Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cunsêios pru cumpadi Pedrin - Participação da poetisa querida Claraluna

Cumpadi tô nalizandu
As coiza tristi que li
O negóçu procê ta feio
Eu num queru li menti
Oçê fala qui a operação
Li tiraru u’a porção
I qui u trem num qué subi?...

Num xóru pruquê num sei xorá
Cinão xorava cuntigu
Mais aqui ti dô meu colo
Procê sentá meu amigu
Amigo é préças ora
Podi vim nun demora
Meu colo é teu abrigu.

Minha mãe nunca negou
Um colo prum sofredô
Dela içu eu aprendí
Pur içu li prestu êçi favô
É néças ora qui ci priciza
Di axá u’a mão amiga
Di um bom amigu servidô.

A sua muié qué aumento?
Içu proçê é um calvário
Mas!... o aumentu é do pingulin
Ou é aumento de salário?...
A muié é tua impregada?
Qui aumento é meu camarada
Ispriqui prêci otário!...

Qui num intendi das lei
Trabalista da nação
Cumpadi!... cum êci pingulin
Cê tem di mora nu japão!...
Ci u trem ficô piquitintin
Tua muié tem razão sim
É mais mió us dedo das mão!...

Qui devi di cê bem mais maió
Pelu qui tu anda dizendu!...
Cumpadi u’as oração
Pra vancê estô fazendu
U restu tu pensô em corta?...
Ai era qui u trem ia daná
Inté di dó di tu tô tendu!...

A Mira inté tevi aqui
I notei ela priucupação
Vêi min pidí ajuda
Pra resorvê éça questão
Mai oia só u seu istadu
U qui cortô ta cortadu
Imendá é grandi ilusão!...

Mandei ela pidi ajuda
Para a Milla i digêru!...
Pois ela é grandi amiga
Dum Pai de Santu di terrêru
É ele qui nêçi momentu
Ta tiranu du ribaxamentu
U timinzin  curintinguêru.

Tonci cumpadi Pedrin
Ela podi mutio ti ajudá
Nun ti contu pois um dia
Ela tentô min macumbá
Ela tanu sem namoradu
Ficô querenu di ôtru istadu
Um baianu cunquistá.

I oia aqui eu fiquei
Gamadu pela polista
Só qui eu tinha u’a mãe di santu
Qui eu nunca pirdí di vista
I us dois macumbêru brigaru
Só sei qui nóis dois ficaru
Sem amá néça conquista.

Amá ela eu quiria
Pois axava ela bacana
Só cabei pruquê discubrí
Qui ela era curintiana
I cum genti da gavião da fié
Eu nun gostu di tomá mé
Inda mais feito de cana!...

Mai vamu au quintereça
Sobre a sua capação
Descurpe queria dizê
Sobre a sua preocupação
De tê feito esta arte
De tira muitia parte
Néça grande operação.

U negóçu meu cumpadi
Tu nun devia era tê feitio
Mais ci já fez ta fazidu
Sobri içu num tem mai jeitio
Agora é oçê ci costumá
I condu prua muié oçê oiá
Tu alembrá dêçi difeitio.

Oiá cum us zóio e cumê cun a testa
Dagora indianti tu vai fazê
Pença nas boa cumida
Qui tu num podi cumê
I condu cumê um caturrão
Cê vai lembrá daqueli tempão
Qui tudo ôçe quiria tê.

(Claraluna)
Nosso Boto Trovadô
Praticô grande burrada,
Quano a fimose cortô
A cobra foi mutilada.

Agora ele chora e ronca
Cum a besterada que fez
Inda mais levano bronca
Da muierada fregueiz.

Num dianta ele chorá
esperneá, pra qui serve?
Era mió só pensá
Num fazê o que num deve.

Eu aconseio o sinhô
O colo num oferecê,
É palavra di dotô
O Boto pode morrê.

Tem arguns qui si acustuma
Do colo num que saí
É increnca que se arruma
Na casa da Juriti.

É mió nosso cumpadi
Entrá logo prum convento
Cuma a história do castrado
Que só falava de aumento.

(Claraluna)
Nosso Boto Trovadô
Praticô grande burrada,
Quano a fimose cortô
A cobra foi mutilada.

Agora ele chora e ronca
Cum a besterada que fez
Inda mais levano bronca
Da muierada fregueiz.

Num dianta ele chorá
esperneá, pra qui serve?
Era mió só pensá
Num fazê o que num deve.

Eu aconseio o sinhô
O colo num oferecê,
É palavra di dotô
O Boto pode morrê.

Tem arguns qui si acustuma
Do colo num que saí
É increnca que se arruma
Na casa da Juriti.

É mió nosso cumpadi
Entrá logo prum convento
Cuma a história do castrado
Que só falava de aumento.

Airam Ribeiro
Enviado por Airam Ribeiro em 16/11/2007
Reeditado em 17/11/2007
Código do texto: T739702
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Airam Ribeiro
Itanhém - Bahia - Brasil, 69 anos
572 textos (39899 leituras)
21 áudios (2316 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/17 02:10)
Airam Ribeiro