Que é comida de porco.
Canto pra lhe derrubar
E obrigo você rimar
Com essa rima de "orco".

PC - Tô que nem bosta de porco,
Como o fedor de gambá.
Mordo até uma formiga,
Rasgo igual um carcará.
Tô igual a dor de íngua,
Puxo a formiga com a língua,
Como faz tamanduá.

IG - Canto igual a sabiá
E o seu canto é de perua.
A cantiga é uma só
Não avança nem recua.
De cantador amostrado
Já derrubei um bocado,
Mas agora a vez é sua.

PC - Tô atirando na lua,
Jogo pedra em procissão.
Tô virado num preá,
Pego corisco com a mão.
Se eu pegar um cantador,
Pode ser bom como for,
Eu derrubo ele no chão.

IG - Essa sua exibição
Há muito tempo eu conheço,
Mas seu repente valente
É coisa que eu desconheço.
Em cantador fraco assim
Vou batendo pelo fim
Até chegar no começo.

PC - No dia que eu amanheço
Com a virilha virada,
Deixo o mel e como a abelha
Saio dando ferroada.
Não respeito nem o trem.
Se cantador vier cem,
Serão cem covas "cavada".

IG - Gosto da sua zoada
De cantador arrojado,
Mas para cantar comigo
Tem que ser mais inspirado.
Pois sou carrasco sem pena.
Comigo você empena,
Quebra e perde o rebolado.

PC - Quando eu estou inspirado
Canto igual um passarinho.
Salto pra lá e pra cá
Sem desviar do caminho.
Sem ter pressa de chegar,
Se faltar com quem brigar,
Eu vou brigando sozinho.

IG - Sou predador no seu ninho.
Pego os ovos e arrebento,
Jogo fora seus filhotes,
E seu sossego atormento.
Se quiser cantar comigo
Faça orações, peça abrigo
Para aumentar seu talento.

PC - Sou bruto igual um jumento
Pra poeta ruim e fraco.
Cavo um buraco com as mãos,
Boto o poeta num saco.
Mato ele no repente,
Dou de tapa, murro e dente,
E jogo ele no buraco.

IG - No repente eu me destaco
Porque canto sem ter medo.
Meu verso de improviso
Sempre cai como um torpedo.
E um cantador sem bagagem
Fica enxergando miragem,
Babando e chupando o dedo.

PC - Eu não fujo do enredo
Quando pego na viola.
Faço o verso no improviso,
Puxo a rima da cachola,
Sem fazer um pé quebrado.
E deixo o poeta ao lado
Preso na própria gaiola.

IG - Meu canto serve de escola
Pra cantador enrolado
Que quando canta comigo
Gagueja e fica engasgado.
Se remexe na cadeira
Como quem anda na feira
Com o sapato apertado.

PC - Eu nunca comprei fiado
Pra não ouvir desaforo.
Se alguém pisar no meu calo
Acaba entrando no couro.
E "cantadorzim" gabola,
Que me enfrenta na viola,
Pede arrego e sai no choro.

IG - Sou bactéria no soro
Pra currar seu aperreio.
Vim pra lhe deixar perdido
Como cego em tiroteio.
Se cantar muita besteira,
Puxo a sua focinheira,
Seguro você no freio.

PC - Eu vou lhe furar no meio
Co'uma flechada de verso.
Atravessar o seu peito,
Que pra isso eu sou perverso,
Destruir a sua meta
Pra esquecer que foi poeta
E sumir do universo.

IG - Eu lhe deixo submerso,
Se enforcando no meu laço.
Cada verso que improviso
Lhe deixa num embaraço.
Você pode repetir,
Passar noites sem dormir
Mas não fará o que faço.

PC - Eu fico no seu encalço
Para você não fugir,
Dou-lhe um murro na cabeça
Para ver você cair,
Porém cair eu não deixo,
Dou outro embaixo do queixo
Pra fazer você subir.

IG - Se você não desistir
Vai me servir de cobaia,
Pois a plateia com pena
Vai pedir que você saia.
Se demorar na saída
A sua triste partida
Será debaixo de vaia.

PC - Para que a plateia caia
No aplauso com emoção,
Parabenizo e agradeço
Ao meu parceiro e irmão,
Pois não ganhei nem perdi,
Mas com certeza aprendi
Muito com Ismael Gaião.

IG - Aprendi nesse baião
Mais do que cantando um ano,
Pois esse grande poeta
Tem um coração humano.
Na peleja virtual
Passei pra amigo real
Do Poeta Cassiano

Barbalha - CE / Recife - PE
Ismael Gaião e Poeta Cassiano
Enviado por Ismael Gaião em 07/01/2019
Reeditado em 13/01/2019
Código do texto: T6545456
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ismael Gaião
Recife - Pernambuco - Brasil, 58 anos
242 textos (101939 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/05/19 09:58)
Ismael Gaião