Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Bajulação - O Corvo e a Raposa

Quero aqui aproveitar o ensejo
Para lhe contar outro caso,
É do Corvo que um queijo
Conseguiu por um acaso
E não sei como foi, mas sim
Alimento gostoso, nada ruim,
Calma, daremos mais um passo.

A ave estava bem radiante,
Pois uma refeição logo teria,
Levantando voo, foi adiante
Porque comer sozinho queria
Seu leite pasteurizado
Que lhe faria um felizardo
Pelo menos naquele dia.

Com o alimento no bico
Procurou um lugar seguro
Para comer sem pagar mico
E ter boa digestão no futuro,
Por isso precisava olhar bem,
Achar um lugar sem ninguém,
- Hum! Veio a calhar esse muro.

Mas a dona raposa esperta
Viu o pássaro e lhe invejou:
“Esse será meu na certa,
Pois com um desejo estou
De degustar um queijo mineiro
E engoli-lo todo inteiro,
Portanto enganar o corvo eu vou”.

A raposa não podia pular
O muro que era bem alto,
Outro jeito deveria arrumar
Para pegar o queijo de assalto,
E teria que ser sem demora,
Pois já passava rápido a hora
E os ponteiros davam salto.

Sem muito tempo, a bichana
Preparou-se para sua atuação,
Colocou uma máscara de bacana
E começou a fazer a bajulação,
Disse: “Que pássaro mais lindo
Seu belo físico estou curtindo,
Ah, se pudesse ouvir sua canção!”

A raposa seguiu em sua arte
De enganar por egoísmo:
“O figurino de certo faz parte,”
Disse disfarçando o farisaísmo,
“De uma nobreza incomparável
Num terno de alinho impecável
Expondo todo seu gigantismo”.

“Como gostaria de me deliciar
Com uma música desse cantor,
Pois quando se põe a entoar,
Com sua bela voz de tenor,
Uma maravilhosa melodia
Nos corações então irradia,
Fazendo brotar neles o amor”.

“Dizem que canta muito melhor
Que o pássaro mais famoso
Entre os cantores o maior,
O Rouxinol o mais formoso,
Com sua voz esplendorosa,
Usando a nota mais rigorosa
Fazendo um som delicioso”.

A raposa prosseguiu então:
“Mas deve ser mentira que ouvi,
Esse belo pássaro preto não
Deve ser tão bom assim,
Mas se cantasse eu saberia
Que bem entende de cantoria
E tiraria essa duvida de mim”.

O corvo, ansiando por ser querido,
Grasnou com entusiasmo
Ferindo qualquer ouvido
E deixando cair, o bicho asno,
O queijo, que trazia na boca,
Bem em cima da raposa louca
Que o recebeu como num orgasmo.
 
Com sua prenda em mão
A raposa dele ainda caçoou:
“Aprenda a não ouvir adulação
E agradeça-me porque eu sou
A professora que lhe ensina
A aceitar sua própria sina
De ser pássaro que nunca cantou”.

“Hoje sua vaidade lhe custou
Um delicioso queijo curado,
Pois alma generosa eu sou
E a sua vida tenho deixado,
Daqui a pouco o preço aumenta
Se seu amor próprio não sustenta
E se engana quando elogiado”.

Feliz é quem não se deixa não
Influenciar-se de alguma maneira,
Seja por crítica ou gabação,
Pois deixar-se levar é asneira,
Já que a palavra nem sempre
Traduz de forma coerente
A realidade bem verdadeira.

Aberio Christe
Adaptação da Fábula de Esopo
 
Aberio Christe
Enviado por Aberio Christe em 20/09/2019
Código do texto: T6749433
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Aberio Christe
São Paulo - São Paulo - Brasil
94 textos (5212 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/01/20 17:51)
Aberio Christe