Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Laudo médico do fim de uma relação

O calor de uma tarde a me envolver, o verão escaldante que se aproxima e a calma de um coração tranqüilo. Entre um paciente e outro, me permito alguns minutos de descanso, dentro do consultório. Desligo o ar-condicionado congelante, abro um pouco a janela para respirar o dia. Poluído, sonoro, mas ainda assim vivo. Real. Pela janela, enxergo ocasionalmente uma pequena figura humana aparecendo na janela de um dos prédios lá do outro lado da avenida. Penso em você... Espere. Pensando bem, sendo sincero mesmo, não penso não. É mentira. Eu penso sim, na falta que você não me faz. Eu penso no quanto minha vida melhorou depois que você deixou de fazer parte dela, no quanto a paz passou a fazer parte dos meus dias depois que te arranquei a fórceps do meu círculo de convivências. No quanto pude me saber leve e livre de amarras e de surtos em todos os relacionamentos, de amizades e de amores que tive depois do tempo em que passamos juntos.

Não foi um procedimento tranqüilo, uma operação fácil. Sua obsessão e não-conformismo em deixar de existir para mim fazia com que cada tentativa de contato, cada telefonema, cada SMS, cada e-mail, simbolizasse uma ofensa à minha decisão de não ter alguém como você fazendo parte da minha vida. Um dia, deixei de tentar responder, deixei de estimular sua existência, passei ao invés de extirpar cirurgicamente sua presença, simplesmente parar de oferecer alimento às suas tentativas de contatos, fossem quais fossem. Deixei pra lá o meu inconformismo, a incapacidade que eu tinha de entender porque você insistia de maneira tão enlouquecida. Deixei pra lá o incômodo que causavam suas (felizmente) cada vez menos freqüentes tentativas de contato. Deixei pra lá tudo que você representou, todo o stress que causou, toda a irritação acumulada, e apenas investi no esforço de fazer com que toda e qualquer influência tua deixasse de existir na minha vida.

Mentiras, imaturidades, desesperos de causa, ansiedades, ciúmes, possessividades e apegos de todo e qualquer tipo são para os relacionamentos, os equivalentes à gordura, ao sedentarismo, à pressão alta, ao colesterol, ao álcool e ao cigarro para o corpo. Essa foi a causa da sua morte, pelo menos para mim. Palavra de médico.
Odemilson Louzada Junior
Enviado por Odemilson Louzada Junior em 05/10/2012
Reeditado em 05/10/2012
Código do texto: T3917916
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Odemilson Louzada Junior
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 45 anos
299 textos (14070 leituras)
1 áudios (33 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/19 03:38)
Odemilson Louzada Junior