Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
Eu Caí na “Big” Bobeira...


Existem coisas que você não deve experimentar, ou ficará viciado nas mesmas. Não falo de drogas (leia-se: álcool, fumo, jogo e drogas mesmo!), mas de certas ocorrências na vida que nos aprisionam e que depois tornam-se um hábito. Segundo alguns filósofos: somos escravos dos hábitos, sendo que primeiro nós os construímos e depois eles nos constroem, ou destroem.

Sempre lutei, como candidato a intelectual, contra hábitos perniciosos que nos afastam do saber, para mim uma das poucas coisas definitivas e sóbrias, pelas quais vale a pena lutar. No campo de batalha contrário, posicionei o excesso de horas diante de videogames, novelas e programas descartáveis de variados matizes.

Lembro-me de uma antiga crônica de Fernando Sabino na qual ele foi a uma tourada. Diante dos primeiros jatos de sangue, sentiu repulsa e vontade de sair correndo. Porém ele foi-se acostumando, ingressou na diversão, sentiu a vibração do povo e logo estava dizendo: olé, olé! Caiu na vulgaridade assassina. Não atirem os protetores dos animais as primeiras pedras, ainda. Guardem-nas para mim.

Um dos programas com os quais avacalhei, amaldiçoei e reprimi com violência e veemência foi o tal do “Big Brother”. Como aceitar uma fórmula que já vem com o nome escrito em inglês? Os primeiros programas eu ignorei por completo. Em seguida, comecei a incluir qualquer um que declarasse que os assistia na minha lista de estúpidos, burros, idiotas e bitolados. Peguei pesado. Quando dei por mim restavam poucas pessoas de bom senso no mundo.

A partir daí o desastre me abalroou dentro de minha casa. Sempre a família nos põe a perder. Um infeliz goiano inventou de participar e saiu-se muito bem. Foi inevitável que aquela coisa começasse a invadir a minha casa, o meu reino, o meu paraíso. Acabei acompanhando, relutantemente, alguns capítulos. O goiano venceu.

Nesta última versão acreditei que minha família não teria motivo algum para assistir ao programa que eu intitulava “Big Bobeira Brasil”; errei de novo. Começaram a assistir e a gostar. Eu protestei, vejam outra coisa. Leiam livros, desliguem a televisão. Fizeram-se de surdas e mudas. Meu computador, devido a graves problemas com espaço, fica na mesma sala em que a TV. Fui ouvindo o programa, acompanhando o desenrolar das intrigas e conheço agora as personagens.

Se fosse ser um xiita radical, excluiria a minha família do meu convívio. Entre ser um eremita, casto, culto e isolado em sua pedra de sabedoria, e um cidadão cheio de calor humano, tive que me render. Não estou gritando olé, como o Fernando Sabino, mas sei quem deve ou não ir para o paredão – é o fim. Por favor, atirem-me todas as pedras...


Jurandir Araguaia
Enviado por Jurandir Araguaia em 22/02/2007
Código do texto: T389374
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Jurandir Araguaia
Goiânia - Goiás - Brasil
1331 textos (95678 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/09/20 04:41)
Jurandir Araguaia

Site do Escritor