DOMINGO, SAUDADE E ESPERANÇA

Silenciosamente segue o dia, tão silencioso que se consegue ouvir a voz do silêncio, se em alguns momentos não passassem alguns pássaros demonstrando que há vida no planeta poderia imaginar que só eu sobrevivi.

Um domingo que se não fosse pelo que decretou o calendário ser o dia dos pais não teria nada de diferente dos demais. Creio que pais e filhos foram almoçar fora depois dar uma volta no Parque da cidade ou lá no PONTÃO e a alegria das comemorações ficaram por conta deles enquanto que os meus também foram  se diviertir com o pai deles e eu aqui permaneci curtindo a saudade do meu que faz alguns anos Deus o chamou.

Como eu, existem tantos que de certa forma estão ao lado dos pais em datas assim, como no dia das mães, das crianças, no Natal e assim por diante, mas de uma maneira mais silenciosa, sem algazarra, sem almoço de comemoração apenas relembrando de quando os tinha ao seu lado especialmente na infância. Hoje, mesmo que muitos tenham seus pais neste plano, às vezes nem estão fisicamente próximos, uns até em países diferentes, falando-se apenas por e-mail ou telefone, mas felizes por comunicarem-se, outros, apenas recordações de tempos vividos e alguns até os tem abandonados em abrigos pelo simples fato de terem envelhecido ou estarem  doentes, quando mais necessitam de apio, de carinho. Mesmo assim recordam de momentos muito significativos que viveram juntos; são muitas as formas, de recordações e saudade; ainda existem aqueles que por ironia do destino, não se sabe, até perdem para Deus, o seu pai num domingo assim e isso é o que certamente dói mais, mas como temos no tempo um aliado este nos vai amenizando a dor da ausência transformando num misto de saudade e esperança, saudade porque sabemos que fisicamente não os veremos mais neste plano e esperança, porque se acreditarmos numa outra vida além desta, lá havemos de nos reencontrar e isso é que nos serve de consolo e ainda há mais, caso acreditemos, podemos recebê-los no seio da família se lhes for permitido retornar, tudo vai da fé e da crença de cada um.

Mas eu estou apenas tentando quebrar o silêncio com o toque dos dedos no teclado e vez por outra escutando o canto de algum pássaro que voa pertinho da janela para dizer que lá fora existe vida e que eu não estou totalmente só.

O dia começa a perder-se na tarde e o sol caminha de volta ao horizonte onde irá dormir e mais tarde quando já se faça noite, as famílias estarão voltando para a rotina do dia a dia após a noite deste domingo porque amanhã tudo recomeça com o amanhecer de um novo dia na vida de cada um de nós, pais e filhos porque amanhã é segunda feira.


Brasília, 08/08/2010