Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Suplício.

   Abafo as dores da alma com gritos agudos lançados ao ar. Uma dormência sufocante invade às minhas entranhas. O silêncio da tarde ecoa meus gritos absurdos. No soluço amedrontado procuro escutar à sua voz atendendo ao meu chamado; no entanto ela não vem. Na lúgubre tarde de outono as nuvens negras vem aterrar-me ainda mais no meu desespero.
   Tarde agonizante que o vento não consegue dissipar. A esperança parece esvaecer com a entrada da penumbra...  A noite fria, fechada e solitária chegou...
   O coração arde de dor...
   Paro, respiro... ouço...
   Bem no interior da minha alma alguém me pede calma... Consigo enfim, abrir um triste sorriso...
   O criador me diz para eu olhar dentro de mim e procurá-lo ali:
   - Nunca ficaste só _ ele me revela, _ eu sempre estive aqui contigo. O teu desespero era tanto que não conseguias sentir-me... Acalme-se! Eu estou aqui...

  Este é um dos desabafos que fiz quando perdi o meu pai para a eternidade.
Jânia Lopes Martins
Enviado por Jânia Lopes Martins em 29/05/2013
Reeditado em 29/05/2013
Código do texto: T4315547
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Jânia Lopes Martins
São Mateus - Espírito Santo - Brasil
544 textos (30052 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/09/21 15:17)
Jânia Lopes Martins