Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

OS PONTEIROS DA BALANÇA

 

                                       OS PONTEIROS DA BALANÇA
                                               Maria Teoro Ângelo

          Uma das maiores preocupações na vida das pessoas é, sem dúvida, o excesso de peso. Quando a semana começa,  isso vira questão de honra, de vida ou morte, de caráter. São pecadores falando mal de si mesmos, renegando o leitão que comeram no sábado e domingo, o churrasco das festas de comemoração, as cervejas que beberam, os doces com que encheram a pança e prometendo que de agora em diante serão mais racionais e se tornarão esbeltos e elegantes.
         São decisões sábias e nada tem mais força e determinação do que as primeiras horas de um regime. Os ponteiros da balança são muito mais importantes que os do relógio ou de qualquer outro índice de medida. A fita métrica é analisada a cada milímetro e os menores números são as maiores provas de que, afinal, a vitória está chegando.
          O entusiasmo inicial pode encontrar barreiras intransponíveis como um pudim de leite, uma taça de creme de chocolate com morangos, uma bebida gelada e tudo aquilo que tem mais gordura, caloria e açúcar  do que a cartilha do bom senso indica e a bíblia dos gordinhos condena como o maior pecado: a gula.
         Para aprender comer certo é preciso entrar na escola, aprender a lição e colocar em prática. O maior problema está na quantidade de porcarias que ingerimos. Já que não há meio pecado, a gente peca por inteiro e depois promete que amanhã tudo será diferente. Mas quem aguenta tirar da vida, para sempre, as coisas que dão um prazer enorme?
      A solução é comer um pedacinho de vez em quando, devagar, devagarinho para durar por mais tempo a sensação. Todo mundo sabe o que deve comer. Frutas, legumes, verduras, pouca carne, muitas fibras, que peixe é bom, que os alimentos integrais são os melhores.
     Que devemos comer sem pressa, mastigar direitinho cada bocado e fazer algum tipo de exercício físico diariamente pelo menos durante meia hora. E tudo o que é falado incansavelmente nas revistas, na televisão, nas conversas e dentro dos consultórios médicos.
     Para que a força inicial se mantenha é preciso equilíbrio emocional, que inclui a felicidade, a paz interior, o bem-estar. Para conseguir podemos procurar dentro de nós, na ajuda ao próximo, na religião ou na humildade em aceitar a vida como ela é. Ter ainda um amigo fiel e um médico de confiança.
    Meu avô foi um homem sábio. Viveu quase cem anos com saúde e excelente aparência. Caminhava quilômetros todos os dias e desde muito cedo foi eliminando por conta própria certos alimentos. Não comia manteiga, não tomava refrigerante nem bebida alcoólica, não fumava, tinha um gênio alegre e calmo e uma religião que o fazia agradecer cada dia como uma chance de aprendizado.
     Depois das seis horas da tarde não comia mais nada e seu jantar era uma sopa leve tomada ainda com o sol alto nos dias de verão. Ele encontrou o tripé tão procurado hoje, tão glamurizado pela imprensa, tão aceito pela ciência: comida saudável, exercícios e fé.
   Enquanto isso, temos de enfrentar, pelo menos uma vez por semana, a aferição do nosso peso. Antes do confronto é melhor pensar com a alma leve. Qualquer regressão no número significa que somos muito mais poderosos do que uns míseros ponteiros de balança.
         
Lillyangel
Enviado por Lillyangel em 04/07/2010
Reeditado em 23/08/2012
Código do texto: T2358046
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre a autora
Lillyangel
Ituverava - São Paulo - Brasil
84 textos (10788 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/05/21 00:04)
Lillyangel