Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UMA RECEITA DE QUIBE DE BANDEJA


O vôo para Brasília sairia às 11 horas.

Na hora agá, avisaram sobre a mudança do portão. Sobe e desce escada, e embarca.

Pedi uma poltrona no corredor e a do meio para a esposa. Colocaram-me na primeira fila, gogó do piloto, espaço para espichar as pernas. A poltrona da janela ficou vazia. Depois de um montão de gente, a comissária avisou da cadeirante para a da janela.

Dá pra tirar as sacolinhas do chão? Dá sim, como não!

E chegou a anciã toda assistida. Desceu da cadeira, foi pra janela. Deram-me uma sacola que coloquei no compartimento da fileira ao lado, pois o meu estava lotado.

A senhorinha se acomodou e berrou: E MINHA SACOLA? Coloquei no compartimento, eu disse, e abri a portinha pra mostrar.

Ah! Ainda bem!

Enquanto a velhinha se ajeitava, pela porta entreaberta da cabine constatei que o piloto era uma mulher. É a primeira vez que vôo com uma mulher comandando. Deus me livre!, berrou a velha, pára o avião que eu quero descer! Tô velha, mas não quero morrer!

Acalmei a anciã dizendo que o copiloto era um senhor grisalho, ela poderia ficar tranqüila.

Eu não sou daqui, moro no Piauí, vou pra Teresina, casamento da sobrinha. O presente está naquela sacola!

Não se preocupe, está tudo bem guardado.

Vim pra cá menina, meu pai me deu pra casar com um sujeito horroroso, eu tinha dezesseis anos. Na lua-de-mel fiquei apavorada com aquele homem peludo na minha frente e não tirei a roupa de jeito nenhum.

Àquela altura rompi-me num acesso de riso que durou mais de hora, e ela não parava de falar.

Coisa mais horrorosa aquele homem pelado. As freiras haviam me ensinado que pegar na mão de homem era pecado, engravidava; beijar então, coisa do diabo! E aquele bicho peludo na minha frente me fez chorar e gritar e chamar a minha irmã por telefone que era enfermeira e depois veio e me explicou que casamento era aquilo mesmo e tinha que deixar aquele bicho horroroso fazer o que quisesse comigo.

Fiquei casada com ele por dois anos e tive dois filhos. Depois separei e vim pra São Paulo e conheci o tcheco que trabalhava na Volks, ganhava bem, ficou muito rico, viajei pelo mundo, tive mais quatro filhos, mas ele bebia e comia muito, e um dia morreu.

Aí veio a grande surpresa: mais quatro mulheres e seis filhos, pensão pra todo o mundo, perdi tudo. Sobrou uma casinha no Aeroporto.

Meu pai e minha mãe eram libaneses e tiveram 10 filhas mulheres. Sabe como é, precisavam se livrar das meninas logo, despachar para uns maridos porque a conta era cara. Por isso ele me entregou para aquele macaco peludo no Rio de Janeiro, eu que nunca tinha visto homem pelado na frente.

Eu tenho 85 e moro sozinha. Ainda dirijo por aí. Os vizinhos dizem que sou maluca. Faço quibe de bandeja, e muito bem.

Pegue a alcatra e moa duas vezes com o trigo, passe manteiga na bandeja e solte uma camada fina por baixo. No meio, carne moída frita com cebola misturada com esnobar. Depois, outra camada de carne moída com trigo por cima, como um sanduiche, e depois pro forno, até ficar tostadinho. O importante é moer logo a carne e por no forno.

 Se quiser cru, pode comer, mas tem que ser logo, senão a carne escurece.....

Nagib Anderáos Neto
Neto.nagib@gmail.com




Nagib Anderáos Neto
Enviado por Nagib Anderáos Neto em 04/12/2012
Reeditado em 08/04/2013
Código do texto: T4019258
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria de Nagib Anderáos Neto www.anderaos-nagib.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nagib Anderáos Neto
São Paulo - São Paulo - Brasil
376 textos (95314 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/07/19 17:00)
Nagib Anderáos Neto