Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

E agora, Fernandinho?

No seu 18 Brumário de Napoleão Bonaparte, Marx dispara: “ A história só se repete como tragédia ou farsa”. Quero crer que a conjunção alternativa “ou” possa ser substituída pela aditiva “e” sem prejuízo de sentido para o que pretendo apresentar. Refiro-me a última edição do Enem que, a considerar os acontecimentos, não passou de uma reedição do que já acontecera nos anos de 2009 e 2010. O que se viu foi mais uma tentativa frustrada de jogar fora a criança e tentar criar a placenta. E de nada adianta os mais indignados perguntarem até quando isso vai acontecer, pois a resposta é simples: até sempre, ou quase. Vivemos num país onde o desvio de conduta ainda é, infelizmente, o caminho mais curto para que alguns possam se beneficiar das facilidades que o sistema oportuniza. Convenhamos, a realização de um Exame Nacional num país onde a corrupção ainda tenta provar a validade do “farinha é pouca, meu pirão primeiro”, é um grave atentado à inteligência, digamos, mediana das pessoas. E se escrevo em tom de galhofa, é só para esconder minha indignação, enquanto professor, com esse estado de coisas, especialmente quando a solução é simples. Eu e meus colegas trabalhamos muito ao longo do ano para, no final, nos depararmos com a bisonha máxima de que esse mundo é dos espertos. Lamentavelmente, entre nós, o gene da lisura parece ser recessivo e de baixíssima penetrância. Para que nos enfiar o Enem goela abaixo como se ele fosse a última coca-cola do deserto?
Para as pretensões políticas do sr. Fernando Haddad, o Enem se revelou um cabo-eleitoral muito desastrado. Seja qual for a decisão do MEC frente a mais uma fraude em seu vestibular, a emenda sairá pior que o soneto. O exame foi comprometido. Não dá para tapar o sol com a peneira. Resta a esperança, pelo menos no Rio de Janeiro, de que a UFRJ, UFF e UERJ, esta última ainda na surdina, revejam seus conceitos com relação ao Enem enquanto critério único para o ingresso dos alunos em seus cursos de graduação.

                                                                       Prof. Aldo Guerra

Aldo Guerra
Enviado por Aldo Guerra em 28/10/2011
Código do texto: T3303013

Comentários

Sobre o autor
Aldo Guerra
Rio das Ostras - Rio de Janeiro - Brasil, 64 anos
296 textos (27975 leituras)
3 áudios (571 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/05/21 15:28)
Aldo Guerra