Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

os bons,os maus,os feios
 
Rosa Pena
 


Quando chegamos a um período da vida em que cagamos solenemente para os pitacos alheios, que nossas atitudes são incoerentes para outros, porém para nós faz todo sentido do mundo, que percebemos que a política não muda, quem muda somos nós, que nossos filhos olham com condescendência a velhinha (que é você) tomar um chope e isso não mais lhe irrita, ao contrário, virou piada, que os rebeldes sem causa, que vivem pilotando um celular, pensam que o amor é supérfluo para quem  tem mais tempo de rodagem, a glicose sim é que é importante, vem a certeza de que um dia (sem rogar praga),  eles também terão triglicerídeos fodidos. Os sorrisinhos indulgentes para nossa afirmação que ainda voltaremos a mergulhar em Cozumel ou comprar uma motocicleta ou..., entre sonhos, fica pequeno.
Não foram eles que inventaram a Bossa Nova.

Cacilda! Nada disso esquenta mais a nossa cabeça, pois temos certeza que não somos micro-ondas (apesar de que fomos nós que o concebemos) e que não foram eles que inventaram o Rock and Roll .
Pronto! Podemos afirmar que realmente um novo tempo chegou.

Ah! Nele quando a gente ama, ama de verdade, o mesmo se aplica ao inverso. O passageiro ficou lá atrás quando nós achávamos que nossa tia de cinquenta anos era uma moribunda que andava. Agora a gente não se desabona mais. Valem as nossas preferências, mesmo que elas não sejam as aconselháveis, as de aprovação social, basta que para nós sejam "tudo de ótimo". Não mais decidimos pelos outros quem é o bom, o mau, o feio (lembrei-me do filme). Nesse “adolescente “momento da vida em que damos zero importância ao que vão pensar, e mil para uma picanha sangrando como se fosse uma puta transgressão as normas de moral e bom costume (o colesterol está 250) é a hora em que atingimos a tão cantada "idade feliz" independentemente do calendário.

Vale aquilo que nos faz bem e leva alegria as pessoas que amamos e que nos amam do jeito que conseguem. E para os não Narcisos, talvez seja a única hora da vida em que priorizam a si mesmo. Finalmente escolhemos se somos os bons, os maus ou os feios.
É nessa que eu estou. Por sinal, linda. Ta me achando?
Volta lá no início. Caguei! 
Rosa Pena
Enviado por Rosa Pena em 17/01/2014
Reeditado em 13/02/2017
Código do texto: T4653627
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Rosa Pena
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
987 textos (1585207 leituras)
48 áudios (24863 audições)
33 e-livros (31308 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/19 13:28)
Rosa Pena

Site do Escritor