Sangue A

Cremilço, apesar do pequeno (?) defeito de beber demais, era um rapaz de boa índole. Posso-lhes garantir um filantropo.

Há alguns anos, Dona Jurema, sogra de Joãozinho, precisou fazer uma cirurgia de urgência e necessitava de três doadores de sangue. Conseguira dois na família, mas como seu grupo sangüíneo era A e o fator Rh era negativo, ainda faltava um doador.

Solidários, os amigos de Joãozinho decidiram realizar os testes para indicar qual deles possuía o mesmo tipo de sangue.

No dia seguinte, estavam na clínica. Eram quatro cavaleiros para salvar o apocalipse: Joãozinho foi o primeiro e nada... Ricardo, o próximo, também não... André, o terceiro... não era compatível. Até que chegou a vez de Cremilço. Altivo e seguro de si, ele adentrou o laboratório dizendo que seu sangue era B Rh+, e não poderia ajudar, embora quisesse muito fazê-lo. Ainda assim, a enfermeira insistiu em fazer o Hemograma.

Esperaram o resultado, saboreando um excelente suco de laranja.

- Sr. Cremilço, seu sangue é A Rh-, o mesmo de Dona Jurema...

- Não pode ser, o meu sangue é B Rh+...

A confusão estava formada: de um lado os médicos – aquela altura apareceram muitos – de outro, Bebum com sua teimosia pueril.

- Façamos, pois, outro exame! – exclamou um médico português.

Bebum concordou e outro teste foi realizado.

Após alguns minutos, veio a confirmação:

- A Rh-!

- Tá errado! Quando eu era criança, fiz o teste por causa de uns problemas no fígado...

A discussão se estendia, até que, alertado pelos três amigos, o médico português entra na sala e pergunta:

- Ó Sr. Cremilço, o senhor bebe?

- É... umas e outras...

- Está explicada, pois, a mudança.

Bebum ficou sem entender o que queria dizer o lusitano que arremata:

- Quando tu eras criança e não bebias, tinhas o sangue Bótimo, agora que bebes virou A-lcool puro.

- Tá me gozando!?

E saíram “pois” rindo, curtindo a irritação de Bebum com a piadinha do médico lusitano.