Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Uma Velha Besta ou Falta de Auto-Crítica. = Do cotidiano=

Na fila da lotérica, um tanto quanto grande, encontrei um amigo mais ou menos de minha idade, sessenta e alguma coisa, e brincamos sobre a fila preferencial, aquela que dá moleza aos velhos. Sem ser convidada a entrar na conversa, uma senhora se virou para mim e falou alto: “Essa mordomia para a terceira idade é uma safadeza das grandes. Eu saio de casa às cinco e meia da manhã e não posso me sentar porque os ônibus estão cheios de velharias. Fico indignada com isso.” Primeiro eu ri da grosseria da mulher, depois resolvi partir para a gozação: “E ninguém dá lugar pra senhora? Que absurdo! Tão velhinha...”. Claro que ela ficou pê da vida e retrucou no ato: “Eu não estou na terceira idade. Ainda faltam seis anos pra isso, graças a Deus.”- Continuei provocando-a: “Mudaram a terceira idade pra oitenta e cinco anos? Poxa vida! Estou desatualizado mesmo...”. A coroa subiu nas tamancas, como se dizia no tempo dela: “Velho tem mais é que ficar em casa assistindo televisão e esperando a morte. Não ficar por aí enchendo o saco dos outros, lotando os ônibus, aumentando as filas e tudo mais...”.
Depois dessa frase perdi as estribeiras e resolvi partir para o ataque mais direto e ser grosseiro ao nível dela: “Ô madame, deixe de conversa fiada e de grosserias. Ou você pensa que basta pintar o cabelo de preto que vira mocinha? Está aí toda cheia de pelancas, de rugas, quase careca, e se julgando muito menina. Esse termo “velharia” é coisa de quem não tem mesmo a mínima educação. Vá te catar. Agora já encheu o saco com essa voz de velha caquética. Cale a boca!!”. Enquanto a mandava calar a boca eu crescia pra cima dela e tive vontade de rir quando ela perguntou em um fio de voz:”Quem o senhor pensa que é pra me mandar calar a boca?” Aproximei-me ainda mais da cara dela e repeti baixinho: “Cale a boca de uma vez por todas!!”. Ela se calou de uma vez por todas e segundos depois, quando estava sendo atendida, vi que as mãos dela tremiam descontroladamente.
 Atendida, ela se virou e me encarou com ar de desafio, mas logo se apressou em ir embora quando ouviu de mim um rosnado que aprendi com minhas cadelas. Deixou atrás de si uma turma rindo, descontraída e gozadoramente. Velha besta, sô...
Fernando Brandi
Enviado por Fernando Brandi em 11/03/2011
Código do texto: T2841196

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Fernando Brandi
São Paulo - São Paulo - Brasil, 74 anos
1392 textos (241965 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/05/21 03:08)
Fernando Brandi