Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cartas na mesa.... Cartas na manga...

"O coração do homem, meu caro amigo,
 é um mistério indecifrável!"
[GOETHE. Os sofrimentos do jovem Werther. Carta de 04/05/71]

     Constituiria uma vantagem inestimável conhecermos o próximo lance de dados, a próxima carta a ser tirada, o próximo minuto de aflição, o próximo sorriso a ser encontrado.
     Tudo tem lá aparência de delírio, não sou uma pessoa tão fria assim: sinto até o frio que emano!
      Não há maior libertação do que aquela que consiste em não entrar no jogo, maior sorriso doce do que aquele que mostra o lado oculto da Gioconda, assim como não há mão mais feroz e caligrafia mais atroz que a mão de Merteuil lançada no caos.
     Grande jogos trazem grandes filosofias!
     Sinto um vazio apertar meu peito, aperto contra os dentes a barra de chocolate,  repito comigo: "il faut être absolutement moderne"... é preciso ser literatura...
     Certa feita, no furoro do momento, decubro-me personagem nas palavras de outras pessoas. Certa feita também me descubro humano, em minhas próprias palavras. Em um momento descubro a felicidade, noutro o vazio da solidão a que me condeno.
      Não sei jogar cartas!
      E lá em algum lugar chove enquanto aqui faz sol, dia de praia. Não gosto de praias. Perdi na ilusão de mim mesmo o único amigo que tinha e de acordo com este raciocínio, paro para pensar se o ideal realmente é válido.
      E assim, oscilando no tempo dos segundo reais e das horas sonhadas, escrevo. E quando escrevo, as coisas tomam nome, as cartas despecam da manga para a mesa desmascarando meu jogo, jogo de vida, jogo de morte...
      Construo um espaço com o fragmento de minhas personalidades, corto os nós, como corto os cabelos.
      Once more upon the waters! Yet once more!
      E contudo, sobretudo continuo pedant, o gentleman esperado não veio (esta jogando bridge com alguma dama em um quarto escuro de hotel). As lições das cartas não têm sido fáceis.
      Um valete de ouro, alguns sonhos, mãos vazias...
      Um dia contarão uma história, em silêncio, de um apostador de si mesmo, enquanto sonharão com as altas torres do fim-do-mundo. Já não existem enigmas assim...
      E deixo de errar em arte, de fazer com arte, de fazer arte. Jogo com os largos e nodosos dedos do acaso, nas horas do ocaso, em um mistério pelo qual não sei qual é o prêmio. No fundo tudo tem um motivo e os piores deles não se evideciam por gargalhadas gélidas, mas por olhos profundos. Olhos de ave de rapina, de jogador matreiro que perdeu o talento. Olhos de um Às de Copas...
     Eu exaperei tantas cartas que as perdi e deixei de escreve-las... ainda tenho noticias, como as cartas que vem, os ventos trazem, algumas vezes, 3 copas, outras um 7 de paus... mas são cartas, cartas escritas pela caligrafia dura do Destino.... que insiste em dar-me cartas, esconder-me fatos.
     E eu fujo, ando em círculos maiores que meu pensamento... e não tenho mais esperanças de um final trágico. Toda tragédia está corroída pelas engrenagens de algum modernizador, mas no entanto, ainda escrevo...
     Por que sempre haverão cartas indecifraveis, caligrafias impossiveis de serem lidas, como o reflexo da lua em um espelho negro, como um grou que traça com as gotas de vida uma linha escarlate no céu.
     E eu espero. Embora não saiba o jogo que jogo, as regras a que elee eu estamos submetidos, eu o jogo, e eu vivo, e espero, no final de tudo, triunfar sem ter revelado todos os meus segredos e mantido nas profundezas da manga alguma carta, chave de ouro, para o enigma de mim-mesmo.

Ev
Enviado por Ev em 26/02/2007
Reeditado em 26/02/2007
Código do texto: T394265

Comentários

Sobre o autor
Ev
São José - Santa Catarina - Brasil, 32 anos
56 textos (2959 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/09/20 05:57)
Ev