Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A fila da morte

Uma fila de quase mil pessoas. E ele entre os últimos dez. A fila andava pouco. E o pior é que não lembrava o que estava fazendo naquela fila. Bateu no ombro do sujeito da frente e perguntou: “Esta fila é para que?”. O cara, sem sorrir, respondeu: “Olha, eu não sei muito bem. Mas se está com pressa, pode passar para a frente e ocupar o meu lugar”. Agradeceu a gentileza, passou para o lugar do outro, e fez a mesma pergunta para a mulher que ficara na sua frente. A resposta foi a mesma e a gentileza também. Em poucos minutos ganhara dois lugares. Que sorte!!! Mas ainda não sabia o que estava fazendo ali. Ainda bem que a fila andou uns quatro passos. Mas ainda não conseguia enxergar o começo dela, pois havia uma espécie de neblina lá na frente.
Neste momento, notou que um rapaz todo vestido de branco caminhava pelo lado da fila, entregando senhas numeradas para todos. Esperou, pacientemente, o rapaz se aproximar. Quando o moço estendeu uma senha, ele perguntou: “Que fila é esta. Não lembro o que estou fazendo aqui”. O rapaz, com um sorriso, respondeu: “Esta é a fila para o encontro com a morte. Lá no começo, a morte está sentada no seu trono. Quando o senhor chegar na frente dela vai saber se o seu destino é o céu ou o inferno. Eu estou entregando senhas porque algumas pessoas estão trocando de lugar e indo mais para trás. Assim, com estes números, ninguém vai enganar a morte: cada um chegará na frente dela na sua hora marcada”.
Fila da morte. Meus Deus!!! E ele passara dois lugares para a frente. Que trouxa!!! Enganado duplamente. Olhou para trás, mas os dois enganadores já tinham conseguido dar vários passos para trás. Pensou: “Desgraçados. O inferno está esperando por vocês, seus miseráveis”. Sentiu um empurrão nas costas. A fila havia andado e ele ficara parado, Deus quatro passos para a frente, sem muita vontade. Pensou em sair correndo, mas notou que a fila ocupava um longo corredor sem janelas. E alguns seguranças, armados, olhavam ameaçadoramente para quem pensasse em sair da fila. E ninguém queria morrer antes da hora...
Lembrou das muitas filas que havia enfrentado durante a vida. Sempre tivera muita pressa e, muitas vezes, furara filas para não ficar esperando. Ou promovera protestos, gritando: “Esta fila não anda, vamos dar um jeito nisso, vamos botar mais gente para atender...”. Quantas broncas havia armado!!! A coisa que ele mais odiava era enfrentar filas. Chegara a pagar pessoas para ficar nas filas no seu lugar. E agora estava ali, torcendo para que a fila não andasse ou andasse bem devagar. Ainda bem que a morte atendia pessoalmente cada pessoa. A fila andava lentamente. Mas ele já estava achando rápida demais...
Começou a suar frio. Como se metera nesta? Relembrou os últimos acontecimentos. Estava bebendo com os amigos, numa alegria total. De madrugada, pegara o carro para ir para casa. E depois disso não lembrava de mais nada. Será que havia se metido num acidente de trânsito por dirigir embriagado? Sentiu alguém batendo no seu ombro. Olhou para trás: era um policial. Falou: “Não adianta empurrar, meu. A fila anda devagar. E eu nem posso te dar o meu lugar porque já tenho a senha numerada. Vai com calma que a tua hora também chega”. O policial, porém, pegou no seu ombro e sacudiu mais forte. E ele foi abrindo os olhos devagar. Num segundo, a fila da morte desapareceu. E ele notou que havia dormido sobre a direção do carro. Ainda estava no estacionamento do bar onde bebera com os amigos. Cambaleando, saiu do carro e foi amparado pelo policial. Depois de acordar melhor, mostrou os documentos, e foi aconselhado a pegar um táxi para ir para casa. Uma fila de pessoas aguardava a chegada dos carros de aluguel. E ele, pacientemente, esperou a sua vez, pois aprendera, em sonho, que não era tão mau assim esperar numa fila...


















Milton Souza
Enviado por Milton Souza em 08/02/2007
Reeditado em 08/02/2007
Código do texto: T374012
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Milton Souza
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 74 anos
67 textos (6286 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/19 12:16)
Milton Souza