Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Dama Da Noite


Desço a rua Apinagés* vinda da Alfonso Bovero*. São nove e meia. A noite...uma sexta-feira.

A rua, como tantas outras de classe média, está relativamente tranqüila nesse horário. Aos prédios sucedem-se algumas casas e elas  se parecem umas com as outras. No antigo jardinzinho da grande maioria delas repousa o automóvel; bem imprescindível na capital paulistana (é bem verdade que o trânsito está sempre um caos, mas ...)

Desço a rua absorta em meus pensamentos, alheia a tudo ao meu redor, mas súbito, uma onda inebriante de um perfume fascinante me envolve e deleita minhas narinas e pulmões tão castigados pela poluição.

 - “Sensação antiga. Onde mesmo já senti coisa igual?  Quando?”

Paro atônita inalando sofregamente aquele perfume. Olho ao redor. Aguço a vista e o olfato. Esmiuço os poucos jardins e floreiras que restaram. O perfume fica mais intenso. Absorvo o ar em largas tragadas e me delicio.
       
- Hummm... Dama da Noite. – “Ainda existe por aqui? Mas, onde está?” Lembro então do sobradinho da infância, tudo tão florido...

Olho mais atentamente ao meu redor e vislumbro, num cantinho qualquer de um prédio qualquer, quase soterrado pelas muralhas de concreto dos edifícios, o pé de cheiro, pé de flor, carregadinho e exuberante.  Triunfante e desafiador.  Meus olhos não se cansam de olhar.

 – “Como não notei isso antes?”

Fico ali parada, em contemplação. Êxtase total!   Meus pulmões e narinas em festa. Só então me dou conta da cara do porteiro, desconfiado, observando-me com o rabo dos olhos.
 
Disfarço e sigo em frente. A dois passos dali tenho que contornar uma montanha de lixo na calçada. –  “Argh!”.

Um pouco mais abaixo tento desviar de um montinho de cocô de cachorro e... falho.  – “Temos que adestrar esses donos de alguma maneira”, penso.

Olhando para o chão para me safar do lixo, da sujeira e dos buracos, vou seguindo para casa, logo ali, na rua de baixo onde não tem perfume nem pé de flor.




*ruas do bairro de Perdizes-SP

PS.: O “pé de flor” foi arrancado em 2003 para dar lugar a
     uma linda e moderna guarita de segurança.

vera abi saber
Enviado por vera abi saber em 11/02/2005
Reeditado em 17/10/2018
Código do texto: T3986
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Voce deve citar a autoria de Vera Abi Saber ). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
vera abi saber
São Paulo - São Paulo - Brasil, 68 anos
120 textos (19059 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/10/19 08:41)
vera abi saber