Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

 causa-própria

Rosa Pena
 
É de manhãzinha do dia trinta e um de dezembro. Abro as janelas e já sinto um cheiro de assado que atropela o perfume das gardênias que meu vizinho de varanda audaciosamente plantou e elas vingaram. O sol carrega tanto na luz que meus olhos tropeçam na imagem do céu. Eu, com minha xícara de café, dispenso o filtro pra deixar a pele arder provando-me que estou viva. 

Solto o pensamento e concluo que deveria, como defesa, esquecer esse lance de término de ano, coisa que tenho tentado violentamente. As rabanadas (gardênias) azuis, o lombo cor-de-rosa, os damascos em tons de laranja não fazem parte do arco-íris que quero salvar do naufrágio dos fogos de artifício. Saboreio a luz que se espalha sobre a cidade e tento serenar a enchente de meus olhos. Quero silêncio total em minha alma.

“Navegar é preciso”, mas hoje eu quero estar à margem.
 

 
Rosa Pena
Enviado por Rosa Pena em 31/12/2013
Reeditado em 02/01/2014
Código do texto: T4631464
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Rosa Pena
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
987 textos (1585335 leituras)
48 áudios (24863 audições)
33 e-livros (31308 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/19 10:29)
Rosa Pena

Site do Escritor