Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Lagartixa

Hoje eu to me sentindo completa, aliei meu discurso à prática.

Não é possível que uma mulher, madura e todo o blá blá blá que já falei continuasse com medo de uma simples lagartixa, simples não, vamos lá, até que essa era bem nutrida, as outras eram pequeninas, mas nunca vi um jacaré de parede tão grande dentro de um apartamento e no sexto andar ainda por cima, como ela chegou aqui vai continuar sendo um mistério que ela carregou pro túmulo.

Hoje eu enfrentei meu monstro interior e matei minha primeira lagartixa, quem me conhece sabe que esse era o único bicho que me causava pânico.

Claro que foi uma operação de guerra, eu entrei e vi algo correndo pela parede, não entendi direito o que era, mas gelei, no fundo eu já sabia, era ela, minha maior inimiga.

Minhas gatas correram em minha defesa, mas lembrei o que o veterinário disse, podia ter sido uma lagartixa que fez mal a minha gata, que ainda esta convalescendo e me fez gastar os tubos de dinheiro com ela, eu fiquei com muito mais raiva daquele bicho asqueroso que invadiu minha propriedade sem pedir licença.

Tranquei minhas gatas no quarto, para me certificar que esse monstro não faria nenhum mau a elas, voltei para sala, ela sumiu, podia ter acontecido tudo, menos isso, ela se escondeu.

Sem saber a sua exata localização, corri para área, peguei uma vassoura, morrendo de medo dela ter ido para lá antes de mim, só para me sacanear e minar meus recursos contra ela, mas deu certo, ela é burra, correu pro lado contrario às minhas armas de defesa.

Comecei a fuçar em todos os cantos onde ela poderia estar, ela saiu debaixo do sofá, bem na minha frente, deu aqueles pulinhos repugnantes e consegui encurralar ela no canto da parede.

Até ai tava fácil, era eu e ela, frente a frente, olhos nos olhos, ela esperando eu agir, congelada, não se mexia, e eu congelada, mas pedindo a Deus que ela não corresse na minha direção.

Quando ameacei dar a primeira vassourada, ela pulou na minha direção e correu para trás da cortina, 1x0 pra ela.

Com muito medo, mas muito mais do que quando eu a encurralei da primeira vez, eu consegui encurralar ela de novo, a derrubei no chão e dei-lhe uma vassourada.

1x1, tava me sentindo vingada, mas quando levantei a vassoura ela saiu correndo de novo, ela não morreu!!!! ainda por cima estava sem o rabo e aahhhhh o rabo ainda estava se mexendo, que nojo.... aaahhhh.

Ta legal, 2x1 pra ela, nessa hora tenho que confessar, eu corri junto, ela para um lado e eu para o outro, ela ficou ali, no cantinho me olhando.
 
E eu? Bem, eu estava entrincheirada no corredor, olhando para ela, a vassoura tinha caído no meio da sala, eu estava desarmada.

Muito devagar, para ela não se assustar e sair correndo de novo, fui até a vassoura, peguei a vassoura, virei a vassoura ao contrario, compreendi naquele momento que a piaçava estava era fazendo carinho nela, mas que o cabo da vassoura ia ser mais eficiente e fiz igual minhas gatas fariam, fui em câmera lenta até o canto da sala onde estava esse monstro e dei meu golpe certeiro.

2x2, ela se virou de barriga pra cima e estava se estrebuchando toda, reuni toas as minhas forças e dei o golpe final, 3x2 pra mim e fim dela definitivamente.

Me senti uma medalhista do PAN subindo no pódio, recebendo a medalha de ouro, como eu me senti bem varrendo aquele fantasma da minha vida direto pra lata do lixo e dali para lixeira do prédio, lógico, eu precisava saber que mesmo morta, ela estaria bem longe de mim, vai que ela ressuscita? ai eu não sei se teria mais forças pra lutar, a batalha tinha sido exaustiva e levou mais de uma hora essa guerra.

Agora podem vir dez que eu mato, nunca mais vou correr de uma lagartixa na vida, sou mais eu agora.

Michele Barbosa

Michele Barbosa
Enviado por Michele Barbosa em 08/06/2009
Código do texto: T1638661
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Michele Barbosa
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 42 anos
79 textos (16083 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/09/20 14:38)
Michele Barbosa