Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O TRAPÉZIO DE ÓRION

Na brevidade de um minuto, sentiu que havia envelhecido uns cinquenta anos. Era como se seu sangue doce e jovem repentinamente tivesse adquirido a tonalidade turva do rio cujas águas cristalinas vão se misturando às terras adormecidas de um leito assoreado.

O vento frio que soprava na copa das árvores recobrou-lhe os sentidos. Sentiu o corpo estremecer e lembrou-se que de fato já haviam se passado mais de cinquenta anos. As têmporas acinzentadas que diariamente fitava no espelho do banheiro não o deixavam mentir.

Com as mãos cerradas, esfregou os olhos e voltou o rosto para o céu. Sentia-se reconfortado ao reencontrá-las ao longo dos anos, sempre no mesmo local: Mintaka, Alnilan e Alnitaka, as três Marias, que reunidas formavam o cinturão da constelação de Órion.

A mania de contemplar o céu nas noites límpidas herdara do pai, astrônomo amador, poeta errante e esquizofrênico. Jamais decorara o nome ou a posição das demais constelações, para desgosto paterno. Contudo, por algum inexplicável motivo, ficou gravado em sua memória aquela que representava a figura do herói cujo amor pela deusa Artemis jamais se realizou plenamente, por obra dos ciúmes do irmão desta, o deus Apolo.

Na superfície da lágrima que inesperadamente escorreu pelo olho esquerdo, boiaram as lembranças do dia em que viu o pai sendo arrastado casa afora, enquanto a mãe, aos prantos, tentava explicar ao garoto que o pai estava doente e precisava de tratamento. Ainda na infância, o cachorro que ganhou de presente do tio e que foi batizado com o nome da sua constelação guardiã, e que por quase quinze anos foi seu melhor amigo.

E de quando já homem feito, ouviu e fez falsas promessas de amor, como certa vez que caminhavam pelas areias da praia deserta, imersos na solidão noturna, cúmplices de um mesmo crime. E dizia a ela que, se algum dia se sentisse só, bastaria ela deitar seus olhos castanhos sobre o trapézio de Órion, que naquele instante ele estaria por lá, à sua espera, como um anjo que vigia os passos de uma criança distraída.

Quão tolo se sentia agora. E mesmo assim, continuava a alimentar aquele modo de sofrer quase ingênuo, sem jamais abandonar o hábito de vigiar as três estrelas de nome Maria, de deixar-se levar pelas águas da memória, de pensar que assim como ele, alguém, naquele exato momento, estaria com os olhos repousados no longínquo trapézio de Órion.

* * *

Goiânia, 23 de junho de 2011

quintalvelho.blogspot.com
Glauber Ramos
Enviado por Glauber Ramos em 23/06/2011
Reeditado em 27/06/2011
Código do texto: T3052686

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Glauber Ramos
Gurupi - Tocantins - Brasil, 38 anos
98 textos (3232 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/05/21 23:32)
Glauber Ramos